Educação

24M EM CAMPINA GRANDE

Mesa debate sobre conjuntura política com a participação do Esquerda Diário, paralisação docente e lutas para barrar as reformas.

Shimenny Wanderley

Campina Grande

terça-feira 23 de maio| Edição do dia

Depois da greve histórica do dia 28 de abril em Campina Grande (PB) que apresentou a força da classe trabalhadora na cidade e no país, para o próximo 24 de maio, dia de ocupar Brasília, no marco da crise orgânica que vivencia o país, estão previstas um conjunto de atividades políticas, paralisações docentes e lutas contra as reformas previdenciária e trabalhista na cidade, das quais participará Esquerda Diário.

A UEPB está em greve por tempo indeterminado desde o dia 12 de abril e na Assembleia Geral da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Campina Grande (ADUFCG), realizada na última quinta-feira, 18 de maio, se deliberou por uma paralisação ativa no dia 24 de maio.

Além de uma panfletagem no portão principal da universidade a ás 07 h, a Comissão de Mobilização da ADUFCG organiza um debate político sobre a atual conjuntura política do país ás 09 h, que contará com a presença de Gonzalo A. Rojas, Professor de Ciência Política da UFCG, por Esquerda Diário. A mesa contará também com a presença do professor Marcio Caniello, da Unidade Acadêmica de Ciências Sociais e David Lobão pela CSP-Conlutas.

Na sua intervenção Gonzalo A. Rojas apresentará que é preciso aproveitar a divisão dos de acima para barras as reformas, exigir que de forma urgente as centrais sindicais construam uma poderosa greve geral e impor uma Constituinte seguindo a declaração política sobre a crise elaborada pelo Movimento Revolucionário dos Trabalhadores (MRT).

Que no país existe uma luta inter-burguesa muito forte, expressas pelo Judiciário e a rede Globo por um lado e Temer e parte do regime político pelo outro, uma disputa por cima, onde os trabalhadores devemos manter a independência política já que as duas frações burguesas brigam para ver quem tem melhores condições de nos atacar.

Que a crise entre os de cima nos favoreça para enterrar de vez os ataques e fazer com que sejam os capitalistas que paguem pela crise.

Frente as propostas de Diretas já! E de Constituinte exclusiva, Gonzalo A. Rojas defenderá também a necessidade que seja imposta pela mobilização uma nova Assembleia Constituinte Livre e Soberana.

Para isto defendemos articular a luta contra as reformas com a luta política e frente a possibilidade política colocada pela crise de derrubada de Temer para impor eleições para uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana.

Não pretendemos maquiar este modelo elegendo um novo presidente ou um novo congresso, todo isso seria insuficiente.

É preciso uma Assembleia Constituinte para poder revogar todas as leis aprovadas pelo governo de Michel Temer e revogar todas as leis antipopulares aprovadas por todos os governos desde a Constituinte de 88. É uma luta por uma saída política de fundo para os trabalhadores e a juventude através de uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta pela mobilização.

A defesa dessa constituinte deve ter uma perspectiva anticapitalista e transicional, com base na luta de classes contra os ajustes, os cortes para educação, contra as demissões e as perdas salariais que aumentaram a exploração do trabalho nos últimos meses, ataque aos direitos de propriedade dos capitalistas, liquide o pagamento da fraudulenta dívida pública, imponha que todo juiz ou político de alto escalão seja eleito, revogável e receba o mesmo que uma professora, estatize sob controle operário as empresas estratégicas e rompa relações com o imperialismo, realizando uma radical reforma agrária que o PT nem sequer começou em 13 anos.

Deve servir, portanto, não para recomposição do regime político e sim para sua superação sendo conquistada pela mobilização dos trabalhadores e juventude.

Depois desta mesa debate, o Comitê contra as Reformas Trabalhistas e da Previdência de Campina Grande, que integramos com independência política como Esquerda Diário, realizará um panfletagem a partir das 13 h na fábrica Alpargatas no setor industrial da cidade, culminando a jornada com um ato político ás 16 h na Praça da Bandeira no centro da cidade.

Abaixo Temer golpista !
Derrotar as reformas, greve geral e Constituinte já !




Tópicos relacionados

#OcupaBrasília   /    Educação

Comentários

Comentar