Política

POLÍTICA

Myriam Bregman requisitou ao Congresso argentino que se pronuncie contra o golpe no Brasil

A deputada nacional do PTS-Frente de Esquerda o fez hoje, na sessão para a qual concorreu o chefe de Gabinete Marcos Peña. Assista ao vídeo.

quinta-feira 28 de abril de 2016| Edição do dia

Na sessão que está ocorrendo hoje na Câmara de Deputados, na qual concorreu o chefe de Gabinete Marcos Peña a oferecer seu informe, a deputada Myriam Bregman (Frente de Esquerda) solicitou que o Congresso se pronuncie contra o golpe institucional no Brasil. Bregman pediu a palavra ao início da sessão e fez uma moção de ordem para “votar um repúdio ao golpe institucional que está sendo operado neste momento no Brasil. Todos conhecem aqui os graves fatos que estão ocorrendo. A direita quer perpetrar um golpe institucional, o que, se se concretizar no Senado daquele país, será um gravíssimo precedente para todo o continente. Um repúdio do Congresso argentino a este golpe seria uma importante contribuição à luta dos trabalhadores e do povo brasileiros, que é parte da luta de todos os povos de nossa América Latina”.

Diante do pedido da deputada da FIT, o deputado Mario Negri (UCR) expressou o rechaço do bloco governista por sequer discutir o tema, levantando justificativas legalistas e usando o regulamento como argumento. “A moção de ordem está contemplada no regulamento. Não queiram se apoiar nisso para não se pronunciarem diante de um tema tão grave. Os primeiros a violá-lo são os integrantes da bancada governista, que nada dizem sobre o Executivo entregar mais de mil respostas, e nem sequer nos permite a perguntar novamente ao chefe de Gabinete”, declarou Bregman diante dos meios no Congresso.

(Clique em Legendas/CC para ver legenda em português)

Finalmente, e apesar do apoio de integrantes de outras forças políticas, “nem a Câmara dos Deputados nem o chefe de Gabinete se pronunciaram sobre o tema profundamente: um golpe institucional no Brasil, que não pode nos deixar indiferentes; sobre o qual não somente seguiremos exigindo que este Congresso se pronuncie, mas que também traremos como eixo no ato em comemoração do Dia Internacional dos Trabalhadores neste sábado, 30 de abril, às 16 horas em frente à Embaixada do Brasil”, concluiu a deputada da FIT.




Tópicos relacionados

Impeachment   /    Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)   /    Política   /    Gênero e sexualidade   /    Internacional

Comentários

Comentar