Política

ELEIÇÕES 2018

Mercado Financeiro comemora aliança de Alckmin com Centrão para atacar os trabalhadores

sexta-feira 20 de julho| Edição do dia

O Bloco do chamado Centrão, composto por DEM, PR, PRB, PP, Solidariedade e outros 7 pequenos partidos, se decidiu por consolidar seu apoio por Alckmin. Isso irá influir diretamente sobre o tempo de televisão dos candidato, que se consolida como a opção dos capitalistas para as eleições. A outra opção de apoio era Ciro Gomes, pelo PDT.

Não diferente disso é a reação da Bolsa de Valores para a notícia. O dólar chegou a valer R$ 3,7585 (-2,18%) na mínima e a Ibovespa subiu 2,05%, com forte alta, aos 79.075 pontos por volta das 11h da manhã de hoje. A notícia de que Alckmin será o candidato com o apoio do Centrão é uma garantia para os grandes empresários, pois ele aprofundará a agenda de ataques para que sejam os trabalhadores que paguem pela crise.

Alckmin terá nada menos do que 51% do tempo de TV para sua campanha e aumentou suas chances de chegar ao segundo turno. A aliança do PSDB com um bando de pequenos partidos pequenos, com composição "fisiológica" só coloca mais pressão para que as reformas, que se iniciaram com Dilma a partir de seu segundo governo, que se aprofundaram com o golpe e o governo Temer. Querem que a agenda de ataques chegue como programa nas urnas e se consolide, agora pelo voto, depois do golpe institucional que instituiu o governo mais impopular da história.




Tópicos relacionados

Bancos   /    golpe   /    Eleições 2018   /    Golpe institucional   /    PSDB   /    Centrão na Câmara   /    Centrão   /    Alckmin   /    Governo Federal   /    Política

Comentários

Comentar