ELEIÇÕES 2018

Multidão lota a Lapa no Rio em ato de Haddad

Milhares de pessoas lotaram o ato convocado por Fernando Haddad (PT) e Manuela D'Ávila (PCdoB) nos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro. Durante a tarde, de todos os lados vinham pessoas em direção à praça no entorno dos Arcos, que ficou completamente lotada à noite. Artistas, intelectuais, músicos, lideranças de movimentos sociais, sindicais e estudantis, políticos, professores, entre outros, se reuniram chamado no “Ato da Virada”.

quinta-feira 25 de outubro| Edição do dia

Foto: Reprodução

Leia mais: Bolsonaro é o avanço do autoritarismo herdeiro da ditadura militar

Também milhares de jovens, famílias, trabalhadores, servidores públicos, estudantes das universidades compareceram ao ato, que foi marcado do início ao fim, na platéia e nas saudações feitas durante o ato, por um repúdio ao autoritarismo de Bolsonaro, sua defesa da ditadura militar, do machismo, racismo, LGBTfobia, da tortura e da perseguição contra os sindicatos e organizações de esquerda em defesa dos interesses dos empresários que comandam o país.

Leia também: Estamos juntos com os que votam em Haddad, sem dar nenhum apoio político ao PT

Dentre as representações políticas que participaram do ato estavam Jandira Fegali e Luciana Santos pelo PC do B, Lindbergh Farias, Celso Amorim e Benedita da Silva do PT, Freixo, Boulos, Tarcísio, Talíria do PSOL, Eduardo Serra do PCB, além de muitos outros do PSB, o PV, o PDT e o PPL. Também tiveram destaque os artistas como Caetano Veloso, Chico Buarque, Mano Brown, Marieta Severo, Criolo entre outros.

Também leia: O que a CUT e a CTB estão esperando para organizar milhares de comitês de base contra Bolsonaro?

O ato, que acontece 5 dias antes da decisão eleitoral no domingo, 28, é parte dos encerramentos de campanha que estão sendo realizados pelo país nesta semana. Também ficou marcado o repúdio dos presentes contra o conjunto desse processo eleitoral claramente manipulado pelo judiciário, que retirou o direito do povo decidir em quem votar, em nome de impor uma mudança reacionária no regime político do país.

Estamos juntos daqueles que sentem ódio de tamanhos absurdos que estamos vivendo, por isso votamos criticamente no PT. Mas não é possível dar nenhum apoio político, apesar de toda a força para combater a extrema direita que os milhares de presentes ali demonstraram, também se demonstrou na maioria das falas os limites da estratégia petista, que quer levar amplos setores progressistas a depositar todas as energias e confiança na estratégia puramente eleitoral.

O PT aposta em derrotar Bolsonaro nas urnas, sendo que há enormes fatores de poder encabeçando o mesmo projeto decidido de que os trabalhadores paguem pela crise capitalista, ao mesmo tem em suas mãos a maior central sindical do país, a CUT, que assim como a CTB do PCdoB, deveria estar colocando toda sua força para construir comitês de base em todo o país, onde pudessem se organizar os milhares de trabalhadores e jovens como esses que lotaram os arcos da Lapa. Somente assim poderemos erguer uma força social a altura de fazer com que sejam os grandes empresários capitalistas e não os trabalhadores a pagarem essa conta.




Tópicos relacionados

Eleições 2018   /    PT   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar