Internacional

GREVE GERAL CHILE

Massivas assembleias na U. do Chile: erguer coordenações locais em direção à greve geral

As mobilizações dessas semanas nos deixaram ótimos cartões postais. É que o povo trabalhador continua a encher as ruas e, junto com ele, começa a construir uma coordenações locais para continuar a luta para que caia esse governo.

quarta-feira 23 de outubro| Edição do dia

Nesta segunda-feira, foi realizada uma assembleia no campus Juan Gómez Millas, da Universidade do Chile, aberto ao público do setor, onde centenas de estudantes da U do Chile, ex-professores, trabalhadores do setor e acadêmicos da Universidade participaram para coordenar-se em meio à enorme rebelião popular que se desatou nos últimos dias.

E a Faculdade de Filosofia e Humanidades não era a única. Em Beauchef, cerca de 500 pessoas assistiram, outras 300 na Faculdade de Direito e o mesmo foi repetido no Campus Eloísa Díaz da mesma Universidade. No campus de Juan Gómez Millas, embora as assembleias por curso tenham sido inicialmente levantadas, todas finalmente se juntaram na mesma instância. Discutindo a necessidade de se mobilizar conjuntamente, mas também, de estabelecer uma coordenação permanente entre os setores.

Esse espírito também veio com a necessidade de abrir a Universidade para todos aqueles que hoje estão se mobilizando e protestando contra o descontentamento e a raiva acumulados por mais de 30 anos, contra um regime que, mantido desde a ditadura, nunca trouxe alegria nem respondeu às necessidades do povo trabalhador. A privatização dos serviços básicos, os grandes privilégios dos parlamentares, a superexploração dos recursos naturais, baixos salários e pensões foram postos em xeque. É que o Chile acordou e não quer mais ser governado pelos ricos habituais.

Isso também faz parte de uma tendência para a coordenação entre setores se vêm se replicando em diferentes locais, como o Comitê de Emergência e Resguardo em Antofagasta, a Assembleia Regional em Valparaíso ou o Cordão Territorial Santiago Centro .

E o dia de hoje não foi exceção. Na Universidade do Chile, uma assembleia dos três setores foi realizada com mais de 700 pessoas e a casa da FECh foi organizada como um centro de reuniões e coordenação, onde trabalhadores da saúde, médicos e voluntários montaram um hospital de emergência para atender as centenas de feridos na Plaza Italia.

Exemplos como esses, hoje dão mais força à convocação da greve geral de amanhã e mostram uma maneira de coordenar e organizar o descontentamento para poder combater os militares e junto com eles o governo, além de ser a base para levantar uma grande Assembleia Constituinte, Livre e Soberana, onde se discuta como acabar com toda a herança da ditadura.

Mas não podemos parar aqui. Piñera, assim como nós, vê a força que temos. Por isso, na Agenda Social que ele propõe, ele está disposto a integrar concessões - que são mínimas para o que podemos alcançar -, procura nos tirar das ruas novamente. A bancada da oposição, por outro lado, com o Partido Comunista e a Frente Ampla à frente convoca a Greve Geral, mas para chegar em melhores condições para sentar e negociar melhor com o Governo. Ou seja, confiam mais no que eles podem nos dar, do que no que temos demonstrado que podemos arrancar com nossa própria força e mobilização.

Hoje, a força que podemos empregar na Greve Geral se dá para muito mais. Se conseguirmos que Piñera renuncie, não podemos esperar apenas que venha outro melhor, mas, sobre essas bases, impulsionar uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, que, com base nessa grande mobilização, se disponha a dar soluções para a grande maioria deste país e enterrar a herança da ditadura, para que não sejam os mesmos de sempre aqueles que cortam o bolo.

Portanto, o chamado de amanhã é para estudantes secundaristas, técnicos, universitários, trabalhadores (as) de indústrias, serviços, residentes, camponeses e todo o povo trabalhador a encher as ruas e não abaixar os braços até que tenhamos conquistado tudo o que exigimos há anos.

O convite é amanhã às 9:30 da manhã nos arredores do GAM para mostrar nossa força e dar de volta o bolo a quem só tem recebido migalhas.




Tópicos relacionados

Greve Geral   /    Greve Geral   /    Internacionalismo   /    Greve   /    Chile   /    Internacional

Comentários

Comentar