Educação

ENEM

Mais erros no Sisu: MP detecta irregularidade em oferta de vagas para deficientes

Em meio à enxurrada de erros e mal funcionamento em todo o processo de seleção para as universidades federais, o Ministério Público inicia, agora, investiga irregularidades encontradas na oferta de vagas por cota para pessoas com deficiência

quinta-feira 30 de janeiro| Edição do dia

Em meio a um Enem marcado por erros de correção, erros na seleção de cursos e até erros nas listas de espera, o Ministério Público Federal em Brasília detectou, agora, irregularidades na oferta de vagas em universidades para candidatos portadores de deficiência. Após denúncias de alunos, o Ministério Público conseguiu averiguar em diversas universidades falhas absurdas na disposição de vagas pelo site do Sisu.

Segundo a lei, 50% das vagas disponíveis devem ser reservadas para cotas. Dentre estas, é determinado que haja vagas para pessoas portadoras de deficiência em número proporcional ao percentual da população com deficiência em cada unidade da federação. Porém, após denúncias, o MPF já averiguou falhas na aplicação da lei em várias universidades. Na UFMS, federal do Mato Grosso do Sul, das 2.045 vagas ofertadas pelo Sisu, apenas 2, no curso de medicina, eram destinadas a pessoas com deficiência. Já na Universidade Federal de Alfenas, em Minas Gerais, apenas 49 das 1.077 vagas ofertadas eram destinadas a pessoas com deficiência, sendo que alguns cursos, como Ciências Sociais, sequer tinham vagas destinadas à cota. Na população de Minas Gerais, 8,43% são portadores de deficiência.

O MPF enviou ofício ao ministro da educação, Abraham Weintraub, exigindo que o MEC explique o calculo usado para a divisão de vagas no Sisu. Segundo o procurador que leva a investigação, Felipe Fritz Braga, a falha no cálculo de vagas pode ter se originado no método usado pelo Sisu, que aplicaria o percentual de pessoas com deficiência da UF na cota de 50% das vagas, e não no número total.

Pode te interessar: O que os erros do ENEM revelam sobre o projeto de Bolsonaro para a educação?

Dentre tantos erros, este Enem está se provando um verdadeiro pesadelo para milhões de estudantes. Já enormemente pressionados na esperança de conseguir atravessar o filtro social que é o vestibular, e alcançar o sonho do ensino superior, eles agora se veem à deriva, frente às atitudes de um governo que, para todo seu discurso demagógico na educação, denunciando o bicho papão do “marxismo cultural” como bode expiatório para seus projetos educacionais de extrema direita e privatizantes, agora mostra de maneira mais escancarada o que realmente pretende para a educação: o total descaso com o futuro dos estudantes, e a mais aberta precarização das instituições. É por essa razão que nós, desde o Esquerda Diário, nos somamos a todos que gritam Fora Weintraub! Não porque achamos que sua saída resolverá os problemas criados pelo projeto do governo Bolsonaro, da direita, e dos capitalistas para a educação pública, mas porque sua saída é o mínimo após todo o sofrimento que ele causou com seu descaso! É por isso, também, que lutamos para que as entidades estudantis majoritárias, a UNE e a UBES, levem a frente uma luta séria, construída desde a base, entre universitários e secundaristas, por Fora Wentrauib e por uma investigação independente dos descasos do Enem e Sisu, com total transparência, para que os afetados tenham direito a exclarecimento sobre seu futuro!

Você foi afetado por alguma irregularidade no Sisu? Mande sua denúncia para o Esquerda Diário!




Tópicos relacionados

Sisu   /    Weintraub   /    MEC   /    ENEM   /    Educação

Comentários

Comentar