Mundo Operário

GREVE DOS CORREIOS

Marcello Pablito: “Todo apoio à greve dos Correios contra as privatizações e ataques de Bolsonaro”

Marcello Pablito, trabalhador do bandejão da USP e dirigente do MRT, lança seu apoio à greve dos trabalhadores dos Correios.

quarta-feira 11 de setembro| Edição do dia

No início dessa semana os trabalhadores dos Correios de todo o Brasil iniciaram uma importante greve contra os planos privatistas do governo Bolsonaro. Já são milhares cruzando os braços pelos quatro cantos do país e devemos acompanhar e apoiar essa greve com entusiasmo. Desde a campanha eleitoral, Bolsonaro já sinalizava que pretendia vender os Correios e outras empresas estatais aos grandes capitalistas. Paulo Guedes acelera seus planos de venda, como vimos recentemente em declarações. Apenas a força dos trabalhadores pode barrar a privatização a essa que é uma das mais antigas e importantes empresas estatais do país.

Os trabalhadores dos Correios estão nesse momento amargando duros ataques. Direitos básicos como vale-alimentação, vale-refeição e convênio médico estão ameaçados. A proposta da patronal é adequar o Acordo Coletivo de Trabalho à reforma trabalhista, retirando os benefícios no fim do ano e férias, acabando com o vale-cultura, com a diminuição dos vales, a diminuição absurda do adicional noturno, redução do descanso remunerado… ou seja, um trator de retiradas de direitos que chegam para aprofundar os ataques que os governos anteriores já vinham fazendo à categoria. É contra esses ataques que os trabalhadores estão cruzando os braços.

Pablito afirma que "O caminho é a greve, e nós do MRT damos todo o apoio a essa luta. É necessário que o conjunto dos trabalhadores, da juventude, das organizações e dos movimentos sociais cerquem de solidariedade e apoio ativo a essa luta. É preciso unificar os processos em luta em curso (como a UFSC que entra em greve contra os cortes e o Future-se) para golpear com um só punho o governo Bolsonaro e seus planos de ataques e privatizações. Os ataques à educação se somam aos ataques aos Correios e a outras estatais ameaçadas, como a própria Petrobras. É preciso unificar essas lutas, e as centrais sindicais organizarem um verdadeiro plano de luta que barre o conjunto das reformas, ataques e privatizações de Guedes e Bolsonaro."

Confira os municípios e Estados que tiveram adesão total à greve dos Correios:

Acre
Alagoas
Amazonas
Amapá
Bahia
Bauru
Campinas
Ceará
DF (Brasília)
Espírito Santo
Goiás
Juíz de Fora
Maranhão
Minas Gerais
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Ribeirão Preto
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rio de Janeiro
Rondonia
Roraima
São Paulo
São José do Rio Preto
Santos
Santa Catarina
Santa Maria
Sergipe
URA (Uberaba)
Vale do Paraíba
Tocantins




Tópicos relacionados

Marcello Pablito   /    Privatização   /    Greve dos correios   /    Correios   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar