Política

#UmaVozAnticapitalista

Mais de cem no Rio Pequeno em apoio à candidatura de Diana Assunção

Pela manhã, diversos apoiadores estiveram nas ruas do bairro em uma panfletagem massiva. Com alto falantes montados nos carros pelos próprios trabalhadores, a música da campanha composta pelo artista André Whoong foi ouvida em toda a região.

domingo 11 de setembro| Edição do dia

A panfletagem difundiu as ideias da candidatura de Diana Assunção, militante do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT) que está se candidatando pelo PSOL. Uma das principais, que estampava a camiseta dos apoiadores, é a de que todo político ganhe o mesmo salário de uma professora, para combater os privilégios dos políticos milionários. Algumas outras que eram apresentadas no material que estava sendo distribuído incluem uma lei contra as demissões que vêm deixando centenas de famílias sem sustento durante a crise; a taxação das grandes fortunas e o fim do pagamento da dívida pública para financiar a melhoria dos serviços públicos e o passe livre no transporte para todos; e a necessidade de combater o governo golpista de Temer e seus ataques a nossos direitos de forma independente do PT e com a construção de uma forte greve geral, que devemos exigir das centrais sindicais como CUT e CTB que impulsionem de verdade, deixando de combater o golpe apenas com palavras ao vento.

A campanha mostrou um caráter fortemente militante, com trabalhadores e estudantes dedicando uma manhã de um sábado ensolarado para tentar romper a verdadeira censura que se impõe a todas as candidaturas da esquerda, e das trabalhadoras que como Diana querem trazer ideias anticapitalistas para enfrentar a crise e os ataques dos patrões e de seu governo golpista. A falta de espaço na televisão, ou dos recursos que os candidatos patronais têm a seu dispor graças aos milhões que os capitalistas gastam para ter seus interesses defendidos por esses políticos, só pode ser combatida assim: com uma campanha forte, nas ruas, locais de trabalho e estudo, nas redes sociais, feita por todos aqueles que tomem para si a tarefa de ser mais uma voz anticapitalista construindo uma candidatura para fortalecer as lutas.

Pela tarde, mais de cem pessoas, com um público composto por mulheres, negros, jovens, trabalhadores terceirizados e efetivos da USP que estiveram ao lado de Diana em diversas greves e lutas, participaram de um churrasco organizado na casa de apoiadores que moram na região. Adriano, trabalhador da Faculdade de Odontologia da USP, falou aos presentes sobre a importância da organização política dos trabalhadores e como a candidatura de Diana fortalece essa perspectiva. Ele também ressaltou a importância da recente vitória da luta na Faculdade de Odontologia contra as demissões dos trabalhadores terceirizados. Veja abaixo sua fala:

Em seguida, Diana se dirigiu aos presentes falando um pouco mais sobre o que defende a candidatura e o orgulho de ter ali apoiadores como as trabalhadoras terceirizadas que estiveram a frente de diversas lutas:

Ao som de samba e muita disposição para fazer uma forte campanha, os presentes gritaram "50200", em referência ao número com que Diana concorre, mostrando que ele irá de espalhar como um rastilho de pólvora na região.




Comentários

Comentar