Internacional

REFERENDO 01 DE OUTUBRO ESPANHA

Marchas em toda a Cataluña e solidariedade no restante do Estado Espanhol

As mobilizações espontâneas começaram nesta quarta frente a detenção de 12 funcionários de altos cargos do governo catalão por parte do governo central do Estado. Marchas em Madrid e outras cidades.

quinta-feira 21 de setembro| Edição do dia

A detenção de 12 funcionários de alto cargo do governo catalão desatarão nesta quarta uma onda de manifestações para protestar contra a repressão do governo central do Estado Espanhol que considera ilegal o referendo independentista convocado pelas autoridades catalãs para 01 de outubro. Até agora o governo central do estado espanhol havia utilizado a força para apreender material eleitoral e propaganda a favor do referendo, porém nesta quarta a agressão a Cataluña deu um salto com a detenção dos funcionários por parte da Guarda Civil.

Desde Barcelona, Santiago Lupe da Corrente Revolucionária de Trabalhadores e Trabalhadoras analisa a situação no Estado Espanhol diante o referendo Catalão, que deu um salto nesta quarta.

As mobilizações espontâneas que se registraram na manhã desta quarta em Barcelona se estenderam ao longo do dia a várias cidades de Cataluña.

Concentrações em todo Estado

Também encontraram solidariedade no resto do Estado Espanhol, como é o caso de Madrid e outras cidades onde na tarde se realizaram atos de repúdio a repressão do governo de Rajoy e em apoio ao povo catalão.

Os madrilenhos já haviam se reunido no domingo passado no Teatro del Barrio ára conhecer e apoiar as reivindicações catalãs.

A concentração desta quarta aconteceu em Puerta del Sol

Em Zaragoza, o grupo municipal do Partido Popular (PP) no Ajuntamento quer proibir judicialmente um debate organizado para o próximo sábado 23 pelas marchas Arágon em um recinto municipal. A mesma titulada "Pelo direito a decidir"e em que particpa como a relatora Marta Clar, de Esquerda Diário Barcelona e militante da Corrente Revolucionária dos Trabalhadores e Trabalhadoras, pretende ser uma forma de debate para defender o referendo em 1 de outubro. No entanto, o PP, após a escalada da repressão que está deixando na Cataluña, vários detidos e feridos, não quer espaço para a liberdade de expressão.

Em repúdio desta proibição e censura, realizou-se a noite uma concentração em Zaragoza, Huesca e Jaca (Huesca) com o chamado "Contra a repressão e pelos direitos civis".

Sob o slogan de "Fascismo Nunca Mais", a Plataforma da Galiza com a Cataluña chamou várias concentrações na mesma quarta-feira em várias localidades galegas. Nas cidades de Vigo, Ferrol, Lugo, A Coruña, Pontevedra, Santiago de Compostela e Ourense em diversos horários vieram apoiar a Cataluña contra os ataques do PP. Há também uma chamada nacional no dia 30 de setembro com o slogan "Democracia e decisão".

Sindicatos e partidos políticos do País Valencià realizaram concentrações de apoio a Cataluña na delegação do Governo de várias cidades: Valência, Castellón, Alicante, Elche, Alcoy e Pedreguer sob o lema ’Ara, democràcia’. Eles acreditam em responder energicamente e pacificamente. Nas Ilhas Baleares também havia várias concentrações de apoio. Andorra não é exceção.

Também houveram concentrações em Andalucía, Bilbao, Alicante, Castellón, Jaca, Santander, Valencia, Gijón, Palma e uma dezena de cidades.

Toda a geografia espanhola em solidariedade com a cataluña repudiando as agressões de Rajoy, defendendo o direito a decidir e repudiando o regime do ’78 (sobre o que se assentou o reacionário centralismo espanhol, a saída da ditadura franquista). Estes exemplos de apoio e solidariedade mostram que o governo, o PSOE e Ciudadanos não possuem o apoio populares e que o regime de ’78 gera uma atmosfera irrespirável, não somente para os catalães, mas sim para os trabalhadores e os povos de todo o Estado.

Toda a informação noEsquerda Diário do Estado Espanhol e nas redes sociais Facebook e Twitter.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar