Internacional

Medidas imprescindíveis de autodefesa da classe trabalhadora

Publicamos uma nova declaração do PTS-Frente de Esquerda (Partido dos Trabalhadores Socialistas), partido-irmão do MRT, diante do ajuste que os empresários lançam no marco da crise do coronavírus na Argentina.

sexta-feira 10 de abril| Edição do dia

A classe capitalista já começou a descarregar sobre a classe trabalhadora e o povo pobre uma crise que foi intensificada pelo surgimento da nova pandemia de coronavírus.

Fechamento de empresas, demissões, cortes salariais, maior flexibilidade da mão-de-obra, obrigação de trabalhar sem ferramentas sanitárias básicas, retaliação e até repressão para aqueles que se organizam e protestam.

A burguesia prova mais uma vez que é uma classe parasitária. Sua rentabilidade e lucros valem tudo, e, portanto, seu desprezo pela vida da classe que cria, produz, distribui tudo o que consumimos e fornece serviços essenciais para a vida, como a saúde.

Com a quarentena obrigatória, milhões de pessoas ficaram sem o seu sustento diário.

Mais de onze milhões de pessoas se inscreveram para receber os 10.000 pesos que o governo pagará este mês. No entanto, mais de sete milhões de solicitações (70%!) Foram rejeitadas pelo governo Alberto Fernández.

O governo decretou a proibição de demissões por dois meses, mas, ao mesmo tempo, acabou validando as 1.500 demissões feitas por Paolo Rocca, da Technit (que possui um patrimônio pessoal de 3,3 bilhões de pesos!), A polícia de Berni e Kicillof reprimiram os trabalhadores do frigorífico Penta que exigem a reposição de 250 trabalhadores demitidos. Dezenas de milhares de demissões são calculadas entre trabalhadores não registrados, por agência, em períodos de avaliação etc.

As mulheres que trabalham são as principais vítimas. As faxineiras e domésticas são demitidas ou não recebem 100% de seus salários enquanto permanecerem em quarentena. Aquelas que têm filhos e precisam trabalhar frequentemente não têm com quem deixá-los durante o fechamento de jardins e escolas.

Nesse contexto, empregadores multinacionais como McDonald’s e Burger King pagam a seus trabalhadores menos da metade do salário, tirando cinicamente o "presentísmo" quando essas redes não estão funcionando. As concessionárias de automóveis estão propondo cortar 60% dos salários. Em Siderca Campana (também do bilionário Rocca), são propostas reduções salariais com o endosso da UOM. Através das "suspensões", os empregadores encontraram o caminho legal para abaixar os salários.

A burocracia sindical segue como uma sombra os grandes empregadores que buscam elevar a quarentena "a qualquer custo". Os burocratas estão assinando cortes salariais sem dizer uma palavra e estão deixando a onda de demissões passar.

A "oposição" de Cambiemos demagoga as medidas que o governo deveria tomar e até teve o cinismo de criticá-lo pelo desastre das filas de aposentados nos bancos e pela "patrulha cibernética" que o Ministro da Segurança reconheceu. Mas eles não têm autoridade responsável por cortar o orçamento da saúde em 25% em seus quatro anos de mandato, por ter endividado o país de forma recorde e ter se rendido ao FMI, por ter usado a "cyber patrulha" e repressão toda vez que eles precisavam defender os interesses dos grandes empregadores. Empregadores conhecidos como o apresentador de rádio Mario Pergolini já estão exigindo "profunda reforma trabalhista".

Com a pandemia em segundo plano, os empregadores procuram obter uma fatia e partir com uma classe trabalhadora dizimada em suas condições de trabalho e salário.

Não podemos permitir isso. Aqui é uma questão de autodefesa e preservação como classe trabalhadora, contra o declínio, a ruína e o risco de nossa saúde que os capitalistas nos prometem.

As medidas que propomos aqui devem ser bandeiras de todo o movimento operário. Somente os resultados da luta determinarão se desta vez a crise será paga pelos capitalistas e não pelos trabalhadores.

- Pagamento de 100% dos salários. Nenhuma mudança nas condições de trabalho. Sem demissões ou suspensões com cortes salariais

- Salário de quarentena de 30.000 pesos para todos aqueles que precisam cumprir o isolamento obrigatório e não possuem licença de trabalho paga, estendida aos aposentados que recebem menos do que esse valor.

- A proibição de demissões deve ser garantida pelos sindicatos. A DNU de "proibição de demissões" do governo deixa de fora todos os trabalhadores não registrados. Também permite que as empresas suspendam com cortes salariais. Mesmo com este decreto, muitos empregadores demitiram. A única maneira de garantir essa proibição é organizando e lutando pelo local de trabalho, exigindo que os sindicatos parem de olhar para o outro lado e assumam a liderança nessa luta por nossa sobrevivência como classe, no caminho para derrotar a burocracia sindical e recuperar as organizações sindicais para os trabalhadores.

- Ocupação e nacionalização de qualquer empresa que feche ou demita em massa. A classe trabalhadora argentina já deu a linha sobre como se defender contra demissões e fechamentos em massa. Na grande crise de 2001/2002, centenas de empresas foram recuperadas e colocadas para produzir ou prestar serviços por seus trabalhadores. Após 20 anos, e ainda muitas dificuldades, temos a cerâmica Zanon de Neuquén como um dos principais exemplos dessa experiência. Há alguns anos, os trabalhadores da empresa gráfica Donnelley de Escobar (hoje Madygraf) também assumiram a empresa e começaram a produzir nela. Esse método de defesa de empregos deve ser implementado exigindo a nacionalização das empresas que fecharem.

- Comitês de higiene e saneamento em cada local de trabalho com membros eleitos democraticamente entre trabalhadoras e trabalhadores. Esses comitês devem ter plenos poderes para controlar e exigir tudo o que tem a ver com a saúde dos funcionários, desde máscaras, luvas descartáveis, termômetros eletrônicos na entrada dos estabelecimentos, etc. Eles também devem poder determinar a qualquer momento se as condições de saúde estão em implementadas para a empresa funcionar e, caso contrário, determinar em assembleia a cessação imediata das atividades sem que os empregadores possam retaliar de alguma forma. Os membros desses comitês devem ter os mesmos privilégios legais que qualquer delegado.

- Distribuição das horas de trabalho entre todos os trabalhadores de uma empresa que tenha diminuído a produção, sem redução salarial, liberando todas as pessoas pertencentes a grupos de risco que serão licenciados com 100% do salário.

- Comitês populares em cada bairro que controlem os preços. Controle dos trabalhadores de cada item sobre o custo real de cada produto de necessidade básica. Abertura dos livros contábeis de todas as empresas a serem verificados pelos trabalhadores com a assessoria de profissionais contábeis leais à sua causa.

- Assembleias em cada local de trabalho. Nada deve impedir os trabalhadores de debater livremente e tomar as decisões necessárias em defesa de nossas vidas e de nossas famílias. Em numerosas dependências que seguem com o trabalho, aplicativos de "videoconferência" estão sendo usados ​​para que todos possam participar das assembleias sem riscos. Esse método também pode servir para deliberar com colegas dos setores licenciados ou suspensos.

Nossas vidas valem mais do que seus lucros

Dentro de algumas horas, já haverá 100.000 mortes declaradas pelo Covid-19 em todo o mundo. Segundo vários analistas, o número real pode ser ainda maior devido ao ocultamento feito pelos diferentes governos.

Justamente por causa da improvisação dos Estados, não há dados confiáveis ​​sobre como o curso desse novo vírus continuará.

Como denunciamos no La Izquierda Diario, o "paciente zero" do Covid-19 foram os ajustes e as "medidas de austeridade" que os vários governos fizeram sobre a saúde pública nas últimas décadas, favorecendo sua crescente privatização. Sabendo que todas as condições estavam em vigor para uma nova pandemia, a indústria farmacêutica no mundo decidiu investir principalmente em produtos com bom desempenho, como medicamentos para câncer e outras doenças, deixando de lado qualquer pesquisa séria que pudesse ter impedido ou, pelo menos, moderando o desenvolvimento de novos vírus como o Covid-19 na humanidade.

O vírus é um produto da natureza, mas sua propagação e os efeitos que produz em milhões de pessoas respondem à construção social das mãos do capitalismo.

"Cooperação" entre estados é um sonho. Os países imperialistas estão lutando como piratas para ver quem recebe os respiradores e os testes necessários para todos. Somente trabalhadores de diferentes países poderiam ter uma política de solidariedade de cooperação internacional para usar todos os recursos necessários contra a pandemia global, superando as fronteiras e os obstáculos impostos pela produção do ponto de vista do lucro privado.

A intervenção determinada da classe trabalhadora não deve apenas ter a defesa de suas conquistas como norte, mas deve implantar um programa que permita que todos os recursos humanos e materiais disponíveis se ponham a serviço da prevenção de mortes evitáveis.

- Testes massivos. O PTS na Frente Esquerda fez essa declaração assim que os primeiros casos na Argentina foram conhecidos. Nicolás del Caño enviou um pedido de informações ao Ministério da Saúde há quase um mês (13 de março) sobre quantos kits de teste o Estado tinha e quantos acreditavam ser necessários à medida que a epidemia progredisse. Eles nunca responderam. O principal objetivo dos testes em massa é encontrar pessoas infectadas para isolá-las, bem como todas as pessoas que tiveram contato com elas nas semanas anteriores. Isso pode permitir que o isolamento seja obrigatório apenas para grupos de pessoas, pessoas com mais de 65 anos e pessoas com doenças pré-existentes. Mas também ter um mapa das áreas em que as infecções são mais desenvolvidas e, assim, poder planejar racionalmente o uso de recursos.

Nos últimos dias, já vimos dezenas de especialistas que corroboram a necessidade desses testes, juntamente com termômetros eletrônicos na saída do metrô, nas estações de trem e em todos os locais de trabalho ou estudo que também permitiriam isolar pessoas. que têm uma temperatura alta.

Hoje a Argentina é um dos países que menos realiza testes para cada milhão de habitantes.

- Declaração de utilidade pública de todos os laboratórios particulares de medicina e farmacêutica. Ginés González García sugeriu em uma reunião com líderes parlamentares que haveria um decreto para unificar a saúde privada com a saúde pública. Caso alguém tivesse alguma dúvida, ele esclareceu que isso não afetaria a propriedade privada. No entanto, em menos de 24 horas, ele teve que recuar na frente das câmeras da patronal. A unificação do conjunto de serviços à saúde é essencial para fazer um planejamento racional e para quem precisar de um leito hospitalar ou de assistência intensiva pode obtê-lo.

As prestações devem ser pagas pelo preço de custo e não podem ser um "aluguel" de empresas privadas para o Estado, para que seus proprietários continuem lucrando no meio da crise. Os profissionais de saúde devem monitorar a disponibilidade real em cada clínica ou sanatório para uso, se necessário. As empresas que recusam devem ser expropriadas e gerenciadas por seus médicos, enfermeiros e trabalhadores em cada estabelecimento.

- Máscaras gratuitas e álcool gel para toda a população. No início da crise, as autoridades de saúde e a própria OMS declararam que as máscaras não eram necessárias para a população. Hoje, a maioria dos estados recomenda ou faz uso obrigatório, tendo demonstrado que serve como freio para que o vírus não se espalhe de uma pessoa para outra. Ainda assim, nas poucas farmácias onde são vendidas, seus preços quadruplicaram (dez máscaras cobram 600 pesos). O Estado deve garanti-las a todos os habitantes. O Estado deve garantir que as empresas têxteis sejam reconvertidas para sua produção, assim como os trabalhadores da cooperativa Traful Newen, que em Neuquén começaram a fazer máscaras e até contrataram mais pessoal enquanto as empresas sob o comando de patrões estavam demitindo.

O mesmo vale para o álcool gel. Todas as empresas que produzem devem ser declaradas de utilidade pública, bem como as usinas de açúcar, como a Ledesma, que produzem a matéria-prima para a produção de álcool, sob o controle de ferro de seus trabalhadores, que evitarão todo tipo de especulação nos preços de estocagem. A Madygraf, sob o controle de seus trabalhadores, também converteu parte de sua fábrica e está produzindo desinfetantes para a população, enquanto os trabalhadores da fábrica de papel Ansabo exigem a nacionalização dessa empresa e ajuda imediata para produzir álcool gel.

- Moradia para pessoas vulneráveis ​​que precisam. Na Argentina, mais de dois milhões de pessoas vivem em casas lotadas. Qualquer tipo de isolamento coloca as pessoas em risco vulneráveis ​​ao Covid-19 ainda mais, principalmente os idosos. Somente na Grande Buenos Aires existem 140.000 casas ociosas. Elas precisam estar disponíveis para que as pessoas vulneráveis, que certamente terão que ficar isoladas por meses, tenham um lugar para morar com segurança, atendidas em suas necessidades por voluntários liderados por sindicatos e organizações sociais.

Informação pública e verdadeira. Controle operário e popular

O governo nacional e os governadores são responsáveis ​​apenas pelo número de pessoas infectadas testadas e pelas mortes diárias. Ninguém sabe qual é o plano de curto ou médio prazo, sabendo que teremos que conviver com esse novo coronavírus por vários meses. Quantos testes existem e quantos são necessários. Camas e unidades de terapia intensiva. Respiradores. Se o pessoal treinado chegará ou não. Quais são os prognósticos em relação ao desenvolvimento da pandemia.

É governado por decreto, de fato fechando o Congresso para impedir um debate nacional sobre qual deveria ser a orientação a ser tomada diante da crise. Esse fortalecimento de poder público do Executivo é uma questão importante para a classe trabalhadora, pois, no contexto de uma descarrego da crise nas maiorias populares, este ou qualquer governo sucessivo poderia ter mais poder de repressão sem qualquer tipo de questionamento ou controle.

Devemos exigir informações verdadeiras e públicas sobre tudo. Os profissionais de saúde e todos os ramos essenciais (laboratórios farmacêuticos, alimentos, transporte, etc.) devem controlar a produção e os serviços que prestam para colocar todas as informações na frente da sociedade. Como Nicolás del Caño e Romina del Plá têm exigido, exigimos a reabertura imediata do Congresso Nacional para discutir todos os nossos projetos de lei.

Recursos existem

- Nem mais um dólar para pagar a dívida. Há duas semanas, o governo nacional fez um novo pagamento de dívida no valor de 248 milhões de dólares (16 bilhões de pesos). O próprio Ministério da Saúde declara que seriam necessários mais 2.600 respiradores para um suposto pico da epidemia, enquanto outros afirmam que faltariam mais de 9.000. Apenas com esse pagamento da dívida, 20.000 respiradores poderiam ter sido comprados (à taxa de 800.000 pesos cada).

Até agora este ano, o governo Alberto Fernández pagou mais de 5.000 milhões de dólares em dívidas. Um crime social.

- Impostos extraordinários sobre banqueiros e grandes grupos econômicos. O governo deu a entender que estaria preparando projetos de lei para tributar grandes fortunas. Nossa abordagem é concreta. Todos os recursos para aliviar a crise. Para todas as necessidades (compra de respiradores, materiais de segurança para profissionais de saúde, exames etc.), os impostos devem ser feitos sobre grandes fortunas à taxa necessária para servir ás necessidades. Qualquer quantia administrada pelo governo sem nenhum controle poderia ser usada para continuar subsidiando os grandes empregadores ou pagar a dívida externa fraudulenta.

- Banco nacional único. A nacionalização de todos os depósitos, eliminando bilhões de lucros dos banqueiros, poderia garantir crédito barato a todos os pequenos comerciantes falidos e colocar a economia nacional a serviço das obras de infraestrutura necessárias, como hospitais e residências. Essa medida também impediria a fuga de capitais com o rígido controle dos trabalhadores dos bancos.

O PTS na Frente de Esquerda impulsiona a organização e a luta por essas medidas, em resposta à crise, em um momento em que as e os trabalhadores ainda confiam que o governo de Alberto Fernández e o peronismo serão capazes de resolver a crise. Daremos toda luta parcial sem nenhum sectarismo, mas sabendo que, se a experiência da luta for generalizada, ela colidirá com o governo que pretende administrar o Estado sem questionar o poder dos grandes capitalistas, e abrirá o caminho para aqueles que acreditamos que só alcançaremos a vitória se conquistarmos um governo das e dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Alberto Fernández   /    PTS   /    Argentina   /    PTS na FIT   /    Internacional

Comentários

Comentar