BRASÍLIA

Médicos e enfermeiros residentes continuam sem receber seus salários e voltam a se manifestar em Brasília

Nesta quinta, dia 21, médicos e enfermeiros residentes voltaram a se manifestar em frente ao Ministério da Saúde, em Brasília, reivindicando o pagamento das bolsas de residência que estão atrasadas há 50 dias. Parte dos profissionais de saúde que atuavam no atendimento de pacientes com coronavírus estão em greve desde o dia 11 de maio, devido à falta de pagamento de bolsas de residência.

sexta-feira 22 de maio| Edição do dia

Os profissionais de saúde estão na linha de frente no combate ao coronavírus e toda essa crise sanitária, que se soma à crise econômica e política que já estava em curso no país, escancara as condições precárias em que esses profissionais são obrigados a trabalhar. Já são mais de 199 mil trabalhadores da saúde com suspeita de Covid-19, além do risco de se contaminar, adoecer e morrer enquanto trabalham, esses profissionais têm que enfrentar a falta de EPI’s e estrutura hospitalar coerente para tratar os pacientes com a Covid-19 e, agora, a insegurança de não receber seus salários.

Larissa Alencar, médica residente que participou da manifestação, disse: “A gente se sente completamente inseguro no meio da pandemia, a gente tem um governo completamente instável que não segue as recomendações da OMS.”
Os residentes do Distrito Federal já haviam se manifestado no dia 12 de Maio, logo no primeiro dia de greve, mas até hoje seguem sem receber seus salários referentes ao meses de março e abril. Essa realidade se arrasta nacionalmente, são quase 60 programas de residência atingidos pela falta de pagamento, totalizando mais de 4 mil residentes no Brasil que estão sem receber.

A desvalorização dos profissionais de saúde, ainda que em meio a uma pandemia, pode ser visto em todo o país com a falta de estrutura hospitalar adequada, superlotação de leitos de UTI, falta de respiradores e insumos para garantir o tratamento dos pacientes, falta de EPI’s e, como se não bastasse, ainda têm que combater ataques de bolsonaristas que fazem coro com o discurso negacionista absurdo que vem de Jair Bolsonaro. Ainda assim, a categoria se levanta em todo o país, lutando pelos seus direitos para combater o coronavírus sem medos e incertezas.

O Esquerda Diário apoia essa luta e se soma às exigências de que os salários sejam pagos, e também às exigências de toda a categoria por EPIs, salários e condições adequadas de trabalho para todos esses trabalhadores e testes para todos os que estão na linha de frente e massivos para a população




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Coronavírus   /    DF - Brasília   /    Jair Bolsonaro   /    Universidade de Brasília   /    Brasília

Comentários

Comentar