Economia

CRISE PARA QUEM?

Não existe crise para os banqueiros: Lucro do Bradesco cresce 19,6% no 3° trimestre

Enquanto o governo Bolsonaro ataca os trabalhadores e nos faz trabalhar até morrer para pagar a crise criada pelos capitalistas os banqueiros não poderiam estar mais felizes, seus lucros são fruto da especulação e das enormes taxas de juros e tarifas que pagamos todos os dias.

quinta-feira 31 de outubro| Edição do dia

O lucro líquido recorrente do Bradesco chegou a R$ 6,5 bilhões no terceiro trimestre, crescimento de 19,6% em relação ao mesmo trimestre de 2018. Segundo o relatório divulgado nesta quinta pelo segundo maior banco privado do país, o principal impulso para o aumento do lucro foi o resultado das operações de seguros, previdência e capitalização do banco, que registrou alta de 7,5% no período. Em seguida veio a margem financeira (receita com operações de crédito), que cresceu 5,9%.

Mesmo com a menor taxa básica de juros da série histórica registrada, a Selic que hoje está em 5% e segundo informações do Copom (Comitê de Política Monetária) tem espaço para diminuir ainda este ano, as taxas de juros reais pagas pela população brasileira está entre uma das maiores do mundo.

Em um ranking com 40 países o Brasil ocupa o nono lugar entre os países com maior taxa de juros reais do mundo. Com o maior juro real do mundo, o México ocupa a primeira posição do ranking, seguido de Índia, Malásia, Indonésia, Argentina, Rússia, Turquia e África do Sul. A taxa de juros reais toma os juros nominais e subtrai a inflação projetada para os próximos 12 meses.

Com relação as taxas de juros do cartão de crédito e cheque especial nestas modalidades os juros superam os 307% ao ano.

Ou seja, mesmo com uma baixa da taxa básica de juros a população continua pagando quantidades enormes de juros e taxas que vão direto para o bolso dos banqueiros. Além disso, a baixa na Selic faz com que a remuneração da poupança chegue a míseros 0,31% ao mês.

Soma-se a está condição estrutural a demissão de milhares de trabalhadores do Bradesco em um PDV (Plano de Demissão Voluntária) anunciado no início do mês passado, mais uma forma de precarizar o trabalho e aprofundar a exploração de quem fica e abrir espaço para a terceirização e contratação de novos bancários com salário menor.

Bolsonaro e sua reforma da previdência que nos fará trabalhar até morrer também está a serviço de garantir enormes lucros para os banqueiros e tubarões do mercado financeiro e do imperialismo que através do mecanismo da dívida pública subtrai bilhões de reais de nosso país.

Para que possamos acabar com a exploração de milhões de trabalhadores e a ganância dos banqueiros que além das enormes taxas de juros lucram também com a espoliação de nossos recursos através da ilegítima e fraudulenta dívida pública, lutamos pela estatização de todo o sistema financeiro, com a criação de um banco único sob controle dos trabalhadores, que esteja a serviço de financiar projetos de interesse público e crédito barato aos pequenos produtores e não da especulação de banqueiros bilionários.




Tópicos relacionados

Bancos   /    Economia

Comentários

Comentar