Política

GOVERNO BOLSONARO

Ministro de Bolsonaro ataca CAPS e defende tratamento de dependentes em instituições religiosas

Mandetta, futuro ministro da Saúde, atacou os Centros de Atendimento Psicossocial (CAPS) reafirmando o caráter reacionário e neoliberal do governo Bolsonaro: estigmatizou os dependentes químicos, exaltou a participação da Igreja em contraposição ao CAPS e retomou elementos do modelo manicomial. Um imenso retrocesso para as políticas de saúde mental e um projeto de governo que quer acelerar ainda mais o sucateamento do SUS.

terça-feira 27 de novembro| Edição do dia

Luiz Mandetta, futuro ministro da Saúde do governo Bolsonaro, afirmou que parte de seus planos para a Saúde Pública brasileira é questionar as políticas públicas de tratamento de dependentes químicos. Entretanto, as declarações de Mandetta deixam claro que o avanço do sucateamento do SUS será ainda mais profundo sob a gestão de Bolsonaro. Em entrevista ao Globo, Mandetta “questionou” a eficiência dos Centros de Atendimento Psicossocial (CAPS), com uma visão totalmente higienista, retomando elementos da participação das igrejas e do modelo manicomial no tratamento de dependentes químicos, além de uma visão totalmente estigmatizada do próprio dependente químico.

“ O que a saúde oferece para essas pessoas? Ambulatórios de rua e CAPS. Qual o índice de recuperação? Não chega a 5 ou 6% nos CAPS. Você tem 94% de recidiva. Onde estão nossas cabeças? O que nos dá melhor chance estatisticamente para retirar o indivíduo das drogas? É no CAPS? Não.”, declarou o futuro ministro. Os CAPS não existem somente para atender dependentes químicos, fazendo parte de uma rede que se propõe também à oferecer tratamentos e cuidados para usuários que sofram dos mais diversos transtornos psicológicos, como depressão e ansiedade.


CAPS de Mogi das Cruzes

O caráter totalmente higienista, conservador e ultrarreacionário da fala de Mandetta se denuncia não só pela evidente “ignorância” à cerca dos CAPS, mas também ao resgatar elementos do modelo manicomial, afirmando que a reforma “acabou por fechar locais que poderiam ser adaptados para atender dependentes de crack”. A luta antimanicomial nos anos 80 buscou dar fim a um modelo que isolava e utilizava de “tratamentos” violentos, internações compulsórias, na qual há ainda hoje muitas denúncias de abuso de poder médico, agressões físicas e psicológicas e graves crimes à integridade humana.

Não só Mandetta retoma tempos terríveis onde a saúde mental estava voltada em internar compulsoriamente e isolar como não refuta a possibilidade de colocar setores privados para participar. Apesar de muitas debilidades, o modelo CAPS gira em torno de outra lógica, onde o indivíduo deve tratar-se próximo à família, amigos e trabalho, tentando manter uma vida social viva para oferecer condições materiais de melhora. Não suficiente, o futuro ministro mostrou-se alinhado com os trabalhos feitos por igrejas com dependentes químicos, colocando que o fato do Estado ser laico, ou seja, igreja separada do Estado, impede que possam ser feitos repasses para essas instituições.


Hospital Colônia de Barbacena (MG), nos anos 60. Superlotado, comportava 200 pessoas, mas chegou a abrigar 5 mil.

Os CAPS são ferramentas importantes na saúde mental que estão completamente sucateadas, sofrendo com a falta de profissionais e péssimas condições de trabalho, tendo dificuldades de oferecer acompanhamento individual aos usuários. A alta rotatividade dos profissionais, fruto da precarização do trabalho, também impede que os usuários sejam acompanhados sistematicamente, o que para a saúde mental é fundamental. Não é retomando os métodos mais violentos, arcaicos e higienistas para reflexão da saúde mental que se resolverá o problema, não apenas das drogas como se refere Mandetta, mas do conjunto de transtornos psicológicos não relacionados à dependência química.

Os ataques à saúde mental, que começaram no governo Temer (veja aqui) quando o ex-ministro Ricardo Barros anulou a decisão que previa a gradual substituição da internação psiquiátrica pelo atendimento em Centros de Atendimento Psicossocial (CAPS), irão se aprofundar ainda mais no governo Bolsonaro, parte de um plano de governo neoliberal, de ataques duros à classe trabalhadora e povo pobre, sucateando à saúde e a educação em nome da manutenção dos lucros dos patrões. Mandetta, não só segue os passos de Ricardo Barros, que também possui relações com gigantes dos planos de saúde, como a Amil, mas também agrega elementos ultraconservadores e higienistas de um passado de torturas contra a população pobre em sofrimento psicológico.




Tópicos relacionados

Ministério da Saúde   /    precarização   /    Saúde Mental   /    Saúde   /    Política

Comentários

Comentar