Política

GOVERNO TEMER

Ministra do Trabalho manteve funcionário sem registro e com jornada de 15h por dia

Cristiane Brasil, atual ministra do Trabalho, tem um extensa ficha de absurdos: motorista de Cristiane trabalhava quase 15 horas por dia. Ministra teve que pagar indenização.

quinta-feira 4 de janeiro| Edição do dia

Em 2016, Cristiane Brasil, a nova ministra do Trabalho do Governo Temer foi condenada a pagar uma indenização de R$ 60,4 mil ao seu motorista, que prestava serviços para a deputada e sua família.

O funcionário de Cristiane trabalhava sem carteira assinada, sendo privado de receber os seus direitos trabalhistas como férias, aviso prévio e 13º salário. Segundo o juiz, que condenou Cristiane em primeira instância, a jornada de trabalho do motorista chegava em quase 15 horas por dia.

O motorista trabalhou para Cristiane e sua família entre 2012 e 2014, das 6 horas da manhã até as 22:30, sendo responsável por levar seus filhos para todos os compromissos, como escola, médico e atividades de lazer. Ele folgou apenas os domingos e seu salário era de R$ 1 mil.


Foto do processo que condenou Cristiane Brasil a pagar dívida trabalhista (reprodução de G1)

A figura nomeada para o Ministério do Trabalho de Temer não deixa de acrescentar absurdos na sua lista: votou a favor da lei da Terceirização, que implica num aprofundamento de cargos terceirizados e por sua vez condições ainda mais precárias de trabalho; votou pela reforma trabalhista, que possibilitou ainda mais acordos que tornam trabalhos informais e precários cada vez mais frequentes, derrubando de vez os direitos conquistados pelo trabalhadores brasileiros. E por fim, Cristiane manteve sob regime de trabalho precário, praticamente análogo à escravidão um motorista, pagando pouco mais de um salário mínimo, sem direitos trabalhistas e sem carteira assinada.

Mais um retrato fiel da política de Temer, que busca atacar os trabalhadores e do tipo de aliança que faz em seu governo golpista.




Tópicos relacionados

Trabalho Escravo   /    Trabalho Precário   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar