Política

GOVERNO TEMER

Ministro da AGU é demitido e Grace Mendonça é confirmada no cargo

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

sábado 10 de setembro| Edição do dia

O presidente golpista Michel Temer demitiu o advogado Fabio Medina Osório da Advocacia Geral da União e nomeou, para seu lugar, Grace Mendonça, que desde 2003 ocupava o cargo de secretaria geral de contencioso, órgão da AGU. Com o transito no Supremo Tribunal Federal, é ela quem substitui o advogado geral nas sustentações orais na corte quando necessário. O nome dela contou com o apoio dos ministros do STF Gilmar Mendes e Carmem Lúcia.

Grace Mendonça será a primeira mulher a ocupar um cargo no primeiro escalão do governo golpista de Michel Temer. Osório confirmou a demissão para a folha de São Paulo. Ele disse ter sido informado por telefone e que escolha foi "política’’ do governo.

De acordo com o ex-advogado da AGU: "Fui comunicado pelo telefone. Temer agradeceu pelos os serviços prestados e disse que, em função da conversa com o Padilha, ficou inviável minha permanência’’. "Não existe justificativa, há uma escolha política’’.

O ministro golpista da Casa Civil, Eliseu Padilha, teve um forte embate nesta quinta feira com o agora ex-AGU. Padilha reclamava da atuação de Osório, principalmente em relação ao pedido de acesso a inquéritos da Lava Jato que o advogado fez ao Supremo Tribunal Federal. O ministro golpista da Casa Civil queria que Osório se demitisse, mas o advogado se recusou, afirmando que só sairia a pedido de Temer.

A nomeação de uma mulher para o posto tenta hipocritamente visar minimizar as críticas feitas a Temer desde que ele esteve na linha de frente do golpe no país. Na época, ele apresentou seu novo ministério composto apenas por homens. Desde então, ele tentava driblar as criticas dizendo que havia mulheres em cargos importantes como na presidência do BNDES.

A poucos dias de ser demitido, o ex-advogado da AGU, Fabio Medina Osório da Advocacia Geral da União deu uma entrevista que relatamos neste site (http://www.esquerdadiario.com.br/Golpe-e-solucao-irreversivel-diz-advogado-geral-da-Uniao), onde dizia que o impeachment era uma decisão irreversível. Nesta entrevista, ele coloca que pelo fato do golpe ter sido votado, é uma decisão legitima e com isso não pode haver mudanças em torno desta votação.

Ao abrir este debate entre os golpistas, Fabio Medina claramente quis defender a ala dos que defenderam fatiar a votação do impeachment para depois salvar Eduardo Cunha. Ao passo que o advogado não quis defender a retirada de direitos políticos de Dilma, a ala golpista ligada ao PSDB que quer acabar com todas as pretensões do PT de querer se eleger novamente logo tratou de avançar contra Fabio Medina.
Nesta entrevista que citamos, Fabio Medina deu legitimidade para a decisão do Senado. Porém como estamos vivendo um avanço do poder Judiciário, é visível a intenção desta instituição em alcançar posições dentro do estado brasileiro, mesmo que interfira nas decisões das outras instituições. Tanto é que o Judiciário tem uma lista tríplice para que eles mesmos escolham o novo advogado da AGU.

Por sua vez, o Governo golpista de Michel Temer aproveita desta brecha para nomear uma mulher para assumir este cargo. Mesmo que Temer tente dar uma aparência democrática ao seu governo, ele não pode esconder que qualquer uma que seja nomeada para um cargo no governo vai estar a serviço do plano de ajustes dos ricos contra os trabalhadores e que as mulheres, com o avanço conservador contra direitos elementares conquistados com muita luta, são vítimas do golpe.

Mesmo com alguns atritos entre os setores burgueses que protagonizaram o golpe, estes se unem para querer atacar os direitos dos trabalhadores, das mulheres e da juventude. Somente com um plano de luta que se enfrente contra as medidas de privatizações, contra o setor conservador golpista que é contra o direito ao aborto seguro e gratuito, contra os cortes e os ataques dos direitos dos trabalhadores que poderemos por abaixo este governo golpista.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Poder judiciário   /    Política

Comentários

Comentar