Internacional

Black Lives Matter

Marcha anti-racista em Washington a 57 anos do histórico discurso de Luther King

A importante marcha teve lugar poucos dias depois do brutal ataque contra o afro-americano Jacob Blake e o início da campanha eleitoral na qual o candidato democrata, Joe Biden, busca desviar o movimento antirracista por um voto contra Trump.

sexta-feira 28 de agosto| Edição do dia

Depois de uma semana de protestos contra o ataque brutal da polícia racista a um afro-americano em Wisconsin que levou sete tiros nas costas, uma megamarcha anti-racista é realizada nesta sexta-feira para comemorar o aniversário da marcha para Washington organizada por Martin Luther King Jr. em 1963.

Milhares de manifestantes participaram da ação chamada "Tire o Joelho dos nossos Pescoços" no Lincoln Memorial em Washington DC para pedir uma reforma da justiça criminal e igualdade racial, enquanto homenageava o 57º aniversário do discurso do reverendo Martin Luther King Jr. "Eu tenho um sonho" no mesmo local.

A comemoração ocorre dias depois de um novo ato de brutalidade policial racista por um policial branco contra um afro-americano. Este é Jacob Blake, 29, que foi baleado e gravemente ferido por um oficial que atirou nele sete vezes nas costas no domingo, na cidade de Kenosha, paralisando-o da cintura para baixo, o que gerou vários dias de protestos.

Na terceira noite do protesto, terça-feira, um civil branco de 17 anos, admirador da polícia e fã de Donald Trump, abriu fogo contra os manifestantes com um rifle no meio da rua, matando dois e ferindo outro em conluio total com a Polícia, que o cumprimentou e depois o deixou escapar apesar dos manifestantes afirmarem que ele era o responsável pelo tiroteio.

O agressor, que foi preso apenas um dia depois, veio a Kenosha em resposta a chamadas nas redes sociais por "milícias" de jovens brancos que buscavam proteger a propriedade privada contra os manifestantes.

Marcha sobre Washington

A marcha sobre Washington ocorre tanto no marco desse recente ataque, que provocou indignação e passeatas por todo o país, quanto em relação ao início da campanha eleitoral. O candidato democrata, Joe Biden, busca baixar o nível de tensão e se apresentar como o mal menor contra Trump, enquanto o atual presidente mantém seu discurso de "lei e ordem" contra os protestos, buscando polarizar a situação social para fortalecer uma base eleitoral conservadora, de direita, supremacista e religiosa, e também setores nos quais seu discurso contra o "caos" pode penetrar em um momento de grave crise econômica.

A convocatória para esta marcha está inscrito na estratégia democrata de baixar a tensão e partir para uma corrida eleitoral sem muitas surpresas, onde todo o objetivo está centrado na remoção de Trump da Casa Branca. Muitas das figuras históricas e reconhecidas do movimento negro nos Estados Unidos, que mantêm vínculos diretos com o Partido Democrata, se prestam a esse objetivo.
Martin Luther King III, um dos filhos do histórico pastor batista que, junto com outros ativistas, liderou o movimento pelos direitos civis dos afro-americanos na década de 1960, disse: "Temos que criar uma consciência diferente e um clima diferente em nosso nação".

"O que queremos alcançar não vai acontecer, no entanto, a menos que estejamos mobilizados e organizados", disse King na quinta-feira, antes da marcha.
King e o Reverendo Al Sharpton, sendo a National Action Network que está por trás do evento, disseram que o objetivo da marcha é mostrar a urgência de o governo federal reformar as regras que regem as práticas policiais, condenar a violência racial e exigir proteção para os direito de voto antes das eleições de novembro. Ou seja, muito longe das demandas que surgiram na rua desde o surto após o brutal assassinato de George Floyd e agora o atentado contra Blake, no qual os manifestantes pediam de tudo, desde a desapropriação à abolição da Polícia e, acima de tudo, questionavam as fundações racistas estruturais do capitalismo americano.

Sharpton convocou parentes do número crescente de vítimas de violência racista: George Floyd, Breonna Taylor, Rayshard Brooks, Ahmaud Arbery, Trayvon Martin, Eric Garner, Blake, entre outros, informou a CNN.

Após a marcha em memória, que incluiu um discurso do advogado Ben Crump, que representa as famílias de várias vítimas, os participantes foram ao Memorial Nacional Martin Luther King, localizado em um parque de Washington.

Os organizadores esperavam que o comparecimento em Washington fosse menor do que o desejado devido às restrições adotadas pelas autoridades municipais que limitam as visitas de não residentes à capital para evitar infecções por coronavírus.
Por isso, marchas satélites também foram organizadas em cidades de outros estados, como Carolina do Sul, Flórida ou Nevada.




Tópicos relacionados

#BlackLivesMatter   /    Internacional

Comentários

Comentar