Internacional

FUTEBOL

Morre Diego Maradona: 60 anos de arte condensada

Hoje foi anunciada a morte de Diego Armando Maradona. Recentemente, ele completou 60 anos em nossas vidas e na cultura popular. Amado e questionado em diferentes proporções, o que explica o fenômeno de Diego?

Augusto Dorado

@AugustoDorado

quarta-feira 25 de novembro de 2020| Edição do dia

A primeira vez que Diego Armando Maradona foi metaforicamente ungido como divindade foi na partida que o consagrou para sempre: aquele dia 22 de junho de 1986, após o 2 a 1 contra a Inglaterra nas quartas de final da Copa do Mundo no México. Na exaustiva investigação realizada pelo jornalista Andrés Burgo em seu livro El Partido, chega-se à conclusão de que “a mão de Deus” foi a metáfora fornecida por um jornalista da agência de notícias ANSA em entrevista coletiva após o jogo. Poucas horas depois de ter driblado meia equipe inglesa no "gol do século", Diego driblou para reconhecer a mão do primeiro gol. “Deve ter sido a mão de Deus”, Atirou na mosca o jornalista. "Deve ter sido ...", respondeu o camisa dez ao patentear uma frase que todos acreditávamos ter nascido dele.

Por propriedade transitiva, se a partir daquele momento a mão de Diego era a “mão de Deus”, então Diego passou a ser [D10s (fusão entre Dios - Deus em espanhol - e o 10 da camisa). E com o passar do tempo, a liturgia foi se tornando mais complexa: de um grupo de maradonianos convictos surgiu a ideia de criar a Igreja Maradoniana, que celebra todo dia 30 de outubro o Natal Maradoniano, nascimento do deus do futebol. Neste ano 60 da era maradoniana, a saudação “Feliz Natal” é utilizada nas redes sociais por um leque cada vez mais amplo de pessoas, transcendendo o núcleo duro do maradonismo.

Quem não entende o fenômeno pode perceber isso simplesmente fanatismo. Mas não, muito pelo contrário. É poesia. É um jogo de gente que quer festejar Diego porque Maradona é uma das pessoas que deu muitos motivos para festejar ao longo da sua vida. É como a essência do futebol, apenas um jogo: ninguém o adora como um deus de forma literal. Talvez sim na forma, mas logicamente não no conteúdo.

Aquela partida contra a Inglaterra de alguma forma foi uma pequena vingança simbólica apenas 4 anos após a dolorosa derrota na guerra das Malvinas. Aquela seleção com Diego como capitão, com Maradona em seu esplendor, amenizou um pouco a dor da lesão. Mas não foi só aquele tempero, também deslumbrou o resto do mundo, que talvez estivesse um pouco alheio a essa questão. Foi um momento em que expôs toda a sua arte: um ator para nos vender a dúvida do primeiro gol durante anos, um dançarino para espalhar rivais no “barrilete cósmico” (como definiu com primazia o uruguaio Victor Hugo Morales, alcunhando o craque em uma narração para sempre).

O garoto que nasceu em Fiorito já era um ídolo de longa data. Ele também foi uma figura conhecida no futebol mundial. Estrelou anúncios, apareceu em jornais e revistas, outras celebridades queriam conhecê-lo (publicamos no La Izquierda Diario Argentina o disco inédito do momento em que o famoso cantor que foi Eddy Grant no início dos anos 1980 chamou Diego cantando para que subisse ao cenário do Luna Park durante sua visita à Argentina). Diego já era uma estrela.

No esporte, antes do México de 86 já era considerado um dos melhores jogadores da história do futebol argentino. Quem o viu jogar desde o início no Argentinos Juniors - momento em que há poucos registros - garantem que o melhor Diego jogador foi o do La Paternal, aquele que apareceu na Primeira Divisão e se tornou uma lenda com apenas uma pequena amostra de canetas e dribles. Quando o goleiro mais famoso da Argentina o provocou dizendo que ele era "um gordinho", Maradona não se encolheu: pelo contrário, era um daqueles que crescem em situações difíceis e em territórios hostis. O Gol de Hugo Orlando Gatti engordou 4 vezes.

Ele também já havia provado a glória com a Seleção Argentina na Copa do Mundo Sub-20 no Japão em 79. E ele foi fortalecido em sua passagem breve, mas lembrada pelo Boca, campeão do Metropolitano de 81.

Mas Maradona não era apenas uma estrela do esporte. Foi uma pessoa que fez da própria vida um acontecimento artístico, que foi ressignificado naquele México 86. Lá a história, que já era muito boa, foi reescrita ao contrário e o menino tímido de Fiorito que declarou que O sonho era “disputar uma Copa do Mundo” se tornou o protagonista de uma das primeiras cenas de um filme que completou recentemente 60 anos.

A história é tão boa que não é linear, e Diego nem sempre é o herói: muitas vezes ele é contraditório, às vezes ele é frágil, várias vezes ele duvida, às vezes ele é o vilão, se engana e pede perdão, outras vezes ele se engana e olha para o outro lado. Ele é tão parecido conosco que está envolvido em nossas vidas, na vida de todos, mesmo daqueles que não o amam ou o valorizam unilateralmente apenas por seus erros e suas fraquezas.

Ele contribuiu com tantas frases para a cultura popular que é quase impossível contá-las, com aquela outra habilidade artística que tem de concentrar um conceito em uma ideia muito simples: chama um jornalista servil com os poderosos "sanguchito" (pequeno sanduíche) porque "está sempre perto do bolo ”(dirigido ao nefasto justificador das privatizações menemistas Bernardo Neustadt), um dirigente da política nacional questionado como Eduardo Duhalde o avisa que se o encontrar no deserto “ te atiro como uma anchova ”, aponta os dardos para as pessoas ao qual o mal pode levar a "tomar o leite do gato", etc. Ficaríamos uma vida aqui querendo cobrir esta dimensão de Maradona nesta nota.

Neste jogo ele é considerado um D10s, embora ninguém o considere um santo. Ninguém esconde debaixo do tapete, nem mesmo ele, episódios de um certo machismo, relação contraditória com filhos e filhas, com companheiras e ex-companheiras. Ele não é considerado um ídolo por nada disso, é uma dimensão impossivelmente privada de sua vida. Todos a conhecem, mas é o ambiente dela (filhos, filhas, companheiras, ex-companheiras) que dará o veredicto.

Embora esteja sempre ao lado do povo, contra a "rica Itália" em sua passagem pelo Napoli, contra a FIFA e Havelange, contra o "cartonero" Macri, "até a morte com aposentados" ... Tampouco é adorado por sua coerência política que Ele tinha alguns ziguezagues que o levaram a fotos com Menem e Cavallo, com De La Rúa, com algum do rival de Blatter Sheikh na FIFA, etc. Mas, pra além do 10, com suas posições políticas, ninguém despertou admiração por esse aspecto de sua vida.

Tamanha é a carga simbólica de quase tudo o que ele fez nestes 60 anos que o acompanhamos enquanto atinge o auge da glória e cai nas profundezas de suas tragédias pessoais. Este cronista se lembra de poucos dias em que se tenha vivido em escala social uma experiência de tristeza tão estendida como quando foi suspenso da Copa do Mundo de 1994 e lhe "cortaram as pernas".

Nome mágico que abre portas em todo o mundo, Maradona é tão público que sua família é quase nossa: Sr. Diego Chitoro, dona Tota, Claudia, Turquito e Lalo, Dalma e Gianinna, mais recentemente Benja, Diego Fernando e Janita, etc. .

Objeto de uma série incomensurável de imagens e fotografias, hoje o 10 faleceu. De que planeta você veio para ter uma história com tantas facetas que parece que são uma centena de Diegos? Quantos mais Diegos acompanharão nossas vidas? É sobre arte, vence a passagem do tempo e de vez em quando vai continuar a escrever e a reescrever, para trás e para a frente. Obrigado D10s. Pelo futebol. Por essas lágrimas.

Traduzido do La Izquierda Diario Argentina.




Tópicos relacionados

Diego Maradona   /    Esportes   /    Futebol   /    Internacional

Comentários

Comentar