Internacional

Noam Chomsky e o voto pró Biden: a quem serve a frente anti-Trump?

Reproduzimos esse artigo que foi traduzido do site Left Voice. Tal texto polemiza com as posições de Noam Chomsky em seu apoio político a ao candidato do partido democrata, Joe Biden.

quarta-feira 29 de abril| Edição do dia

Segundo o ilustre professor, dizer #NeverBiden (não apoiar Biden) é basicamente o mesmo que se recusar a votar contra Hitler. Esta é uma analogia problemática. Se podemos aprender alguma coisa desde o início dos anos 30 na Alemanha, é que devemos lutar contra políticos capitalistas.

Noam Chomsky, professor de linguística emérito do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, é um dos intelectuais mais respeitados da esquerda estadunidense. Suas críticas ao imperialismo norte americano e a mídia capitalista preenchem dezenas de livros, e ele se identifica com o anarcossindicalismo e o socialismo libertário. Em entrevista a Mehdi Hasan, do The Intercept, na semana passada, Chomsky falou sobre esquerdistas que se recusam a votar em Biden. #NeverBiden, ele disse, "fazem surgir algumas lembranças":

No início dos anos 30, na Alemanha, o partido comunista, seguindo a linha stalinista da época, assumiu a posição de que todo mundo, exceto nós, é um fascista social, então não há diferença entre os sociais-democratas e os nazistas. Portanto, não vamos nos unir aos social-democratas para impedir a praga nazista. Nós sabemos aonde isso levou. E há muitos outros casos como esse. Creio que estamos vivendo uma repetição disso.

Ele continua dizendo que não votar em Biden é a mesma coisa que votar no Trump – e votar no Trump é, por sua vez, “votar na destruição da vida humana na Terra.”

Com todo o devido respeito ao ilustre professor, sua analogia se desmancha antes mesmo que ele termine sua frase. Votar em Joe Biden é a única maneira de impedir o estabelecimento de uma ditadura fascista? A resposta óbvia é não. Trump já está no poder e, embora certamente tenha sido uma figura reacionária, os Estados Unidos não eliminaram as liberdades democráticas-burguesas básicas. A campanha de Trump para a reeleição não tem nada a ver com a de Hitler porque Hitler nunca concorreu à reeleição, mas mudou a constituição alemã para permitir que ele permanecesse e se consolidasse no poder. Precisamente, este é o ponto.

O governo Trump trouxe um forte aumento na barbárie capitalista. Isso inclui ataques racistas contra estadunidenses de origem asiática durante a pandemia, crimes de ódio contra muçulmanos e demonstrações de nazistas que Trump chama de "gente boa".

Mas quando vemos as imagens terríveis do governo dos EUA prendendo pais, bombardeando civis ou colocando crianças em gaiolas, não podemos ignorar que Trump está usando a máquina de deportação, as frotas de drones e as gaiolas para crianças que ele herdou de Obama e Biden. O governo anterior realmente representa a civilização que Chomsky quer defender?

Em defesa da democracia?

Como socialistas, quando lutamos contra o fascismo, não estamos defendendo a "democracia" dos capitalistas - um sistema que garante riquezas para uma minoria minúscula e exploração para a vasta maioria, pintado sob um verniz constitucional. Pelo contrário, estamos defendendo os direitos democráticos da classe trabalhadora e dos oprimidos - estamos defendendo as organizações da classe trabalhadora, que o fascismo procura esmagar. Leon Trotsky explicou essa diferença:

No marco da democracia burguesa e paralelo à luta incessante contra ela, os elementos da democracia proletária se formaram ao longo de muitas décadas: partidos políticos, imprensa trabalhista, sindicatos, comitês de fábricas, clubes, cooperativas, sociedades esportivas, etc. A missão do fascismo não é tanto completar a destruição da democracia burguesa, mas esmagar os primeiros esboços da democracia proletária. Quanto à nossa missão, consiste em colocar esses elementos da democracia proletária, já criados, na base do sistema soviético do estado dos trabalhadores. Para isso, é necessário romper a casca da democracia burguesa e libertar dela o núcleo da democracia operária. Aí reside a essência da revolução proletária. O fascismo ameaça o núcleo vital da democracia dos trabalhadores.

Em outras palavras, nossa luta contra o fascismo visa mobilizar toda a classe trabalhadora com o objetivo de derrubar o sistema capitalista - o sistema que dá origem ao fascismo em primeiro lugar.

Trump, chegando ao final de seu primeiro mandato, está realmente esmagando as organizações da classe trabalhadora? A resposta a essa pergunta pode ser encontrada no fato de que Noam Chomsky, Mehdi Hasan e eu estamos felizes em colocar nossos nomes e rostos na internet como oponentes de Trump. A base de Trump foi responsável por uma onda de ataques racistas. No entanto, isso não é tudo o que o fascismo implica. Estamos relativamente confiantes de que nenhum esquadrão paramilitar trumpista, trabalhando de mãos dadas com a polícia, nos cercará.

Mas vamos supor, por uma questão argumentativa, que Trump estava lançando as bases para o fascismo. Joe Biden e o Partido Democrata representariam uma defesa significativa? Afinal, Biden fez parte do governo que processou Chelsea Manning, Edward Snowden e Julian Assange – mais denunciantes do que qualquer outro governo. Obama e Biden ainda detêm o recorde de mais deportações - mais do que todas as administrações anteriores dos EUA juntas.

Um dos muitos pontos de convergência entre os partidos democrata e republicano da classe dominante dos EUA é a perseguição implacável à oposição - realizada por vias "democráticas" e não fascistas.

Frente Única

É verdade, como disse Chomsky, que na Alemanha dos anos 30, os comunistas se recusaram a se juntar aos social-democratas na luta contra os nazistas, pois os consideravam “social-fascistas". Eles estavam seguindo as ordens de Stalin, que declarou que a social-democracia era a ala moderada do fascismo. É igualmente verdade que os social-democratas se recusaram a apoiar os comunistas, chamando os últimos de "fascistas vermelhos". Ambas as partes tinham uma política absolutamente criminal que impedia o movimento dos trabalhadores de fechar fileiras contra um inimigo mortal. Isso permitiu aos nazistas impor o tipo mais devastador de derrota - uma derrota sem que um tiro fosse disparado.

Uma frente única significaria um acordo sobre medidas práticas de autodefesa por todas as organizações da classe trabalhadora, independentemente de seu programa. Trotsky descreveu como seria uma política de frente única:

O trabalhador comunista deve dizer ao trabalhador social-democrata: “A política de nossos partidos é irreconciliável; mas se os fascistas vierem hoje à noite para saquear o salão da sua organização, eu me apressarei em seu auxílio com os braços na mão. Você me promete que, se um perigo ameaçar minha organização, você correria em meu auxílio? Essa é a quintessência da política do período atual. Toda a propaganda deve estar nessa sintonia.

Uma frente única antifascista não exigiria que os comunistas perdoassem os incontáveis crimes dos líderes social-democratas. O SPD esmagou a revolução de 1918-19 e governou a república capitalista por anos, sendo, portanto, responsável pelo assassinato de milhares de trabalhadores. A frente única era uma proposta de ação concreta e uma oportunidade para os trabalhadores comunistas conquistarem seus colegas que ainda depositavam esperanças no reformismo.

O que Chomsky está propondo é radicalmente diferente. Se ele acha que a reeleição de Trump significará fascismo e extinção da humanidade, por que ele não está pedindo protestos em massa, um novo partido de luta e preparação para a insurreição? Diante de tal perigo, poderíamos realmente ficar sentados em cima de nossas mãos por seis meses e esperar que a catástrofe possa ser evitada colocando um pedaço de papel em uma caixa? A humanidade está definitivamente enfrentando uma catástrofe - mas as políticas de Biden são fundamentalmente semelhantes às de Trump quando se trata de permitir que os capitalistas destruam os fundamentos da vida humana.

A proposta de Chomsky está muito mais próxima do que fizeram os social-democratas quando foram confrontados pela ascensão do nazismo. Eles decidiram que sua melhor aposta era votar no general prussiano Paul von Hindenburg. Este aristocrata de direita, eles tinham certeza, nunca deixaria um demagogo como Hitler entrar em uma posição de poder. Hindenburg foi eleito presidente do Reich alemão em 1932 com votos social-democratas - e, com o forte incentivo dos grandes capitalistas, nomeou Hitler como chanceler. O resto é história.

Um programa de luta

Não pararemos o trumpismo tentando sustentar o sistema que o gerou. Trump é um produto do capitalismo em queda. Vamos derrotá-lo construindo uma alternativa política a esse sistema miserável - uma alternativa baseada no poder ilimitado da classe trabalhadora quando ela se organiza de forma independente. Tentar vincular a classe trabalhadora a um político capitalista como Biden é a melhor maneira de preparar novos monstros políticos.

Precisamos da unidade mais ampla possível para impedir os ataques de Trump e sua base. Isso significa mobilizar o poder das pessoas que trabalham ao lado de imigrantes, pessoas LGBTQ +, profissionais de saúde e qualquer outra pessoa que a Direita ataque. Não importa se essas pessoas são fãs de Biden, sanderistas, anarco-liberais ou qualquer outra coisa - a única condição para fazer parte da defesa dos direitos democráticos é a vontade de lutar.

Mas unidade não significa fazer campanha para um político capitalista que nem Biden. No concreto, a posição de Chomsky destruirá o tipo de unidade que precisamos para a luta, afastando enormes grupos de pessoas que absolutamente desprezam Biden, e por boas razões.

Essa é a lição do início dos anos 30 na Alemanha: a suposta "defesa da democracia liberal" só acaba fortalecendo a direita, e a única maneira de defender os direitos democráticos está em uma luta unida de massas contra os capitalistas e seu estado.




Tópicos relacionados

Joe Biden   /    Donald Trump   /    Eleições Estados Unidos   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar