Política

JUDICIÁRIO

Marcelo Bretas reclama no Twitter e confunde direito com acúmulo de privilégios milionários

Marcelo Bretas moveu uma ação para acumular quase 9 mil reais em auxílio-moradia, mas o juiz que foi sorteado para avaliar seu pedido de Bretas alegou suspeição pois também tentava acumular auxílio. Bretas foi reclamar no Twitter.

Pammella Teixeira

Belo Horizonte

terça-feira 30 de janeiro| Edição do dia

Juiz Marcelo Bretas. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão

Essa semana, Marcelo Bretas, juiz da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro e o responsável pela Operação Lava Jato e seus desdobramentos no estado, foi questionado pela procuradoria da Advocacia-Geral da União sobre o recebimento e acúmulo de benefícios. Ele e a esposa, Simone Bretas, recebem juntos quase 9 mil reais de auxílio moradia, o que é proibido já que os dois juízes moram na mesma residência.

Marcelo Bretas, moveu uma ação junto a quatro outros magistrados que também queriam acumular os benefícios, mas o primeiro juiz sorteado que recebeu a ação para avaliação declarou-se impedido. Motivo: era autor de ação idêntica.

Esse absurdo escancara mais uma vez o escândalo dos privilégios de juízes eleitos por ninguém que ganham salários milionários e diversos (e acumulados) benefícios para exercer sua arbitrariedade como bem quiserem. E para piorar, não podem nem julgar ações entre si por serem, como dizem, farinha do mesmo saco.

Bretas usou seu perfil no Twitter para responder às críticas ao recebimento mensal de auxílio-moradia por ele e a esposa. Confira as imagens abaixo:

Buscando justificar o seu pedido inconstitucional, o juiz da Lava Jato também publicou em seu perfil do Twitter a nota da Associação dos Juízes Federais do Rio de Janeiro e Espírito Santo (Ajuferjes). Nessa nota o presidente da entidade, o juiz federal Fabrício Fernandes de Castro, defende o pagamento do auxílio-moradia para juízes.

Segundo o portal da transparência do CNJ, em dezembro de 2017 Marcelo Bretas teve rendimentos brutos no valor de R$ 43.054,35, enquanto sua esposa Simone levou o valor bruto de R$ 45.442,55. Apenas o valor conjunto do auxílio-moradia que os dois recebem é quase 10 vezes mais do que o salário mínimo, valor estipulado pelo governo para que um trabalhador garanta não apenas sua moradia, mas o sustento de toda a família.

A estudante da UERJ Isabela Santos também denunciou que cada auxílio-moradia recebido por um juiz federal equivale a 10 bolsas de auxílio que os estudantes recebem, na maioria das vezes com atraso. Sua denúncia, que viralizou no twitter, pode ser vista aqui.




Tópicos relacionados

Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar