Sociedade

CENSURA NO METRO

Metrô de SP proíbe metroviários de circular notas com "Fora Temer"

sexta-feira 9 de setembro| Edição do dia

Nesta sexta-feira a bancada da Cipa da Linha 1-Azul recebeu uma denúncia dos metroviários de que o Metrô de SP estaria orientando a tirar de circulação notas carimbadas com o "Fora Temer", devolvendo-as para o banco. As notas carimbadas são mais uma forma de protesto que a população está fazendo, assim como uma série de manifestações que percorrem o país contra o governo golpista de Temer.

A direção do Metrô de SP mostra mais uma vez seu alinhamento político da direção da empresa com o governo Alckmin e o governo golpista do Temer. Desde o início do golpe institucional, apoiaram as manifestações da direita chamando os metroviários a fazerem hora extra, colocando mais trens para rodar, e agora querem restringir a liberdade de expressão, retirando de circulação as notas com o carimbo do "Fora Temer" e censurando um protesto que tem levado milhares de pessoas as ruas.

Além disso, com essa medida o Metrô de SP piora ainda mais a falta de troco -motivo pelo qual o valor da passagem tem sido diminuído em diversas estações- dificultando o troco para as notas de 2, 5 e 10 reais.

Felipe Guarnieri e André Bof, representantes eleitos da CIPA Linha 1, dizem que essas denúncias serão levadas para serem apuradas na Cipa.

Guarnieri ainda afirma que "a circulação de notas escritas, rasuradas ou até mesmo danificas (em menos de 50%) é aceito por lei. O próprio metro no treinamento da bilheteria orienta o funcionário disso. Fica claro a censura política da ação do Metro."

Já André Bof faz um chamado aos metroviários "todos devem continuar denunciando para os membros da cipa e do sindicato essa tentativa do Metro do Governador Alckmin tentar coagir os trabalhadores a censura política. Nós metroviários também somos contra esse governo que assim como Alckmin quer privatizar os transportes e atacar os direitos da população "




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Sociedade   /    Metrô   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar