Política

#28A

O 28A tocou o terror em Temer e na burguesia. Podemos derrubá-los junto com suas reformas!

domingo 30 de abril de 2017| Edição do dia

O bloqueio midiático da Globo foi para a lata do lixo durante todo o dia do 28A, nas redes sociais milhares ou milhões que apoiavam a ação histórica da classe trabalhadora neste dia, desmascaravam e denunciavam cada passo da mídia burguesa, dos políticos burgueses e da repressão do estado, mostrando que não vão calar a nossa voz de protesto contra os ataques à aposentadoria e as leis trabalhistas, na tentativa de impor que trabalhemos até morrer em condições ultra exploradas.

Em todo o país, o prejuízo imposto aos capitalistas ainda não está completamente mensurado, mas somente no comércio de SP já podemos dizer que foi de 5 bilhões. Mas podemos causar um prejuízo ainda maior, derrubando a reforma da previdência, a reforma trabalhista e todos os ataques como a Lei de terceirização irrestrita, a lei de ataques aos estados em crise ou a PEC do teto de gastos de Temer. Para isto, nossa classe mostrou que é capaz de impor que os capitalistas paguem pela crise, basta que nos apoiemos neste 28A e em cada local de trabalho e estudo façamos que os sindicatos e as Centrais Sindicais aprovem um plano de lutas para preparar uma greve geral até a derrubada dos ataques de Temer, que seu governo golpista vá junto com eles e que coloquemos no lugar uma assembleia constituinte imposta pela nossa luta.

Nossa classe mostrou uma força histórica, mesmo com a oposição de toda a mídia. Paralisamos o país de maneira histórica. A população apoiou massivamente, militando nas redes, com um recorde histórico três vezes superior ao auge do golpe institucional, e não saindo de casa. Além de ter composto atos enormes pela tarde em todo o país que somando devem ultrapassar 2 milhões de pessoas. O governo sentiu o baque forte. A imprensa golpista, preocupada depois de tremer com nossa classe, teve que passar de um primeiro momento que dizia que era um fracasso para agora centrar na pressão em Temer para manter os ataques, como bons serviçais do capital que são.

Assim como foi a disposição de luta na base e a insatisfação generalizada com as reformas e Temer que obrigou as centrais sindicais a se unificarem em um dia de luta importante no 15/3 e agora uma greve geral no 28/4, com a moralização da nossa classe e da população com o 28A, é possível pressionar para obrigar as direções a que haja um plano de luta imediato com novas paralisações, manifestações, jornadas e greve que sejam preparação de uma greve geral que se prolongue com o objetivo de derrubar Temer e suas reformas. É possível vencer. Chegamos até aqui sem ter conseguido tirar o controle das direções sindicais burocráticas do processo.

Batalhemos, em primeiro lugar toda a esquerda independente do PT, para exigir das centrais sindicais um Encontro Nacional de Delegados de Base que seja capaz de organizar pela base a luta para assumir os rumos em nossas mãos. Se vão convocar ato em Brasília, exijamos que garantam que seja com paralisação e transporte em todo o país para tomar a cidade e mostrar que não vamos deixar passar as reformas. Exijamos que seja um plano de luta sem trégua, pois eles já mostraram que para eles não tem.

Com essa perspectiva podemos derrotar Temer, suas reformas e fazer com que os capitalistas paguem pela crise, abrindo espaço para impor uma Constituinte imposta pela luta para que os trabalhadores e o povo pobre sejam os que governem no lugar destes políticos corruptos que rasgam a constituição sem nenhuma legitimidade do voto. Podemos impor uma mobilização superior que seria a única maneira de ter legitimidade frente a esta democracia corrupta e cada vez mais autoritária. Que sejam representantes eleitos e revogáveis, representantes de nossa mobilização, que convoquem uma constituinte para impor nosso programa e saída para o país que só pode ser com os capitalistas pagando a crise com seus lucros!

Leia também: A greve geral mostrou a força de milhões de trabalhadores: nós podemos derrotar Temer




Tópicos relacionados

#28A   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar