ATÉ A CERVEJA

Nem a cerveja perdoam: com Bolsonaro, terá mais corante, agrotóxico e artificialidade

sexta-feira 12 de julho| Edição do dia

No último dia 09/07, Bolsonaro assinou um decreto que retira a obrigatoriedade de quase todos os pontos dos oito artigos que tratam sobre a padronização da produção de cerveja no país. Na prática, agora não há mais regras para a utilização de adição de álcool e de água de fora das fábricas e as cervejas poderão ser produzidas com substitutos do lúpulo, espuma artificial e qualquer tipo de corante, antes a cor da cerveja devia ser proveniente das substâncias corantes do malte da cevada.

Em nota, a Ambev afirmou que o decreto apoia ainda mais as microcervejarias e a criatividade cervejeira, e que a qualidade das suas cervejas sempre foi e continuará sendo o principal foco da sua empresa. Mas, na avaliação de pequenos produtores, a mudança tem como objetivo baratear a produção das grandes cervejarias e resultará em mais agrotóxicos e menos qualidade nas cervejas. Vários especialistas avaliam de maneira negativa os impactos do decreto, afirmando que as alterações serão péssimas para o consumidor que atualmente é a maior parte da população do país, porque afetará sobretudo a nossa saúde.

Diogo Cavalheiro, cervejeiro popular do Rio de Janeiro, afirma "somado à liberação de agrotóxico", a utilização de cereais não maltados, como o milho, irá naturalmente "aumentar a carga de transgênicos" presentes na bebida. "Você vai ter mais cereais (presentes na cerveja) em que foram utilizados agrotóxicos em seu plantio", completa.

No último dia 24 de junho o Ministério da Agricultura autorizou a utilização de 42 novos agrotóxicos no Brasil, ampliando o recorde de pesticidas liberados pelo governo federal neste ano. Junto a ministra da agricultura Tereza Cristina, também conhecida como “Musa do Veneno”, Bolsonaro liberou o uso de 166 agrotóxicos, entre eles alguns são classificados como “tóxicos” ou “altamente tóxicos”, sendo que alguns são proibidos em outros países. Ao todo, a pasta liberou 239 novos agrotóxicos no país desde janeiro.

Bolsonaro e sua cúpula, para além de mutilar a vida da população implementando diversos ataques a favor dos capitalistas também vem aumentando os ataques pela via do envenenamento dos recursos naturais em favor do agronegócio. Podemos concluir mais uma vez que o “Agro” brasileiro de Bolsonaro e seus ministros propagandeado pela grande mídia não tem nada de “POP”, nem “TECH”, mas tudo de ruim e ignora o nosso país. Eles só querem saber do seu lucro às custas da nossa saúde e do nosso meio ambiente, e nem a cerveja perdoam!




Comentários

Comentar