Internacional

Militarização e corrupção na Bolívia: o governo golpista levou Beni ao desastre sanitário

Em Beni, 70% dos profissionais de saúde foram infectados. Tem que escolher quem vive e quem morre. Um cemitério teve que ser improvisado e as pessoas começaram a morrer em suas casas, sem sequer serem diagnosticadas. O governo golpista é absolutamente responsável por essa tragédia

segunda-feira 1º de junho| Edição do dia

Foto: Protesto de médicos em Beni (Ahora Digital).

Beni é o segundo maior departamento da Bolívia, está localizado no centro-norte do país e faz fronteira com o Brasil, tem uma população de menos de meio milhão de habitantes e é conhecido por ser um dos departamentos mais “esquecidos”. Um estudo sobre pobreza multidimensional, realizado pelo Centro de Estudos do Trabalho e Desenvolvimento Agrário (CEDLA) em 2019, coloca Beni - junto com Potosí - como um dos departamentos mais pobres (entre 34% e 36%). A pobreza multidimensional não apenas mede a renda econômica, mas outras dimensões, como oportunidades (saúde, educação, acesso e qualidade do trabalho, moradia e meio ambiente); recursos monetários; poder e voz (participação política); e segurança humana (alimentar e pessoal).

Desde o início da pandemia, Beni foi uma das áreas que durante quase um mês e meio manteve um "silêncio epidemiológico", acrescentando gradualmente os casos de Covid-19 ao restante do país, e hoje é o epicentro da pandemia. Ele ocupa o segundo lugar no número de infecções e mortes, depois de Santa Cruz, e tem uma das taxas mais altas de mortalidade, quase 6%, segundo informações "oficiais". Ou seja, as informações mostradas pelos mercadores da área de saúde que administram a crise. No entanto, como foi revelado por meio de reclamações de médicos pedindo ajuda e até de reportagens da imprensa hegemônica, pelo menos no caso de Beni, existem fortes dúvidas sobre a veracidade do número real de infectados e de mortos.

Há mortes que não são diagnosticadas porque não há testes. Um cemitério teve que ser improvisado, que eles chamam de cemitério Covid, no qual é relatado que existem cerca de 200 sepulturas; muitos deles por Covid-19, enquanto reportaram apenas 84 mortes. As pessoas morrem em suas casas. Hoje, o jornal Página Siete publicou um depoimento de Remmy Lázaro, do Serviço Departamental de Saúde (Sede) Beni, no qual destaca que sua equipe coleta entre 10 e 15 corpos por dia para enterrá-los.


Cemitério Covid-19, em Beni.

Na segunda-feira, o governador de Beni, Fanor Amapo, emitiu a Lei Declaratória Departamental de Desastre Sanitário. A resposta de Áñez e de seus ministros foi nomear uma comissão para lidar com a crise, composta, entre outras, pelas principais figuras de seu gabinete, responsáveis ​​por garantir a repressão e a militarização da quarentena, como Fernando López, ministro da Defesa, e Arturo Murillo, Ministro do Governo. Eles decidiram encapsular Trinidad (capital do Departamento) pela terceira vez para iniciar buscas de casa em casa, enquanto os testes mínimos necessários para detectar o vírus ainda não foram realizados.

Os laboratórios que seriam instalados para não ter que esperar dias pelos resultados dos testes (insuficientes), ainda não funcionam, pois aguardam a chegada dos reagentes.

Diante dessa situação, a auto-nomeada Áñez, que por sinal é de Beni, em 24 de maio anunciou que havia entregado "testes de Covid-19, medicamentos, itens de saúde e 11 kits completos de terapia intensiva, incluindo respiradores, camas , monitores de controle e suprimentos." Medidas desesperadas, atrasadas e ainda insuficientes. Deve-se dizer, de acordo com vários relatos da mídia, que 70% dos trabalhadores da saúde em Beni, que tiveram que enfrentar a pandemia sem condições mínimas, hoje estão de licença médica por contágio, alguns se demitiram por medo e, ao menos, três médicos morreram.

A imprensa informou que o país tem apenas 91 camas para coronavírus e UTIs nos departamentos de Santa Cruz e Beni, e todas já estão ocupadas. Para mostrar a brutalidade com que o país está combatendo a pandemia, na mesma nota, há a informação da Sociedade Boliviana de Médicos de Terapia Intensiva, que indica os 170 respiradores (básicos) comprados por valores milionários, que foram entregues há uns dias e não podem ser usados porque precisam ser atualizados e estão apenas ocupando espaço.

Os golpistas se recusaram sistematicamente em realizar testes massivos. Marcelo Navajas, o segundo ex-ministro da Saúde de Áñez, que atualmente está envolvido em um forte caso de corrupção pela compra de respiradores superfaturados, declarou explicitamente que apenas casos com sintomas claros do Covid-19 devem ser testados. Em outras palavras, uma política baseada no dinheiro e não em salvar vidas. Isso explica porque, de um momento para o outro, a situação em Beni hoje está tão trágica.

Áñez e seu gabinete têm apostado deliberadamente, e quase como a única medida, em uma quarentena militarizada, combinada com recomendações de jejum e de orações dos auto-nomeados, enquanto Murillo, em traje militar recorrentemente se encarregava de "disciplinar aterrorizando", com ameaças de prisão e de descarregar todo o peso da lei a quem viola a quarentena.

Após dois meses de quarentena, a situação transbordou. A recusa acentuada de implementar testes, combinada com a corrupção de bens e de recursos do Estado, começam a afetar a gestão golpista da pandemia. As necessidades urgentes da maioria dos trabalhadores no dia a dia, mostraram que a fome supera o medo da repressão e do vírus, forçando o relaxamento da quarentena em El Alto, e em La Paz, a partir de segunda-feira. Ontem, em Beni, foi realizada uma marcha rejeitando um novo isolamento, porque seus habitantes não suportam mais a quarentena: eles precisam comer e trabalhar.

A curva de contágio no país está aumentando. Até o momento, eles já somam 8.387 casos, mas sabemos que não são números confiáveis, porque não há testes. As medidas de "contenção social" de Áñez são migalhas que não atingem quem mais precisa.

Os benefícios disponíveis diante de sérias necessidades não são quase nada e, para muitos, nem é possível recebê-los. Não é apenas a distância para chegar a um banco. Um estudo realizado pelo INESAD, em 2018, indicou que 23% das famílias na Bolívia têm pelo menos um membro com mais de 6 anos sem carteira de identidade, logo, não podem ter acessar nenhum serviço financeiro.

Áñez disponibiliza os recursos - sim, eles existem - para o beneficiar e salvar os bancos e o agronegócio, aproveitando a pandemia para acelerar abertamente as medidas de entreguismo e de privatização em benefício de sua classe.

A organização dos trabalhadores de Beni deve impulsionar a mais ampla mobilização nacional

A grave crise que estamos enfrentando não é um problema de irresponsabilidade ou negligência. Áñez e seu gabinete tomaram o poder do Estado para colocá-lo a serviço de seus negócios e de sua classe. No entanto, também não há saída nas mãos do MAS, responsável não apenas pelo desmantelamento do sistema de saúde, mas também pela negociação sistemática com os golpistas.

Apesar de terem 2/3 no parlamento, eles não aprovaram uma única medida que seu candidato acenava apenas como bandeira eleitoral. Arce falou de um salário de quarentena e até de impostos sobre grandes fortunas, mas, no parlamento, 2/3 do MAS permanecem calados em mil idiomas. Além disso, Arce Catacora reconheceu publicamente Jeanine Áñez como presidente constitucional, enquanto os setores populares, que se mobilizaram e realizaram protestos contra a fome - que o MAS estava encarregado de conter - pedem a renúncia da presidente.

Diante dessa situação trágica, é urgente discutir e implementar um plano de emergência para salvar vidas e não os lucros. Organizações operárias, organizações camponesas e indígenas, organizações de bairro e de estudantes devem recuperar nossas instâncias sindicais e organizacionais das mãos das burocracias e das lideranças corrompidas, e discutir medidas urgentes para enfrentar a crise sócio-sanitária e econômica que está em marcha.

1 - É urgente um plano de um sistema de saúde único, ou seja, a nacionalização de clínicas e de hospitais, cuja centralização seja colocada sob o controle e administração dos profissionais de saúde. Essa é a única maneira de garantir o abastecimento massivo de suprimentos de biossegurança e de EPIs, para que nenhum trabalhador continue morrendo. Somente dessa maneira se pode aprovar a Lei Geral do Trabalho à maioria dos trabalhadores da saúde precarizados . É a única maneira de garantir testes em massa, para não continuarmos a adivinhar o caminho do vírus.

2 - As empresas devem ser nacionalizadas, sob o controle dos trabalhadores, para que sejam convertidas e possam produzir implementos necessários à biossegurança dos trabalhadores, o que garantiria também a manutenção dos empregos de centenas que estão sendo demitidos em meio à crise.

3 - Pela proibição de demissões e a transferência da administração aos trabalhadores, sem indenização, de qualquer fábrica ou empresa que feche ou demita.

4 - Os recursos existem, e vemos como hoje eles negociam impunemente às custas de nossas vidas. É urgente impor um imposto extraordinário às grandes fortunas, para que toda a população tenha acesso a medidas preventivas e necessárias para enfrentar a pandemia. Basta de financiar a repressão! Que o dinheiro que vai para as forças repressivas, vá para a saúde!

5 - Somente uma saída dos trabalhadores pode impor o não pagamento da dívida externa.

6 - Somente a organização independente e da base dos trabalhadores pode impor um salário mínimo de acordo com a cesta da família e licenças de trabalho massivas para os trabalhadores dos setores não essenciais, com pagamento integral dos salários.

Essas são algumas das medidas mais urgentes que organizações sindicais, de bairros e de movimentos indígenas e camponeses, independentemente, devem começar a agitar e a exigir, por meio de mobilização e luta. Esta é a única maneira de ajudar Beni. A única maneira de a crise não cair, como sempre, nos ombros da maioria trabalhadora e, desta vez, ser paga pelos ricos e pelos capitalistas.




Tópicos relacionados

Beni   /    Jeanine Añez   /    pandemia   /    Coronavírus   /    Golpe de Estado Bolívia   /    Internacional

Comentários

Comentar