Política

PORTO ALEGRE

Marchezan quer que municipários, estudantes e professores paguem pela crise

O prefeito de Porto Alegre Marchezan Jr (PSDB) apresentou nesta terça (24) um pacote de medidas para descarregar a crise nos municipários, na juventude e nos professores! O pacote é dividido em duas partes e prevê o fim da reposição salarial dos municipários pela inflação, fim do meia passagem para professores e ataque às isenções de estudantes.

quarta-feira 26 de abril de 2017| Edição do dia

Desde o início da sua gestão Marchezan vem atacando sistematicamente os trabalhadores do serviço público municipal. Agora o prefeito quer acabar com um projeto de lei aprovado em 2006 que previa reposição inflacionária ao salário da categoria em todo o mês de maio, independente do dissídio.

Enquanto mantém bilionárias isenções aos empresários e sucateia os serviços públicos, Marchezan quer fazer com que os trabalhadores e a juventude paguem ainda mais pela crise. Outra proposta absurda do governo municipal é de extinguir a meia passagem para professores e atacar as isenções para estudantes, limitando este direito somente aos que tiverem renda familiar de até três salários mínimos. Essa proposta, será enviada à Câmara em maio, para garantir o ataque aos municipários antes de uma nova reposição em seus salários.

Outra proposta do governo que será enviada à Câmara em maio é de revisão de valores do Imposto Predial e Territorial Urbano, incluindo a possibilidade de tomada do imóvel pela prefeitura em caso de não pagamento das dívidas.

O pacote de ataques de Marchezan está em consonância com os ataques que Sartori (PMDB) vem aplicando contra os trabalhadores do serviço público estadual e que Temer quer aprovar contra toda a classe trabalhadora brasileira. Por isso Porto Alegre e todo o estado do Rio Grande do Sul tem que parar neste dia 28 de abril, contra todas as reformas de Temer mas também contra o governo de Sartori e os ataques de Marchezan.




Tópicos relacionados

Marchezan   /    Porto Alegre   /    Crise gaúcha   /    Política

Comentários

Comentar