Mundo Operário

METROVIÁRIOS-SP

Metroviários-SP distribuem máscaras a usuários, denunciando descaso no combate à pandemia

O sindicato dos metroviários, em uma manifestação, distribuiu máscaras com os dizeres “A vida acima dos lucros” na estação da Sé, em São Paulo. A manifestação visava demonstrar a importância da aliança entre os trabalhadores do Metrô e a população nesse difícil momento de pandemia para enfrentar o descaso e os ataques de Bolsonaro e Doria.

quinta-feira 28 de maio| Edição do dia

Ontem, quarta-feira, 27, o sindicato dos metroviários, em uma manifestação, distribuiu máscaras com os dizeres “A vida acima dos lucros” na estação da Sé, em São Paulo.

A manifestação visava demonstrar a importância da aliança entre os trabalhadores do Metrô e a população nesse difícil momento de pandemia para enfrentar o descaso e os ataques de Bolsonaro e Doria.”

Nem Bolsonaro e nem Doria tem tomado medidas efetivas para garantir a saúde e vida da população. Enquanto Bolsonaro abertamente assume uma linha negacionista e que visa apenas o lucro dos empresários com a manutenção de todo o comércio aberto e seus ministros falam abertamente que devem aproveitar o momento para desferir grandes ataques aos pobres e trabalhadores; Doria vem fazendo demagogia numa falsa oposição a Bolsonaro prometendo milhões de testes que até hoje não chegaram, não garantindo equipamentos de proteção individual aos trabalhadores dos serviços essências, como a saúde e o transporte.

Em especial no Metrô de São Paulo, a empresa e Doria não fornece testes para os funcionários, e vem garantido a demissão dos trabalhadores terceirizados da limpeza em grupo de risco, que deveriam ter seu afastamento remunerado assegurado, enquanto isso nas redes sociais metrô e o secretário de transportes, Alexandre Baldy, postam vídeos das limpezas diárias feitas nos trens e estações escondendo as demissões que vem ocorrendo e a sobrecarga de trabalho que esses funcionários vem sofrendo.

Ha poucas semanas atrás, o metrô e Doria apresentaram uma proposta de negociação do acordo coletivo com inúmeros e enormes ataques à categoriametroviária, no momento em que os trabalhadores vem arriscando sua vida e a de seus familiares, trabalhando com a mesma máscara por 15 dias, como diz o protocolo da empresa, tendo o afastamento por contato com trabalhadores contaminados negados, etc.

Nós da chapa 4-Nossa Classe metroviários e minoria do sindicato dos metroviários participamos da manifestação e acreditamos que é preciso que a categoria metroviária e a população se organizem para resistir aos ataques de Dória em São Paulo, de Bolsonaro e seus ministros, como vêm fazendo os trabalhadores da saúde em todo país. É preciso exigir paralisação total de todas as atividades não-essenciais, com licença remunarada, testes massivos já, auxílio emergencial, não de 600 reais, mas de 2 mil reais, EPIs adequados para os trabalhadores de serviços essenciais, nenhuma demissão, reconversão da indústria a serviço de combater a pandemia, e um sistema único de saúde sob o controle dos trabalhadores.

É preciso organizar com muita força um movimento Fora Bolsonaro, Mourão e militares, pois não podemos nos iludir que o impeachment de Bolsonaro com Mourão assumindo é a saída.

Pode te interessar:
- Metroviários em apoio a profissionais da saúde no Dia Internacional da Enfermagem
- Metroviários denunciam Doria e exigem testes e EPI’s adequados para continuar trabalhando
- Metroviários de SP repudiam demissões em massa de terceirizadas
- A importância dos testes para os metroviários de SP frente à pandemia do coronavírus
- Mães da linha de frente: “Minha única filha fez 15 anos e com duas semanas de antecedência me veio o diagnóstico de Covid-19. Desmarquei tudo o que planejamos para realização de um sonho”




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Coronavírus   /    Trabalhadores   /    Jair Bolsonaro   /    João Doria   /    Metrô   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar