Sociedade

MEIO AMBIENTE

Navio plataforma de multinacional japonesa confirma vazamento de óleo na Bacia de Campos no RJ

terça-feira 27 de agosto| Edição do dia

A Modec, multinacional japonesa que opera um navio plataforma na Bacia de Campos, no litoral norte do Rio de Janeiro, informou à Petrobras que após novo sobrevoo realizado nesta segunda-feira, 26, foi identificada presença de óleo no mar, em volume de 6,6 metros cúbicos, superior ao anterior.

Até então, o vazamento, detectado após trincas no casco no navio na sexta-feira, 23, era de 1,2 metro cúbico de óleo residual, o qual foi recolhido, segundo o comunicado na noite de segunda.

Mais uma vez a ganância capitalista acarreta em desastrosos impactos ambientais. É preocupante o crescimento do vazamento, que ameaça o ecossistema marinho.

De acordo com a Petrobras, sete embarcações para recolhimento e dispersão já estão atuando no local, além de quatro embarcações de apoio e um helicóptero, para sobrevoo. "A Modec também informou que foi constatado o aumento na extensão das trincas, desde o início da ocorrência, mas o navio continua em posicionamento estável e em condições seguras, sob monitoramento permanente da Modec e da Petrobras", conforme a nota.

O FPSO Cidade do Rio de Janeiro, operado pela Modec, está fora de operação desde o ano passado, mas ainda em processo de saída do campo de Espadarte, a 130 quilômetros da costa. Como noticiado nesta segunda pela manhã, as 54 pessoas que estavam embarcadas foram retiradas desde a sexta-feira.

Na sequência dos catastróficos impactos ambientais decorrentes das queimadas na Amazônia, dos desastres de Brumadinho e Mariana, a ganância capitalista, uma vez mais, ameaça o meio ambiente. Uma embarcação que já deveria ter sido recolhida há muito tempo, mas permanece no mar movida pela ganância capitalista. A irracionalidade da produção neste sistema é inconciliável com uma alternativa de desenvolvimento sustentável.




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Meio Ambiente

Comentários

Comentar