×

Derramamento | Mobilização no Peru por conta de ecocídio da Repsol questiona governo Castillo

Centenas de moradores e pescadores que vivem nas áreas afetadas pelo derramamento de óleo se mobilizaram no fim de semana exigindo que o governo imponha uma sanção imediata à empresa Repsol. Os manifestantes questionaram a todo momento a inércia do Executivo e exigiram que a transnacional Repsol forneça compensações ambientais e econômicas aos atingidos por esse ecocídio.

segunda-feira 24 de janeiro | Edição do dia

No sábado, 22 de janeiro, centenas de pescadores artesanais e moradores das áreas afetadas pelo derramamento de óleo causado pela empresa Repsol, mobilizaram-se na área de Ancón. Os pescadores saíram para protestar acompanhados de suas famílias e bloquearam parcialmente a rodovia Pan-Americana do Norte( em Lima no Peru) em sinal de protesto contra as ações da transnacional Repsol, que ainda não assumiu totalmente sua responsabilidade pelo derramamento de óleo ocorrido em 16 de janeiro de as praias. de Janela. Este desastre ecológico não apenas danificou mais de 50 km de praias na costa peruana, mas também está deixando milhares de pescadores artesanais sem seu sustento diário

Entenda | Derramamento de Petróleo e mortes na costa do Peru depois de erupção de vulcão em Tonga

As ações de combate realizadas pelos pescadores artesanais foram acompanhadas de mobilizações e protestos realizados na sexta, sábado e domingo. Aqui, vários grupos juvenis, ONGs ambientalistas e outras organizações sociais protestaram na porta da empresa Repsol localizada no distrito de San Isidro e em sua sede em Ventanilla. Os manifestantes se reuniram do lado de fora da empresa para exigir que ela se encarregasse da limpeza das praias danificadas, pelas quais viralizaram a hashtag #HazteCargoRepsol nas redes sociais.

Como se recorda, há dias a primeira-ministra Mirtha Vásquez, representante do governo Castillo, anunciou que, como resultado do diálogo entre o governo e a transnacional Repsol, conseguiram que a empresa entregasse cestas básicas às vítimas e também trabalho nas tarefas de limpeza das praias poluídas, o que foi considerado insuficiente pelos pescadores e moradores das áreas afetadas. Nesse entendimento, Antoni Chumpitaz, pescador artesanal e representante do Movimento Juvenil Pachacutano, disse: "Como primeira-ministra, eu esperava (Mirtha Vásquez) ser mais drástico ao exigir que a refinaria La Pampilla fornecesse uma solução imediata para o problema, porque é um crime o que eles fizeram."

Peru | Pedro Castillo e a conciliação de classes

É fruto desta benevolência do Governo com a Repsol, que até o momento desta matéria ser escrita, os trabalhos de limpeza das praias contaminadas e resgate das aves e outros animais afectados pelo derrame de petróleo, vem sendo realizados principalmente por grupos ambientalistas, jovens voluntários , estudantes universitários, pescadores artesanais e moradores, o que, além da boa vontade existente, torna esses esforços insuficientes para deter e remediar os profundos danos causados ​​pelo derramamento de óleo, que é considerado um dos maiores eventos catastróficos ambientais em nosso país.

Além do fato de que muitos pescadores e moradores das áreas afetadas estão recebendo um bônus econômico da empresa Repsol por realizar tarefas diárias de limpeza nas praias afetadas, ainda é insuficiente. Por isso, os mesmos pescadores que realizam essas atividades mostram grande discordância com a forma de proceder da empresa, nesse entendimento, Antoni Chumpitaz afirma que: “A Repsol tira nosso emprego e agora temos que trabalhar para eles por causa dos danos causados. Trabalhar na Repsol é algo que nos incomoda muito, mas temos que nos esforçar para limpar as praias”.

Segundo estimativas, existem atualmente mais de 1.200 pescadores artesanais que realizam suas atividades na área de Ancón. Eles são os principais afetados pelas consequências do derramamento de óleo causado pela empresa Repsol. Esses pescadores, que dependem exclusivamente da pesca costeira para sobreviver, já haviam passado vários dias sem gerar renda para suas famílias. Embora atualmente, como já referimos, a empresa de hidrocarbonetos está concedendo um bônus econômico pela limpeza das praias poluídas, este bônus só irá durar até ao final de fevereiro, altura em que a empresa programou a limpeza das praias afectadas, após que, mais uma vez, os pescadores artesanais ficarão sem fonte de renda, já que, como disseram os especialistas, as praias afetadas levarão anos para se recuperar. Por isso, os pescadores exigem uma compensação econômica integral da empresa.

Mas os pescadores não são os únicos afectados, trabalhadores ligados às tarefas marítimas e comerciais que se realizavam nestas praias, também estão passando por um momento muito difícil, por isso podemos ver que muitos restaurantes, mercados, entre outros negócios que serviam para a subsistência dos setores populares, hoje estão paralisados. Por isso, Pedro John Barrera, prefeito de Ancón, calcula que até hoje este ecocídio causado pela Repsol está causando perdas de até 10 milhões de soles no setor pesqueiro e 3 milhões de soles para o turismo e outras atividades econômicas que geravam renda à população. Isso se torna ainda mais difícil, especialmente se levarmos em conta a difícil situação sanitária que o país atravessa como resultado da disseminação da terceira onda de Covid 19.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias