Cultura

CULTURA

Morre o sambista Wilson Moreira

Nos deixou na noite de ontem o sambista Wilson Moreira, de 81 anos. O cantor e compositor lutava contra um câncer.

sexta-feira 7 de setembro| Edição do dia

Imagem: Rádio Arquibancada

Compositor de canções eternizadas por Clara Nunes, Elizete Cardoso, Alcione, Beth Carvalho, Jair Rodrigues, Emílio Santiago, Martinho da Vila, D. Ivone Lara, Jovelina Pérola Negra, Zélia Duncan, Djavan, Sandra de Sá, Dudu Nobre, Leny Andrade, Elza Soares, Moacir Luz e Jorge Aragão

Nascido e criado no bairro de Realengo, desde bem cedo já se divertia ao som de ritmos africanos como o jongo, caxambú e o calango. Moreira nasceu em 12 de dezembro de 1936. Fez parte de sua vida a dura realidade que boa parte das crianças negras e pobres enfrentam nas periferias de todo o país. Com a perda do pai aos 9 anos de idade teve de trabalhar para ajudar com o sustento da casa. Fez de tudo: foi vendedor de amendoim e cocada, engraxate, entregador de marmitas e mais tarde, trabalhou como guarda de presidio por quase 35 anos.

Aos 12 anos já tinha o samba como grande paixão e começou a compor, integrando-se rapidamente a ala dos compositores e a bateria da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel.

Em 1968 transferiu-se para a Portela e foi onde encontrou grandes parceiros como Paulinho da Viola, Candeia, Natal e muitos outros, fazendo da escola sua bandeira. Seu primeiro compacto foi gravado quando tinha 29 anos e a partir de então , diversos intérpretes passaram a gravar suas composições.

Fez parte também de conjuntos como Cinco Só, Turma do Ganzá e Partido em Cinco. Entre seus maiores sucessos estão “Mel e Mamão com Açúcar” e “Senhora Liberdade”, ambos de parceria com o sambista Nei Lopes.

Essa parceria aliás, foi na opinião dos fãs e também da crítica a mais brilhante e a partir dela foram gravados dois discos antológicos, sendo o primeiro deles “A Arte Negra de Wilson Moreira e Nei Lopes”, lançado em 80, que traz os famosos clássicos “Goiabada Cascão” e “Gostoso Veneno”.

“Peso na Balança” foi seu primeiro álbum solo, gravado em 86. Wilson também conquistou o mundo, produzindo dois discos pela gravadora japonesa Bomba Records: “Peso na Balança” e “Okolofé”. Ambos contaram com grandes instrumentistas brasileiros participando de cada canção.

Vozes como Clara Nunes, Elizete Cardoso, Candeia, Alcione, Beth Carvalho, Jair Rodrigues, Emílio Santiago, Martinho da Vila, D. Ivone Lara, Jovelina Pérola Negra, Zélia Duncan, Djavan, Sandra de Sá, Dudu Nobre, Leny Andrade, Elza Soares, Moacir Luz, Jorge Aragão, entre outros, eternizaram as composições de Moreira.




Tópicos relacionados

negras e negros   /    cultura   /    História do povo negro   /    Movimento Negro   /    Cultura

Comentários

Comentar