Menino tem que mudar de escola porque a direção não aceita seu cabelo longo

Família entra na Justiça porque escola não aceita os cabelos do filho de 11 anos que, segundo a mãe, só poderão ser cortados daqui a 2 anos, por promessa. Segundo a escola, isso fere a conduta disciplinar.

segunda-feira 13 de agosto| Edição do dia

No Distrito Federal, anteriormente às férias de Julho, a direção do Colégio Adventista de Planaltina chegou a advertir os pais de que se o menino de 11 anos não cortasse o cabelo, não poderia mais frequentar as aulas. Na volta às aulas, os problemas seguiram e o menino optou por transferir-se da escola.

Embora se afirme em nota como contrária a qualquer discriminação ou preconceito, a escola reforça que tem normas gerais de conduta válida, e que isso as quebra.

Em tempos em que os conservadores e a direita querem cada vez mais cercear os debates de gênero e sexualidade nas escolas, relegando ao âmbito da família, o caso demonstra como as instituições de ensino não são “neutras”, mas reforçam uma ideologia que impõe padrões de gênero.




Comentários

Comentar