Gênero e sexualidade

8 DE MARÇO

Mais de dez mil ocuparam as ruas do Rio de Janeiro no 8 de março

sábado 9 de março| Edição do dia

Milhares de mulheres marcharam neste 8 de março na capital carioca. O ato marchou da Igreja da Candelária à Cinelândia, que foi tomada pelas manifestantes. Assim como em todo o país, que teve dezenas de milhares de manifestantes, as cariocas ocuparam as ruas, com um forte grito por justiça por Marielle, contra os ataques do governo Bolsonaro – como a reforma da previdência - e Witzel, e aclamando pelos direitos das mulheres – notavelmente o direito ao aborto livre, seguro, gratuito e garantido pelo SUS – e contra o machismo, manifestando a força das mulheres trabalhadoras e estudantes. Foi uma demonstração de que as mulheres vão seguir na linha de frente das lutas para o ano de 2019.

Uma das presentes na manifestação, Mônica, companheira de Marielle, clamou pela justiça e foi amplamente apoiada. As denúncias das ligações de milícias cariocas com o clã Bolsonaro faz com que a luta das mulheres e por justiça por Marielle se ligue profundamente com a luta contra este governo. Também estiveram presentes outras figuras públicas do PT, PCdoB e PSOL, e alguns representantes das centrais sindicais, que seguem sem romper a paralisia.

Também esteve presente uma série de estudantes de diversas universidades e escolas. Dentre essas delegações, se destacou uma coluna do CASS (Centro Acadêmico de Serviço Social da UERJ), que está chamando uma paralisação neste dia 14 por justiça por Marielle, há um ano do seu assassinato.

O grupo de mulheres internacional Pão e Rosas esteve presente com uma importante coluna levantando pelo feminismo socialista, o anti-imperialismo, o fim do rascismo e da LGBTfobia; pela classe trabalhadora e a liberdade plena das mulheres de todo o mundo. O bloco contou com a participação de estudantes da UERJ, UFRJ, UFF, PUC, professores, secundaristas e trabalhadores de outras categorias.

Carolina Cacau, professora da rede pública e estudantes do Serviço Social da UERJ, representou o MRT e o Pão e Rosas numa intervenção na manifestação:




Tópicos relacionados

8M 2019   /    Pão e Rosas   /    Rio de Janeiro   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar