Sociedade

ONDE ESTÁ SANTIAGO MALDONADO?

No Brasil também se pergunta: Onde está Santiago Maldonado?

Há mais de um mês e meio do desaparecimento do jovem argentino, a campanha internacional pelo seu aparecimento toma conta também do Brasil. Veja o abaixo-assinado.

sexta-feira 15 de setembro| Edição do dia

Santiago Maldonado completa 44 dias de desaparecido nessa quinta-feira, 14. O jovem, que desapareceu nas mãos da Gendarmeria - força da polícia federal argentina - lutava contra a tomada das terras de seu povo originário pela empresa Benetton. Sua desaparição alavancou uma imensa campanha de solidariedade e luta pela sua reaparição na Argentina, e que rapidamente se espalhou também para outros países.

Veja mais: Santiago Maldonado: do discurso da ordem à desaparição forçada

Aqui no Brasil, circula o abaixo-assinado que já conta com assinaturas de figuras importantes mundialmente, na esquerda e na intelectualidade; alguns dos nomes brasileiros que assinam são:

Emir Sader (sociólogo), Gleisi Hoffman (Senadora e presidente do PT), Guilherme Boulos (Coordenador do MTST e Povo Sem Medo), Jorge Luiz Souto Maior (professor Faculdade Direito USP), Tarcisio Motta (vereador PSOL-RJ), Sâmia Bomfim (vereadora PSOL-SP), Mônica Valente (Secretária de relações internacionais do PT), Laisy Moriere (Secretaria nacional de mulheres do PT), Osvaldo Coggiola (professor da USP - FFLCH), Adrián Pablo Fanjul (professor da USP), João Adolfo Hansen- DLCV-FFLCH- USP, Leon Kossovitch – (Professor FFLCH- USP), Marta Maria Chagas de Carvalho (professora da USP), Henrique Soares Carneiro (professor da USP), Sean Purdy (Professor de História, USP), Elisabetta Santoro, (professor da USP), Rafael Pacheco (Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas/Associação Nacional de Direitos Humanos, Pós-Graduação e Pesquisa), Renan Quinalha (professor de direito da UNIFESP), Marco Antonio Perruso (Professor de Sociologia UFRuralRJ, Pós-Doutorando Ciência Política USP), Heloisa Daruiz Borsari (docente aposentada do IME-USP).

Veja no fim desse artigo o texto completo do abaixo-assinado.

Veja mais: Caso Maldonado na Argentina: contra a crise, uma máquina de mentiras

O Esquerda Diário está colocando suas forças para que essa campanha se espalhe em nosso país. Também está sendo feita uma campanha de fotos para reforçar que em nosso país também nos perguntamos onde está Santiago. Veja algumas das fotos abaixo:


Marcello Pablito, da Secretaria de Negras e Negros do Sindicato de Trabalhadores da USP e do Movimento Nossa Classe


Juiz do Trabalho Jorge Luiz Souto Maior e estudantes de direito da USP


Diana Assunção, da Secretaria de Mulheres do Sindicato dos Trabalhadores da USP e do Grupo de Mulheres Pão e Rosas


Professores e estudantes da Universidade Federal de Campina Grande na Paraíba


Carolina Cacau, estudantes da UERJ e professora da rede estadual do Rio


Metroviários de São Paulo


Estudantes secundaristas e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte


Professores estaduais de SP


Maíra Machado, professora da rede estadual em Santo André


Danilo Magrão, professor da rede estadual em Campinas

Veja mais: Maldonado: após outra jornada de “testemunhas” preparadas e operações, hoje se conhecerão os registros telefônicos

Veja o texto do abaixo-assinado:

Os abaixo-assinados, intelectuais, artistas, referências de movimentos sociais e políticos do mundo inteiro, manifestamos nossa profunda preocupação pelo desaparecimento de Santiago Maldonado na Argentina, fato que comove o país sul-americano e que pede a mais plena solidariedade dos povos do mundo com os familiares do jovem.

Maldonado foi visto pela última vez no dia 1º de agosto, quando a Gendarmeria reprimiu o povo Mapuche. A própria Gendarmeria reconheceu que seguiu "ordens precisas do Ministério da Segurança" a cargo da Ministra Patricia Bullrich. Se trata, portanto, de um desaparecimento forçado de uma pessoa, com o Estado como principal responsável, algo que remete diretamente ao sucedido em grande escala durante a última ditadura cívico-militar no país (1976-1983), quando 30 mil pessoas foram detidas-desaparecidas para impor um plano econômico neoliberal.
O governo de Mauricio Macri não somente tem que dar explicações em torno ao ocorrido, esclarecendo o paradeiro de Maldonado imediatamente, tal como solicita a própria Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em sua medida cautelar. Também deve afastar do cargo a Ministra Bullrich de forma imediata. Os abaixo-assinados acompanhamos a reivindicação pela "aparição com vida já de Santiago Maldonado" que diversos setores da sociedade argentina vem levando adiante ao longo do último mês.
Aparição com vida já de Santiago!

Algumas assinaturas:
Noam Chomsky (Filósofo, EUA); Silvio Rodríguez (Trovador, Cuba); Fernando Lugo (Presidente do Congresso do Paraguai); Piedad Córdoba (Defensora de Direitos Humanos, Colombia); Eugenio Raúl Zaffaroni (Profesor Emérito UBA, Argentina); Horacio González (Sociólogo, Argentina);Eduardo Barcesat (Advogado Constitucionalista, Argentina); Emir Sader (Sociólogo, Brasil); Ignacio Ramonet (Le Monde Diplomatique, França); Stella Calloni (Jornalista, La Jornada de México); Beatriz Sánchez (Candidata Presidencial Frente Amplio, Chile); Delcy Rodríguez (Presidenta ANC, Venezuela); Roberto Fernández Retamar (Diretor Casa de las Américas, Cuba); Atilio Boron (Dr em Ciencia Política, Argentina); Gleisi Hoffman (Presidente PT, Brasil); Dolores Padierna Luna (Senadora PRD, México); Alejandro “Pacha” Sanchez(Deputado MPP/FA, Uruguay); Manuel Zelaya Rosales (Ex Presidente de Honduras); Daniel Caggiani (Vicepresidente do Parlasur, MPP/FA, Uruguay); Xiomara Castro (Partido Libre, Honduras); Alejandro Encinas (Senador, México); Pablo Gentili (Secretario Executivo CLACSO, Argentina); Eva Golinger (Advogada, EEUU); Carlos Fonseca (FSLN, Nicaragua); Miguel Angel Estrella (Fundación Música Esperanza, Argentina); Jorge Schafik Handal (FSLN, Nicaragua); James Early (REDH EEUU); Agustín Rossi (Deputado Parlasur, Argentina); José "Pepe" Bayardi (Presidente Comisión RRII FA, Uruguay); Ricardo Canese (Deputado Parlasur, Paraguay); Oscar Laborde (Deputado Parlasur, Argentina);Francisco Rosales Argüello, Presidente de la Sala Constitucional de la Corte Suprema, Nicaragua); Diego Mansilla (Diputado Parlasur, Argentina);Julia Perié (Diputada Parlasur, Argentina); Hugo Moldiz (REDH Bolivia); Mónica Valente (Secretaria General Foro de Sao Paulo, Brasil); Carlos López (Director OPEIR, Argentina); Florisvaldo Fier “Rosinha” (Ex Alto Representante Mercosur, Brasil); Telma Luzzani (Periodista, Sputnik);Virgilio Caballero (Diputado Federal, México); Ana Esther Ceceña (UNAM, México); Graciela Morgade (Decana FfyL-UBA, Argentina); Jorge Calzoni (Rector UNDAV, Avellaneda); Carolina Mera (UBA, CONICET, Argentina);




Tópicos relacionados

Santiago Maldonado   /    MRT   /    Sociedade   /    Política

Comentários

Comentar