MINISTRO DA MORTE

Nelson Teich entrega menos de 20% dos leitos esperados enquanto SUS colapsa por todo Brasil

De quatro tentativas de contratação de leitos de UTI para o enfrentamento da Covid-19, somente em duas houve interessados, sendo que somente o primeiro foi integralmente cumprido. Aos empresários da saúde, não lhes importa a produção de leitos para salvar as vidas em perigo e sim seus lucros.

quarta-feira 6 de maio| Edição do dia

Mais uma vez, o edital do Ministério da Saúde não conseguiu contratar leitos de UTI de instalação rápida para distribuir aos estados em razão do combate ao novo coronavírus.

No pregão eletrônico, realizado pela pasta no último dia 30, não houve interessados, sendo caracterizado como “deserta”, pela “inexistência de propostas” na ata do pregão, não conseguindo o ministério, os 10 lotes de 200 leitos desejados. No pregão do dia 19 de março, também não houve interessados.

De quatro tentativas de contratação de leitos de UTI para o enfrentamento da Covid-19, somente em duas houve interessados, sendo que somente o primeiro foi integralmente cumprido.

Segundo dados da pasta, o número efetivo de UTIs de instalação rápida entregues até agora é de 350 leitos, segundo balanço da última quarta-feira. Essa quantidade representa menos de 20% da promessa feita em março de repassar 2 mil leitos do tipo para os estados. Outros 190 leitos foram contratados, porém não foram entregues pela falta de respiradores.

Esta "inexistência de propostas" só se justifica pelo carater desumano do capitalismo, que condiciona a produção de insumos essenciais para a obtenção de lucro, nas regras da competição do mercado, e não para salvar todas as vidas possíveis.

Enquanto o número de casos já passou dos 100 mil e o de mortos se aproxima dos mais de 8 mil, alguns estados começam a ver seus sistemas de saúde colapsarem devido à falta de UTIs, o governo assiste às milhares de mortes sem fazer nada de efetivo para evitar mortes as mortes que vêm ocorrendo e no futuro. Não há combate algum do Governo Bolsonaro e seu ministro fantoche Teich, pouco se importam com o contingente enorme de cadáveres como já deixou claro o presidente, que é responsável por estas mortes.

No total, dos poucos leitos que conseguiram comprar, o ministério conseguiu fechar a contratação de 540 leitos, dos quais 350 foram entregues.

Receberam os equipamentos os estados de São Paulo (80), Rio de Janeiro (40), Minas Gerais (50), Rio Grande do Sul (30), Pará (20), Rio Grande do Norte (10), Bahia (40), Paraná (30), Santa Catarina (20), Mato Grosso do Sul (10) e Pernambuco (20).

O mínimo que deveria ser feito como um combate sério em relação ao coronavírus, seria a estatização de leitos privados sem indenização, pois há muitos que estão ociosos, visando a estatização da rede privada e sua incorporação ao SUS, sob a gestão dos profissionais da saúde e não subordinados ao ministro Teich, que deseja nada mais que a contaminação da população e a morte de milhares pelo bem da "economia" (dos lucros de empresários).

Nós do Esquerda Diário defendemos junto a esta proposta, a implementação de testes massivos, a reconversão de fábricas para produção de insumos essências ao combate à crise sanitária sob controle operário, a taxação progressiva de grandes fortunas, lucros e dividendos, e o não pagamento da criminosa dívida pública, que retirou milhões do SUS no decorrer destes últimos anos.




Tópicos relacionados

Nelson Teich   /    Coronavírus   /    Saúde Pública   /    Governo Bolsonaro   /    Ministério da Saúde   /    Saúde

Comentários

Comentar