Política

GOVERNO TEMER

Michel Temer faz reunião com FHC para pedir apoio às medidas impopulares

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

quinta-feira 13 de outubro| Edição do dia

O presidente golpista Michel Temer assumiu o protagonismo na relação com o PSDB para evitar que divergências internas tucanas atrapalhem a gestão federal, justamente no momento em que tenta aprovar medidas impopulares no Congresso Nacional. Temer convidou para um almoço no Palácio do Jaburu nesta quinta-feira o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra do PSDB. Neste almoço esteve presente o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Supremo Eleitoral, onde tramitam cinco ações contra a chapa Dilma-Temer.

De acordo com Geddel, a reunião foi um ’’encontro de amigos’’, quando conversaram apenas amenidades. O ministro ainda falou que Michel Temer não fez qualquer pedido a Fernando Henrique Cardoso. O responsável pela relação entre Planalto e Congresso citou que "Nem caberia. Não foi um encontro administrativo.".
Já de acordo com Gilmar Mendes "Foi uma conversa de velhos amigos. Foi uma conversa geral, uma avaliação de momento. O pessoal está otimista com o bom resultado da eleição, da aprovação da PEC [que limita gastos públicos] para refazer a situação muito difícil do país".

As divergência internas entre os tucanos do PSDB foram potencializadas no início deste mês com as eleições municipais. Com a vitória de João Dória como prefeito de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin ganhou força e agora disputa com o Aécio Neves, o controle do partido.

De acordo com o deputado federal Sílvio Torres, secretário geral do PSDB: "Fernando Henrique tem uma boa relação com ele. Lula e Dilma não ouviam. Temer está dando outro sinal, está valorizando [a experiência de FHC]’’. Temer fez o convite por telefone na terça feira, quando falaram sobre a necessidade de uma mobilização também no Senado para a aprovação da proposta da PEC 241. Fernando Henrique Cardoso elogiou a aprovação em primeiro turno da iniciativa na Câmara dos Deputados e disse que os grandes empresários e banqueiros reagiram bem à proposta.

Fernando Henrique também disse acreditar que o PSDB também irá se empenhar no Senado Federal para aprovar a proposta. Na Câmara dos Deputados, o partido votou em peso a favor da medida.

Com esta ação de convidar Fernando Henrique Cardoso para um almoço, Michel Temer tem a intenção de enfraquecer a ala tucana pró-Alckmin que desde já pretende se colocar como uma alternativa para aplicar os ajustes que o imperialismo está querendo. Com isso, Temer busca fortalecer uma unidade com os golpistas do PSDB para ter força para aplicar as medidas impopulares contra os trabalhadores.

Ao chamar Fernando Henrique para um almoço, do outro lado Temer busca conquistar a confiança do PSDB e também parte dos grandes empresários. Na época em que foi presidente Fernando Henrique Cardoso, conseguiu privatizar diversas estatais e acabar com diversos direitos dos trabalhadores e dos demais setores populares da sociedade. Pedir ajuda de um político que conseguiu atacar os trabalhadores e os setores populares da sociedade, deixa este setor mais aliviado.

Outra elemento que chama atenção neste encontro é a presença de Gilmar Mendes. Isto mostra que o poder Judiciário continua cumprindo o seu papel de árbitro nesta crise econômica e política que o país está passando. Para que Mendes não leve até o final o processo de cassação da chapa Dilma-Temer, Michel Temer busca também passar essa confiança para o poder Judiciário.

Conforme já afirmamos anteriormente, por trás destes acordos e brigas palacianas quem sai perdendo é a classe trabalhadora e os setores populares da sociedade. A intenção de Temer, mas também de Geraldo Alckmin é ganhar o pedaço maior das medidas impopulares que estão sendo implementadas. É preciso que a CUT e a CTB rompam com a sua paralisia e coloque em pé um plano efetivo de luta para barrar os ataques dos governos.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar