Internacional

FRANÇA

Nos dias 3 e 4 de maio, ferroviários, estudantes, Air France e professores tomam as ruas, apesar da repressão!

Embora as manifestações do 1º de maio tenham sido severamente reprimidas em várias cidades, como Paris e Rennes, ferroviários, trabalhadores da Air France e estudantes tomam a rua nos dias 3 e 4 de maio. Dois dias que estão sob vigilância policial, mas isso não nos impedirá de expressar nossa indignação pelos ataques de Macron!

quinta-feira 3 de maio| Edição do dia

A oportunidade era boa demais para o governo, depois dos danos causados ​​durante a manifestação do Primeiro de Maio. Collomb explicou que as forças da repressão serão implementadas de maneira significativa durante os próximos dias de mobilizações.

No entanto, nesta quinta e sexta-feira, 3 e 4 de maio, trabalhadores dos transportes ferroviários, funcionários da Air France e estudantes vão às ruas para protestar contra os ataques do governo e para desviar a direção dos trabalhadores da Air France para suas demandas estritamente salariais. Se o governo afirmou que não viu convergência nas lutas, nos próximos dois dias, verá.

Para o 14º dia de greve, 30% de adesão da SNCF

A sétima sequência da greve dos trabalhadores ferroviários que abre hoje verá 1 TGV de 2, 1 Transilien de 2, 2 TER de 5, 1 Intercity de 3 em circulação. A SNCF anuncia 30% de adesão à greve, a mesma taxa dos dias 28 e 29 de abril. A administração da SNCF prefere colocar essa taxa em comparação à de 24 de abril, quando havia 32% de grevistas, para que todos acreditem que o movimento declinou acentuadamente.

Mas, após 5 dias das pseudo-negociações com Edouard Philippe, os ferroviários continuam determinados a pressionar e poderão contar com os funcionários da Air France para mostrar que não estão isolados. Mesmo que o sindicato decidisse por apenas convocar uma manifestação, esta deveria ser acompanhada pelo setor de educação - alunos e funcionários do primário ao superior.

12º dia de greve na Air France, uma queda na taxa de adesão, mas a determinação está lá

Os funcionários da Air France estão iniciando seu 12º dia de greve hoje. A mobilização atinge sua menor taxa de grevistas. Segundo a direção da empresa, haverá 18,8% dos pilotos, 18% da tripulação de cabine e 10% da equipe de terra que estará em greve. O Inter também pede uma greve amanhã, esta é a primeira vez desde fevereiro que os funcionários da Air France e os trabalhadores ferroviários estão se mobilizando juntos por dois dias consecutivos. Este 4 de maio é a data de encerramento da consulta salarial lançada pela administração da Air France, criada para quebrar o movimento e lavar a cara da representação sindical.

Por essa votação secreta, a administração da empresa deseja endossar suas propostas cara a cara às reivindicações dos trabalhadores. Os sindicatos querem um aumento imediato de 6%, denunciam a deterioração das condições de trabalho, particularmente relacionadas aos cortes de empregos. A Air France demitiu 12.000 funcionários em 5 anos. A administração está propondo um aumento salarial global de 7% ao longo de quatro anos, além dos aumentos individuais. Mas essa proposta é válida sob certas condições. De fato, os aumentos podem ser significativamente menores se "o resultado operacional da Air France for inferior a 200 milhões de euros" ou "no caso de inflação mais alta ou resultado negativo". Uma manobra inaceitável ainda mais quando sabemos que o que desencadeou a greve foi ​​a revelação de um aumento de 67% de 14 líderes.

Os estudantes ainda se mobilizaram diante da repressão.

Os estudantes que foram duramente atingidos pela repressão virão para apoiar os trabalhadores em greve nas ruas das cidades em todo o país. Depois de serem expulsos violentamente pela CRS em várias faculdades ocupadas e enquanto outros são ameaçados de expulsão como os da Mirail em Toulouse, os estudantes permanecem igualmente mobilizados, como a renovação do bloqueio em Nanterre, que havia sido desalojada pelas forças da repressão. Os trabalhadores ferroviários mobilizados estão lado a lado aos estudantes, como mostra sua presença em Tolbiac ou Toulouse.

Avisos de greve arquivados "do jardim de infância ao superior"

A Snesup-FSU, juntamente com a Sud Education, a CGT Ferc’sup e a Snasub-FSU já apresentaram um aviso de greve para o pessoal da universidade. Contra a lei ORE, e enfrentando a repressão, a greve chega aos professores. E eles se unirão, nas ruas, nesta quinta-feira, aos professores de escolas primárias e secundárias - a convite de Snes em particular - para desafiar o outro lado da seleção na universidade: a reforma do bacharelado e do ensino médio.

Diante da repressão, as lutas se unificam

Hoje, quinta-feira, 3 de maio, é um dia de unidade e apoio entre os diferentes setores em luta. Uma unidade que não é feita no papel, mas nas ruas e nos locais de trabalho. Assim, se os estudantes de Mirail forem expulsos à força nos próximos dias, os trabalhadores ferroviários os incentivam a se organizarem na estação de Matabiau.

A repressão não teve o efeito desejado. Apesar da evacuação da Nanterre e da prisão dos líderes do movimento, os estudantes reiteraram o bloqueio, os estudantes de Mirail permanecem determinados frente à ameaça de intervenção policial, os ferroviários que já foram brutalmente reprimidos permanecem em pé. Idem para os funcionários da Air France que enfrentam o ataque ao direito de greve e não abandonam suas reivindicações Hoje, assim como amanhã, a unidade estará em curso.

tradução Vitória Camargo




Tópicos relacionados

França   /    Primeiro de Maio   /    Internacional

Comentários

Comentar