Marina Silva, demagogia que não pode representar as mulheres

Marina ignora mortes por aborto clandestino, e afirma: "se o congresso aprovasse, eu vetaria". Já a Reforma da Previdência, promete aprovar com prioridade.

Maíra Machado

Professora da rede estadual em Santo André e militante do MRT

quinta-feira 20 de setembro| Edição do dia

Após declarar para "O Globo" quenão se arrepende de ter apoiado o golpeinstitucional, que impôs ataques que pesam o dobro nas costas das mulheres trabalhadoras que são responsáveis também pela casa e pela família. E prometer dar prioridade para uma Reforma da Previdência nos moldes da que foi feita no Chile, que levou a altíssimas taxas de suicídios na terceira idade. Marina faz essa afirmação criminosa na sabatina da Veja contra o direito ao aborto, ignorando que a clandestinidade, e sua consequente insegurança, é a 4° causa de morte materna no país. A legalização, a educação sexual para decidir e contraceptivos de qualidade para não abortar, são revindicações históricas do movimento de mulheres. Pra se fazer de democrática, diz que só um plebiscito (que nunca vão convocar) poderia decidir sobre o aborto. Já a Reforma da Previdência poderia ser aprovada sem debate e sem consulta. Supondo um consenso nacional, que só existe entre os empresários.

Marina vem direcionando seu discurso às mulheres, maioria do eleitorado, tentando ganhar as 54% que ainda estão indecisas, e que protagonizaram um forte movimento nas redes contra Bolsonaro que promete tomar as ruas dia 29. Essas declarações mostram como é tudo demagogia, apesar de ser mulher ela está ao lado do empresariado e não das trabalhadoras. Marina não nos representa.

Nenhuma mulher no poder vai defender nossos direitos e conquistar muitos outros que até hoje ainda não nos foi dado. Nada nos será dado. Precisamos nos organizar em cada local de trabalho e estudo, sem confiança nos empresários, pra no ano que vem sermos milhares de mulheres e trabalhadores em luta e pelas ruas contra os ataques que virão, e impor o que é nosso direito. Podemos ser uma força imparável, linha de frente pra reverter essa situação. Venha ser uma voz anticapitalista nessas eleições manipulados, pra que os capitalistas paguem pela crise!

#DepEstadual50222
#DepFederalDiana5052




Tópicos relacionados

Legalização do Aborto   /    Mulheres   /    Eleições 2018   /    Reforma da Previdência   /    Marina Silva   /    Direito ao aborto

Comentários

Comentar