Política

DESEMPREGO

Notícia falsa de emprego gera filas no RJ e escancara os efeitos da crise para povo pobre

O desemprego cada vez mais alarmante, que já chega a 30% na juventude, faz com que muitas pessoas estejam em constante alerta à qualquer sinal de abertura de vagas. Na manhã desta sexta-feira em Niterói, filas se formaram por conta de uma divulgação de abertura de um posto do Sine compartilhada pelo Whatsapp, mais tarde foi divulgada a notícia oficial de que esta inauguração, no mesmo local, ainda não tem data prevista. Essa é a miséria que Bolsonaro oferece à população pobre enquanto garante o lucro dos banqueiros, patrões e grandes empresários.

sexta-feira 16 de agosto| Edição do dia

Durante a manhã desta sexta-feira, dezenas de pessoas compareceram à Avenida Feliciano Sodré, no centro de Niterói, por conta de uma suposta inauguração de sede do Sistema Nacional de Empregos (Sine-RJ). A notícia foi compartilhada via áudio no WhatsApp, e expressa a grave situação dos desempregados, que se desdobraram para comparecer desde as 4 horas da manhã em busca de uma vaga.

Já não é novidade o nível da crise econômica que nos afeta a nível internacional, que deixa milhões de desempregados em situação de desespero, migrando de seus países, buscando empregos informais como autônomos ou até mesmo morrendo de tanto pedalar nos serviços de aplicativos como Rappi e Ifood. Neste cenário muitas pessoas fazem o que for necessário para conquistar um emprego fixo com salário estável.

No estado do Rio de Janeiro, não só de desemprego se escancara a crise, mas também pela via do genocídio generalizado nos morros, com um governador, Witzel do PSL que dá declarações falando que “tem que mirar na cabecinha”, “nós vamos te matar” e inclusive apareceu de fuzil na mão em helicóptero, fazendo política em cima da violência policial escancarada.

Em meio a isso, é muito revoltante ver mães de família, em sua maioria negras, que deixam seus filhos, pedem dinheiro emprestado para a passagem em busca de melhores condições de vida e se deparam com mais uma Fake News. Esse fato deixa explícito que tudo que os patrões e o governo podem oferecer à população pobre é a mentira e a ilusão de um emprego estável. Para manter o sistema e os lucros dos patrões, empresários e banqueiros, como querem, o povo só terá direito a morrer trabalhando e sem nenhum direito.

Mesmo depois da chegada de um representante da Sine no local na intenção de desmentir a notícia, às 7h 15min, mais pessoas continuaram chegando ao local, também relatando terem pedido dinheiro emprestado. Uma delas é trabalhadora autônoma e deixou de vender seus bolos no dia de hoje na esperança de um emprego fixo. De fato será inaugurado, de acordo com os representantes da empresa, um posto do Sine no mesmo local, porém sem data prevista, ninguém soube identificar de onde teria vindo, porém, a notícia falsa.

Esse caso demonstra a urgência de mais vagas de emprego, que coloca na ordem do dia a batalha pela divisão das horas de trabalho. Se é verdade quando os governadores e o presidente dizem que não há novos empregos, que as hora de trabalho destinadas aos trabalhadores que hoje têm que ter longas jornadas absurdas sejam divididas para toda a população, sem que isso acarrete na diminuição dos salários, que em sua maioria já são insuficientes.

Para impor as escalas móveis de trabalho, medida que de fato combateria os altos níveis de desemprego que afetam não só a população do RJ, mas de todo o país, é necessário a conformação de um sério plano de lutas, que para além disso seja capaz de derrotar a Reforma da Previdência em curso, que pretende retirar a aposentadoria, a MP da "liberdade econômica" que permite trabalho até nos fins de semana, e o criminoso projeto Future-se, que vem para abrir margem para privatização das universidades públicas. É tarefa das centrais sindicais e da UNE parar com a política de negociação e organizar esse plano de lutas para combater de fato o conjunto dos ataques da extrema direita.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Desemprego   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar