Mundo Operário

TERCEIRIZAÇÃO E PRIVATIZAÇÃO NO METRÔ

Metroviários de SP: Retomar a unidade da categoria para derrotar a privatização no Metrô

Movimento Nossa Classe Metroviários solta declaração pela retomada da unidade na categoria para barrar a terceirização e privatização no Metrô.

segunda-feira 7 de agosto| Edição do dia

Vamos retomar a unidade da categoria com força para derrotar a terceirização e privatização do Metrô!

Assembleia amanhã as 18:30 No Sindicato!

*DECLARAÇÃO DO MOVIMENTO NOSSA CLASSE METROVIÁRIOS FRENTE À ULTIMA ASSEMBLEIA*

Estamos em um momento difícil do país. Direitos sendo arrancados por um congresso corrupto, apoiado em um governo ilegítimo. No embalo da reforma trabalhista, Alckmin em SP parte para ofensiva sobre os metroviários. A terceirização das bilheterias é só mais uma peça no tabuleiro da entrega do Metrô para as empresas privadas que financiam as campanhas eleitorais do governador.

Os OTMI (funcionarios da estação) perderão de um dia para o outro 1/4 de seus salários. Frente a isso, a adesão a campanha de retirada de uniforme foi mais difícil nas estações, mas veio num crescente. Várias estações tiveram uma atuação exemplar na retirada de uniforme e mantiveram até hoje 100% dos OTMI sem uniforme, como JQM por exemplo. E mesmo com assédio brutal da chefia, até mesmo alguns OTMI em treinamento retiraram o uniforme. Apesar do discurso de terror e da campanha demagógica da direção da empresa em seus canais de comunicação, os metroviarios mostraram força e disposição de luta.

Na assembleia do dia 31/07, uma parcela significativa da categoria compareceu. Em votação da greve para o dia 01/08, uma maioria da assembléia votou favorável. Outra parcela minoritária da assembleia votou pelo adiamento da greve para setembro.

Em uma manobra desonesta, o coordenador do sindicato Fajardo (CTB) se recusou a decretar a vitoria da greve ou contar os votos para que a assembléia pudesse discutir, em cima dos números de maioria e minoria, uma solução acordada para lutarmos contra a privatização. O coordenador Raimundo, lamentavelmente num primeiro momento caiu na manobra espúria de Fajardo em não contar os votos, mas foi em seguida corrigido pelos colegas da Alternativa, passando a defender corretamente a contagem. A manobra de Fajardo funcionou para que uma parcela dos votantes começassem a se retirar da assembléia, que ficou esvaziada. A manobra portanto levou diretamente à implosão da assembleia. Ao mesmo tempo em que a diretora Marília, que é diretora do sindicato em oposição a direção da CTB e estava na mesa, tentou por várias vezes colocar sua posição desde o início em defesa da contagem dos votos e da democracia operária, e foi impedida de falar. Por isso Marília se retirou da mesa, declarando que não compactuava com a manobra e que não iria ser apenas uma representante feminina na mesa, impedida de expressar sua opinião.

Essa manobra fere o princípio básico da democracia operária. Uma assembleia precisa saber qual proposta venceu e qual proposta foi derrotada, se tiver dúvida contar, e a partir daí se avaliar se deve ir ou não para greve mesmo se a votação for dividida. Isso não foi feito e permitiu por exemplo que na manhã seguinte a rádio CBN divulgasse que a assembleia dos metroviários haviam votado "contra a greve", o que não foi isso que aconteceu. No menor sinal de disposição de luta pela greve, Fajardo se prontificou a tumultuar o andamento da assembleia e implodi-la.

Chamamos toda categoria, em especial os OTMI que estão sendo rifados pelo Metrô com ajuda desse diretor sindical, a comparecer em peso na próxima assembléia dia 08/08. Não podemos deixar que manobras dividam e desmoralizem os metroviários, abrindo espaço para que Alckmin possa privatizar tranquilamente o Metrô e acabar com nossos empregos.

Temos que deixar claro: não aceitaremos nenhuma terceirização. Não aceitaremos redução de salário. Nem o governo, nem o Metrô e seus chefes, nem nenhuma manobra de diretor sindical irá nos intimidar. Os metroviários podem vencer essa batalha, mas para isso é fundamental a unidade da categoria e principalmente a participação decidida dos OTMI, organizando uma forte greve contra a terceirização e a privatização do Metrô, colocando a necessidade da estatização dos transportes sob controle dos trabalhadores e usuários.

*Todos à assembleia dia 08/08, preparar nossa greve para garantir nossos empregos! Até o dia da assembleia, fortalecer a retirada de uniforme nas estações e no tráfego e mostrar a força da categoria!*

Movimento Nossa Classe Metroviários




Tópicos relacionados

Privatização   /    Terceirização   /    Metrô   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar