Internacional

CORONAVÍRUS E LUTA DE CLASSES

Na Argentina, mais de mil jovens precarizadxs votaram, em assembleias virtuais, por se mobilizar no 29 de maio

Mil e cem jovens precarizadxs votaram, em assembleias de distintos lugares, em prol de uma nova jornada nacional que tem como objetivo suas reivindicações. A data é o próximo dia 29. Os jovens se concentrarão às 10 da manhã e às 11 confluirão junto à convocatória da Assembleia Nacional dos Trabalhadores da Distribuição, para multiplicar as forças e a coordenação

quarta-feira 27 de maio| Edição do dia

Os 1.100 jovens se reuniram em assembleias virtuais neste sábado em diferentes cidades da Argentina, incluindo a cidade de Buenos Aires, a Grande Buenos Aires, Rosário, Córdoba, Bahía Blanca e Jujuy. Eles decidiram realizar uma nova jornada nacional para a Rede de Trabalhadores Precários e Informais, em 29 de maio. Mais de cem se reuniram na última terça-feira na cidade de La Plata com resoluções no mesmo sentido. Jovens da província de Neuquén, como os de Tucumán, se reunirão na segunda-feira, logo após de tronar-se público o assassinato de Luis Espinoza, que foi preso e desapareceu nas mãos da polícia.

As/os precarizadxs e informais da La Red convocam a mobilização como continuação da que já havia sido realizada na semana passada para visibilizar as reivindicações das trabalhadoras precarizadas contra as demissões, as reduções salariais, pelo pagamento do IFE (Renda Familiar de Emergência) para todos e um salário de emergência. A rede exige que o pagamento do IFE, concedido pelo governo por apenas 10.000 pesos (menos de 100 dólares), seja pago a todos aqueles sem renda, uma vez que milhões de pessoas ficaram de fora e apenas um subsídio é concedido por família. Além disso, eles exigem um salário de emergência durante a pandemia de 30.000 pesos.

Os jovens precarizados propõem confluir com os trabalhadores de aplicativos e somar forças com a convocatória de mobilização votada pela Assembleia Nacional dos Trabalhadores da Distribuição por suas condições de trabalho. Rúben, trabalhador da Rappi, contou: “venho me organizando desde as primeiras convocatórias, com os jovens da Linha de Frente, estávamos nos manifestando dia 8, junto aos companheiros de aplicativos e também no dia 14, que foi uma das maiores jornadas de precarizados que já vi, e isso me deu muita força ”. O dia 29 de maio levantará com força as exigências de justiça por Franco Almada e pelos outros três entregadores mortos.

Nas assembleias públicas, jovens de todo o país se conectaram e começaram a fazer o que nunca haviam feito: conhecer centenas de jovens que estão na mesma, fazer assembleias para começar a se organizar a fim de acabar com a precarização dos trabalhos e das vidas. Entre os diversos setores, destacaram-se meninos e meninas entregadores de aplicativos de fast food, professores substitutos, gastronomia, comércio, centrais de atendimento, limpeza, desempregados, indústria, entre outros. Além de votar nas ideias centrais que os representam como parte de La Red, foi uma nova oportunidade para compartilhar suas experiências no local de trabalho e a importância da coordenação que cresce em La Red.

Cada um, em dezenas de intervenções, contou como suas condições de trabalho pioraram com a pandemia, mas todos concordam com a mesma ideia: a necessidade de não se resignar, unir forças e sair na rua no dia 29 para serem ouvidos. e coordenar com novos setores. As reuniões terminaram alguns minutos antes de Alberto Fernandez estender a quarentena sem propor medidas para os trabalhadores mais precarizados.

Trabalhadores vestindo preto participaram da assembleia, sem representação de nenhum tipo e também aqueles que estão em grandes sindicatos, como Comercio. Todos concordaram que os grandes sindicatos estão olhando para o outro lado, ao mesmo tempo que estão sendo cúmplices das suspensões e cortes salariais, os empresários avançam cada vez mais com a precarização no trabalho, como foi contado reiteradamente nas assembleias: Mc Donalds, Burguer Kings, Rappi, Glovo, Pedidos Ya e muitas outras cadeias que são símbolos de precarização.

Os salários de fome e as condições insalubres de trabalho foram quase os mesmos testemunhos em todas as assembleias. Destacam-se exemplos como os de Mc Donalds, onde novamente muitos trabalhadores receberam salários zerados, apesar de o governo ter alocado o dinheiro dos aposentados para essas multinacionais. Milhares de funcionários de call center disseram que continuam sendo suspensos. Eles relataram como, apesar de exigirem que o sindicato assuma a liderança em suas demandas, eles não confiam nem um pouco na burocracia e se organizam embaixo dos olhos dos gerentes e dos “buchones” para ter força para conquistar seus direitos.

Os trabalhadores dos apps apresentaram suas reivindicações por direitos trabalhistas, uma vez que não possuem questões básicas, como aposentadoria, assistência social ou TARV. "Viemos participando de uma Assembleia Nacional na semana passada que envolveu distribuidores de diferentes cidades onde votamos para parar e mobilizar no dia 29 por nossos direitos, para poder realizar assembleias físicas em cada local e procurar coordenar com outros setores", disse Damian, trabalhador da Rappi. Em CABA desde a La Red convocam para se concentrar a partir das 10 horas da manhã para se encontrarem com a frente de entregadores, às 11 da manhã.

Eles também denunciaram que a precarização mata, como disseram na assembleia da GBA, onde falou Bárbara, irmã de Franco Almada, um jovem entregador da Pedidos Ya que morreu atropelado durante a entrega de um pedido. Suas palavras cruzaram as telas e fizeram todos que estavam conectados se moverem, houve um minuto de silêncio em homenagem e o bate-papo foi cheio de solidariedade e mensagens de apoio. Naquela assembleia, os jovens antes de se despedirem, diziam: "Nos vemos no 29, justiça para Franco".

Porque houve não apenas reclamações, mas também exemplos de resistência protagonizados por quem mais sofre: mulheres e imigrantes. Como na assembleia de Rosário, onde as funcionárias do call contaram como se organizaram para obter as licenças para as mães sem redução de salário e conseguiram conquistá-las. Aqui também, assim como no GBA, irmãos imigrantes como os companheiros nigerianos, paraguaios e de outros países intervieram animadamente a favor de La Red, onde encontraram um lugar para se organizar para suas demandas e contra qualquer divisão ou xenofobia que os mesmos empresários querem impor. "Gostaria de dizer algo mais sobre a unidade, juntamente com trabalhadores daqui e do exterior, porque somos parte da mesma classe e eles nos exploram da mesma forma aqui e ao redor do mundo", disse um jovem haitiano dos aplicativos.

Porque existem milhares que trabalham para multinacionais, mas também aqueles que não, aqueles que trabalham como “changarines”, em pequenas lojas ou bares, e também aqueles que estão desempregados. Aqueles que não têm peso e nem cobraram o IFE, o que sabemos não é suficiente.

Por isso, em todas as assembleias da Red votaram a favor da luta para que todos recebam o IFE, porque no meio dessa crise o governo precisa dar respostas. Essa alegação foi ouvida em voz alta na assembleia de La Plata, que se mobilizou nesta sexta-feira para apresentar uma queixa ao Ministério do Trabalho para que o IFE seja urgentemente pago a todos os trabalhadores que tiveram o auxílio rejeitado.

E também "Quem pode viver com 10 mil pesos?" foi a pergunta entre os precarizados ao ver como o fio continua sendo dado àqueles que têm mais e não àqueles que realmente precisam, por isso foi levantado que o estado encarregado de subsidiar empreendedores teria que tocar seus bolsos com um imposto extraordinário para que seja possível obter um salário real complementar de 30 mil pesos, que se sabe que é o mínimo para poder viver.

Na assembleia da cidade de Córdoba, o apelo à mobilização em 29 de maio também se uniu e votou para estabelecer um novo dia nacional para trabalhadores precarizados e informais, apesar das tentativas de repressão por parte da polícia de Schiaretti. Apesar de quererem os braços abaixados, a unidade e a coordenação os fortalecem "temos que estar centenas nas ruas para que não possam nos tocar", disse um funcionário do call center. Na semana passada, o governo saiu com força total para atacar os trabalhadores implementando uma nova reforma previdenciária, cortes salariais e judicializando o protesto, mas a partir da próxima semana a resposta dos trabalhadores será expressa. Com uma grande caravana de trabalhadores da saúde na segunda-feira, motoristas da UTA na terça-feira e trabalhadores municipais na quarta-feira. Na sexta-feira, em outro aniversário do Cordobazo, desde a juventude precarizada da La Red, eles prestaram homenagem a essa data, deixando suas reivindicações, mas também acompanhando todas as ações dos trabalhadores, porque sabem que a união é o caminho para acabar com os ataques e insegurança no trabalho.

Esses foram alguns dos debates pelos quais as assembleias se reuniram, todas confluem em um ponto: uma grande ação dxs precarizadxs no dia 29 em busca de fortalecer a convocação da Assembleia Nacional dos Trabalhadores da Distribuição, para unir forças com a perspectiva de acabar com as condições precárias de trabalho e vida. As comissões foram votadas por convocar, organizar e respeitar os cuidados de saúde com distanciamento social. Mais de mil vozes que buscam acrescentar muito mais ao próximo dia de rua e que percebem que a juventude precarizada e informal está de pé.

Publicado originalmente no La Izquierda Diario Argentina




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Coronavírus e racismo   /    Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar