Política

ANIVERSÁRIO GOLPE 64

Na véspera do golpe de 64, Dória e Bolsonaro promovem suas candidaturas para militares

O prefeito "empresário" de direita João Doria (PSDB) e o deputado federal reacionário, misógino, homofóbico e racista Jair Bolsonaro, disputaram na manhã desta sexta-feira, 31, a preferência do público durante um evento de formatura de policiais militares no sambódromo do Anhembi, na zona norte de São Paulo.

sábado 1º de abril de 2017| Edição do dia

(Imagem do Estadão)

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), conhecido na cidade principalmente pela sua privatista e política de governo higienista contra moradores de rua e a arte urbana ainda que negue sua potencial candidatura para 2018, o empresário "não político" está sendo cotado dentro do seu partido e publicizado na grande mídia para ser a alternativa de presidenciável a entrar na disputa ano que vem.

Por outro lado, o deputado federal e capitão da reserva Jair Bolsonaro, ao mesmo tempo em que é declaradamente um reacionário da pior estirpe, conhecido por recitar ofensas machistas, racistas, homofóbicas e um longo etc, o deputado é candidato declarado para as próximas eleições presidenciais.

Bolsonaro foi mais tietado. Tirou selfies com os formandos e foi ovacionado pela plateia que ocupava as arquibancadas no sambódromo quando sua presença foi anunciada pelo mestre de cerimônias no sistema de som.

Na tribuna de honra, ao lado do filho, o também deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-RJ), recebeu cumprimentos de comandantes da PM e ouviu atentamente ao discurso de Doria, que abriu a cerimônia e adotou mais uma vez uma fala com tom nacional.

Após parabenizar os novos policiais e enaltecer o trabalho que prestam à sociedade, Doria finalizou sua breve participação com as frases: "Viva o Brasil" e "Viva o povo brasileiro". Em seguida, bastante aplaudido, o tucano deixou o evento e comentou a popularidade do possível adversário. "Não tem problema", disse, ao ser questionado sobre o fato de Bolsonaro ter sido mais celebrado no evento. Sobre uma possível disputa eleitoral entre os dois, no entanto, não comentou.

Sem a presença de Doria, Bolsonaro assumiu de vez o papel de celebridade. Deixou a tribuna e foi pessoalmente cumprimentar os novos policiais militares e seus familiares. Por onde passava, ouvia gritos de "Bolsonaro, presidente" e recebia pedidos de selfies.

Disponível, tirou dezenas de fotos, gravou vídeos e concedeu entrevistas para o canal oficial da PM. Ao final, elogiou Doria. "Conheci pessoalmente hoje, dei um abraço nele e fiquei muito feliz com a maneira bastante carinhosa com que ele me tratou", afirmou.

Alckmin foi representado pelos secretários estaduais da Segurança Pública, Mágino Alves, e da Administração Penitenciária, Lourival Gomes. O governador cumpre agenda pública nesta sexta-feira no interior do Estado.




Tópicos relacionados

Jair Bolsonaro   /    João Doria   /    Política

Comentários

Comentar