TRABALHADORES PARALISADOS

Motoristas de ônibus paralisam terminais em Campinas

Após ataques da patronal que consistem na retirada da bonifacação de R$ 400,00 reais dos motoristas de ônibus de Campinas assinado pela presidente do sindicato, Matusalém de Lima, trabalhadores fizeram paralisações em dois dias contra o ataque.

sábado 8 de junho| Edição do dia

Os motoristas da VB1 transporte e turismo fecharam os terminais do Ouro Verde e da VIla União na tarde desta sexta-feira (7). Neste sábado (8) o Terminal Ouro Verde amanheceu fechado e reabriu perto das 9h. Logo após a demissão de centenas de cobradores, a patronal ofereceu uma contribuição de R$ 400,00 como forma de cobrir as demissões e a dupla função aos motoristas. Contudo, nem de perto esse valor paga o trabalho de fazer duas, três e quatro funções realizadas pelos motoristas consistindo numa verdadeira precarização do trabalho. O não pagamento nem dos R$ 400,00 no dia estipulado anteriormente foi o estopim da paralisação dos motoristas.

O SetCamp (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas) com seu presidente Matusalém de Lima assinou pelas costas dos trabalhadores a retirada dos R$ 400,00 transformando uma parte em vale refeição. Os trabalhadores reclamam que mal conseguem pagar as contas mesmo com a bonificação, em um cenário de encarecimento dos produtos básicos e aumento das contas, como feito por Jonas com o IPTU, gás e luz.

Existe uma divisão na direção do sindicato em que o seu vice-presidente, Izael Soares de Almeida, denúncia o presidente do sindicato por retirar a bonificação. Contudo, ambas as alas foram favoráveis a demissão de centenas de cobradores e hoje cumprem um papel nefasto de criminalizar a paralisação dos trabalhadores para parar a luta e negociarem com o patrão os ataques.

Enquanto os trabalhadores amargam a precarização do trabalho e a tentativa de retirada de mais direitos, ambas as alas apoiam a reforma da previdência que quer fazer com que o conjunto da população trabalhe até morrer.

Assim não podemos confiar em nenhuma das divisões da burocracia sindical. É necessário que os trabalhadores busquem uma resposta independente para conquistar seus direitos. O setor dos transportes é uma categoria vital a sociedade, não a toa patrões e sindicatos reagem tão energicamente quando ocorre uma mobilização, pois eles tem muito a perder.

Essa força pode ser imparável se se unifica com os estudantes que mostraram grande energia no dia 15 e no dia 30M, para barrar os cortes na educação e a reforma da previdência, fazendo uma forte greve geral no dia 14, capaz não só de balançar as burocracias sindicais mas o próprio governo Bolsonaro que hoje tenta um pacto com o centrão e o STF para nos fazer trabalhar até morrer.

É necessário nos mobilizarmos pela base, exigindo asssembleia dos sindicatos, para assim tomar a mobilização e a greve do dia 14 nas nossas mãos, porque não podemos deixar que negociem o nosso futuro.

O Esquerda Diário é uma mídia independente que é contra os ataques aos trabalhadores e as medidas da patronal e da burocracia para tentar criminalizar as paralisações. Expressamos toda a nossa solidariedade e abrimos o Esquerda Diário para cada trabalhador que queira enviar denúncias e divulgar sua insatisfação.




Tópicos relacionados

Jonas Donizette (PSB)   /    Campinas   /    Jair Bolsonaro

Comentários

Comentar