Internacional

CORONAVÍRUS

Mais de 500 maquiladores mortos por coronavírus no México

Apesar das mortes, os trabalhadores são forçados a voltar a trabalhar nas maquilas.

quinta-feira 21 de maio| Edição do dia

Na empresa de maquiladoras da Smith Medical em Tijuana, uma mulher começou a se sentir mal nos primeiros dias de maio. Ele pediu à sua "líder" de linha de produção para ficar em quarentena. Ela voltou ao trabalho, eles não davam dias de folga.

Ela foi infectada com Covid-19. Ela infectou toda a sua família: apenas seu marido Juan "N" sobreviveu, exigindo um pedido de desculpas da empresa Smith Medical. Esta empresa produz respiradores. Com preços cada vez maiores devido a grande busca pelos governos, a empresa se recusou a vender para o governo da Baja California e causou indignação na mídia local. Hoje, 20 de maio, a empresa está produzindo.

Na Baja California, das mais de 500 mortes por coronavírus, mais de 400 eram trabalhadores na indústria de maquiladoras . Na empresa Clover Wireless, houve um surto comunitário: 6 trabalhadores morreram. Os trabalhadores decidiram protestar e a empresa fechou em 24 de abril, mas voltou a trabalhar em 4 de maio.

Em Ciudad Juárez há pelo menos há 104 trabalhadores mortos , segundo sindicalistas independentes . Um desses casos é o de Ramón García, que trabalhou na empresa Wistron. Segundo El País , o trabalhador pediu quarentena porque se sentia mal, "deram-lhe alguns remédios para voltar ao trabalho de linha". Morreu.

Regal e Lear também tiveram surtos comunitários e mortes. No último, 6 morreram no Hospital Regional número 66 do Instituto Mexicano de Seguridade Social (IMSS); Além disso, outros pacientes com sintomas respiratórios e sintomas do tipo coronavírus se recuperam em casa.”

Somados apenas às 400 maquiladoras mortas da Baja California e aos 100 trabalhadores de Juárez, temos um resultado terrível. Pouco mais de 10% dos mortos por coronavírus são trabalhadores maquiladores. E que é possível que haja um número de trabalhadores mortos que não estão registrados.

Nesta segunda-feira, 18 de maio, entrou em vigor o "retorno à normalidade" do Conselho Nacional de Saúde composto pelo presidente Andrés Manuel López Obrador e pelo Ministério da Saúde, na voz do epidemiologista Hugo López Gatell, dando sinal verde para as maquiladoras e empresas automotivas podem produzir legalmente. Esta decisão é uma subordinação direta à política de Donald Trump.

Como denunciamos no Izquierda Diario México, as empresas obrigam seus trabalhadores a retornar à linha de produção. Aproximadamente 20% das maquiladoras de Tijuana, Reynosa, Mexicali, Ciudad Juárez e Matamoros deixaram de trabalhar por alguns dias devido à falta de suprimentos e algumas devido a escândalos de contágio e surtos comunitários. Os trabalhadores conhecem as histórias de morte. Eles vão trabalhar dia após dia, com olhares assustados, correndo.

As empresas não se importam com a vida dos trabalhadores. Eles realmente os fazem trabalhar sem nenhuma segurança: sem água nos banheiros, sabão, gel antibacteriano. Não há uma distância saudável entre as linhas de produção.

As empresas que pararam de trabalhar foram aquelas onde houve paralisações e protestos. Nos centros de trabalho em toda a área de fronteira, uma verdadeira centelha de indignação maquiladora provocou interrupções de trabalho sob o lema "queremos viver".

Mas as empresas voltaram a trabalhar em total sigilo, violando o primeiro acordo do "Dia Nacional da Distância Saudável", que perdeu valor em 18 de maio. Em lugares como Mexicali, houve interrupções no trabalho em mais de 40 empresas, mas eles voltaram à produção em três dias depois de obrigar seus funcionários a continuar trabalhando.

Desde Movimento Socialista dos Trabalhadores (organização irmã do MRT no México), exigimos que o trabalho na indústria maquiladora e automotiva seja interrompido, assim como em toda a indústria não essencial, exigimos que os salários sejam pagos 100% com uma licença de confinamento para maquiladores e automotivos, bem como a proibição de demissões que estão ocorrendo sob o pretexto de coronavírus. Ao mesmo tempo, exigimos a realização de testes macicços antes de qualquer retomada do trabalho, como uma medida elementar para conhecer a dinâmica da Covid-19 na região e tomar as medidas sanitárias correspondentes.

Qualquer empresa que viole as medidas que propusemos antes, deve ser expropriada sob controle dos trabalhadores, sem remuneração, e a possível reconversão industrial para a produção de suprimentos médicos para enfrentar a pandemia de coronavírus deve ser discutida nas assembleias dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    México   /    Internacional

Comentários

Comentar