Política

JUDICIÁRIO

Moro será ministro de Bolsonaro, escancarando motivação política da Lava Jato

O juiz Sérgio Moro será ministro da Justiça, depois de ter ajudado a eleger Bolsonaro com a manipulação do judiciário nessas eleições. Em 2016 havia garantido que "jamais entraria para a política", mas agora fará parte do governo Bolsonaro, que já se articula para ter conhecidos corruptos na sua base aliada e entre os ministros.

quinta-feira 1º de novembro| Edição do dia

Moro foi peça decisiva da manipulação das eleições pelo judiciário, prendendo Lula arbitrariamente e sem provas. Faltando 6 dias para a votação do 1º turno, retirou sigilo da delação de Palocci contra o PT, em campanha aberta para Bolsonaro. Sua esposa declarou voto em Bolsonaro e depois do resultado comemorou a vitória da violenta extrema direita bolsonarista.

Leia também: Moro disse em 2016 que não entraria na política: "Não existe esse risco"

A atuação de Moro foi parte da manipulação das eleições pelo autoritarismo judiciário, que teve apoio das Forças Armadas. Além de prender Lula arbitrariamente, o TSE vetou sua candidatura contra decisão da ONU, órgão superior juridicamente; o STF retirou o direito de voto de 3,4 milhões, a maioria no nordeste, com a desculpa do cadastro biométrico; Lula foi proibido até de dar entrevistas, e mesmo de votar no dia do pleito; e nada foi feito contra a onda de Fake News que beneficiou Bolsonaro, muito menos contra o uso de Caixa 2 milionário, que o próprio capitão admitiu.

Moro foi treinado em cursos nos EUA e a Lava Jato mostrou que veio para substiuir os velhos esquemas de corrupção por novos, mudando o regime político para atacar e privatizar as empresas públicas como a Petrobras e impor um regime com mais ataques à classe trabalhadora e menos direitos democráticos.

O governo Bolsonaro, além da máquina ilegal das Fake News, já mostrou que não vai negar a presença de corruptos, já tendo cogitado Alberto Fraga para ministro, confirmado Onyx Lorenzoni e tendo Paulo Guedes também como alvo de denúncias de corrupção. Bolsonaro já anunciou que vai governar em aliança com os políticos corruptos do "centrão".

Leia também: Bolsonaro quer acordo fisiológico com todos os corruptos do Centrão

Fica cada vez mais claro que a Operação Lava Jato não se tratava do combate à corrupção, mas sim de usar esse suposto combate para manipular as eleições, dar superpoderes ao judiciário e acelerar o plano de ataques econômicos que Bolsonaro prepara, com privatizações, Reforma da Previdência e mais cortes na saúde e na educação.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Bolsonaro   /    Sérgio Moro   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar