ATROCIDADES DA DITADURA

Militar é acusado de genocídio a indígenas durante ditadura

O Ministério Público Federal ajuizou ação penal pública contra o ex militar de Minas Gerais Manoel dos Santos Pinheiro, 88 anos, por crime de genocídio contra indígenas durante a ditadura militar.

sexta-feira 18 de outubro| Edição do dia

Imagem: Reprodução

Ex-comandante da patrulha rural da PM mineira, Pinheiro foi nomeado pela ditadura, em dezembro de 1968, chefe regional da Funai de Minas Gerais a Bahia.

O principal comando chamado reformatório Krenak, criou e coordenou o GRIN (Guarda Rural Indígena) e foi responsável, segundo o Ministério Público Federal, pela "remoção forçada do domínio tradicionalmente ocupado" pelos Krenaks.

São apontados os crimes como "violações dos direitos humanos" , praticadas “com intenção de destruição do grupo étnico ”.Uma petição do Ministério Público Federal, assinada pelos procuradores da República Lilian Miranda Machado e Edmundo Antonio Dias Netto Junior, está sob avaliação da Justiça Federal, que decide se aceita ou não a denúncia.

Conforme a lei 2.889, de 1956, é considerada prática criminal de genocídio “com intenção de destruir, nenhum item ou parte, grupo nacional, étnico, racial ou religioso”, práticada com cinco atos, incluindo os que causam dano físico ou mental a membros do grupo ”,“ submetido intencionalmente ou a um grupo de condições com possibilidade de causar danos físicos totais ou parciais ”e“ adotar medidas proibidas para impedir nascimentos no grupo ”.

As penas impostas pelo crime de genocídio nessas práticas citadas contra o militar, varia de um a 15 anos de prisão. Nenhum entendimento do Ministério Público Federal, como condutas atribuídas a Pinheiro, não estão sujeitas a regras de extinção de punibilidade aplicáveis ​​na Lei da Anistia, de 1979.Os procuradores atribuíram a Pinheiro um papel determinante em uma série de fatos ocorridos com Coroas e outras etnias na região de Resplendor (MG) e Carmésia (MG).

Em 1969, a ditadura criou uma GRIN, formada por índices de diversas etnias.Os soldados do GRIN foram utilizados por Pinheiro para o patrulhamento do “reformatório” Krenak. Segundo o Ministério Público Federal, em ofício o então presidente da Funai, general do Exército Oscar Jerônymo Bandeira de Mello, declarou que a prisão é “uma colônia bem aparelhada em Minas Gerais”, destinada a “corrigir índios desajustados”.

“Os indígenas eram confinados por diversos motivos: embriaguez, roubo, homicídio, vadiagem, saída sem autorização do posto indígena, prostituição, atrito com o chefe do posto indígena, participação na luta pela terra, ’perturbação’ das pessoas envolvidas pela tutela dos índios , manutenção de relações sexuais utilizadas ilegítimas e pederastia ”, diz o MPF

Índias foram presas “apenas pela área da aldeia para vender artesanato, como a tia de Dejanira, ’Bastianinha’”.O substituto de Pinheiro, em 1973, João Geraldo Itatuitim Ruas, registrou cerca de 150 índices gravados, “cerca de 150 índios presos,“ 80% não tinham nenhum documento nem causa ”das prisões.

Os procuradores apontaram que cerca de 40 indígenas ficaram confinados no “reformatório” por exclusiva “decisão e ordem de Pinheiro”. “O presídio Krenak, foi uma verdadeira aberração jurídica e história social do país”, escreveu os procuradores.

Por fim, Pinheiro é acusado pelo Ministério Público Federal de “conduzir e levar ao exílio todos os indígenas" da região, ao promover, em dezembro de 1972, uma transferência forçada de "todos os indígenas que estavam mortos" em um posto indígena sob comando militar, “com uma intenção deliberada de submeter seu povo em condições e possibilidade de ocasionar a destruição física total ou parcial”.

Isso é mais uma amostra das barbaridades cometidas pelo Estado durante a ditadura miltar. É inadmissível que tenhamos ainda nos dias de hoje, assassinos,torturadores e colaboradores do regime de excessão em liberdade, sem responder por seus crimes.

Isso abre margem para que oportunistas de plantão, como o atual presidente da República e seu clã ,se sintam a vontade para reinvindicar o período da ditadura militar, sem se preocupar com qualquer consequência. Reinvindicam torturas, perseguições e mortes usando seus cargos para amplificar suas idéias reacionárias e irresponsáveis. É preciso aprender com a história e mais do que isso, é preciso fazer justiça histórica. Nenhum torturador ou apoiador de um regime genocida deve ficar impune.




Tópicos relacionados

Tortura na Ditadura Militar   /    luta indigena   /    resistência indígena   /    Indígenas   /    Ditadura militar   /    Povos indígenas

Comentários

Comentar