Política

Municipários de Porto Alegre se mobilizam contra ataques de Marchezan, POAprev será votada hoje

quarta-feira 1º de agosto| Edição do dia

A greve dos trabalhadores municipários e do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família (IMESF) iniciou, no dia de ontem (31/7), com atos na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e Hospital de Pronto Socorro (HPS). Seguiu em grande caminhada até o Paço Municipal, reunindo mais de 1.000 trabalhadores. Inúmeros trabalhadores entraram em greve pelo descaso do prefeito e para exigir abertura de diálogo com Marchezan.

Há quatro meses o prefeito se nega a se reunir para negociar com os sindicatos, o que não foi diferente no dia de ontem quando às 14h os sindicatos representantes dos trabalhadores do município tentaram entregar a Marchezan, sem sucesso, um ofício pela abertura de mesa de negociação unificada pela data-base das categorias. O prefeito tucano já havia deixado claro qual sua forma de diálogo com a demanda dos trabalhadores quando reprimiu de forma violenta o protesto dos servidores que se manifestavam no entorno da Câmara dos Vereadores contra os ataques de Marchezan, que em regime de urgência busca aprovar os projetos no parlamento. Mesmo assim a mobilização dos trabalhadores conseguiu impor uma derrota a Marchezan, que viu seu projeto de alteração no Estatuto dos Funcionários Públicos derrubado.

Leia mais: Após reprimir os municipários, Marchezan ordena Câmara votar ataques com portas fechadas

Municipários impõem derrota a Marchezan em Porto Alegre

O IPCA acumulado do período de maio/2016 a abril/2018 soma 6,85%. Há ainda uma perda histórica não negociada de 6,41% no vale alimentação. O desrespeito se completa com a confirmação do parcelamento dos salários do mês de julho, anunciado ontem pelo secretário municipal da Fazenda (SMF), Leonardo Busatto.

A mobilização continua no dia de hoje (1/8), pois está prevista a votação de mais um ataque do prefeito o PLCE 07/2018, da Previdência Complementar (POAPrev), cuja discussão foi iniciada antes do recesso dos parlamentares. A estrutura que o POAPrev prevê para assegurar seu funcionamento custará mais de R$ 3 milhões, por ano, sendo R$ 1, 276 milhões somente para o pagamento de quatro diretores-executivos indicados pelo prefeito.

AGENDA DE GREVE – QUARTA (1º/8):

9h- Ato no Centro Modelo de Saúde.

10h- caminhada até a Câmara Municipal

11h- acompanhar a reunião do colégio de líderes.

12h- almoço na Câmara Municipal

14h- acompanhar a sessão plenária




Tópicos relacionados

Greve Municipários Poa   /    Greve   /    Porto Alegre   /    Política

Comentários

Comentar