Internacional

ALEMANHA

Mais de 200 mil pessoas em Berlim contra o racismo e a direita

O centro da capital alemã estava cheio de uma marcha maciça neste sábado, como não se via há anos. "Solidariedade ao invés de discriminação, por uma sociedade livre e aberta".

segunda-feira 15 de outubro| Edição do dia

Cerca de 250 mil pessoas inundaram Berlim, a capital alemã, no sábado, para protestar contra a discriminação, a xenofobia e a extrema direita. A maior mobilização nos últimos anos foi convocada por várias organizações políticas, sindicatos e civis sob o lema "Indivisível: solidariedade em vez de discriminação, por uma sociedade livre e aberta". A massividade expressa uma resposta da população ao crescimento da extrema direita.

A marcha começou na Alexanderplatz e culminou na Coluna da Vitória, passando pelo Portão de Brandemburgo. Os organizadores esperavam 40 mil pessoas, e a surpresa foi grande em ver a multidão que tinha vindo demonstrar num dia outonal mas quente.

Unteilbar meses ( "indivisível"), a coalizão que chamou a marcha, foi formada há como uma parceria entre uma centena de organizações e indivíduos de vários tipos e interesses. Vários sindicatos como ver.di união serviços, organizações de migrantes, tais como Nav-curdo Democrática e Organizações Não Governamentais (ONGs) marcharam ao lado federações religiosos, como o Conselho Central dos Muçulmanos (Zentralrat der Muslime) ou a igreja protestante, discotecas e grupos antifascistas.

Dada a diversidade dos organizadores, e a amplitude da chamada, há escassez da diversidade dos participantes. De famílias com bandeiras da Alemanha e da Europa, até encapuzados no bloco negro. O que foi planejado como uma marcha contra o racismo e a ascensão da Alternativa para a Alemanha no parlamento e fascistas nos grupos ruas, acabou sendo um canal de expressão de descontentamento de um grande segmento da população Berlim, consciente ou inconscientemente, contra a virada à direita que o país sofre. Além de denunciar, muitos slogans sociais levantadas certas (tais como o direito à habitação, a demanda profundamente sentida em uma cidade como Berlim, onde escasso-lo) e trabalho e grupos de imigrantes manifestaram contra os perigos da direita em sua países

Vários partidos políticos (o SPD social-democrata, o Partido Verde e a esquerda do Die LINKE) pediram a manifestação, embora não a tenham liderado. Até mesmo o ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas (SPD), pediu mobilização via twitter, dizendo: "Não nos deixamos dividir - ainda menos pelos populistas de direita", buscando hegemonizar a mobilização. Essa amplitude explica em parte a solidez da marcha, mas também a forte presença das demandas sociais e slogans não só dirigidos contra a direita populista, mas o governo, mostrou que existem profundas exigências que foram expressas na mobilização.

No entanto, houve também desacordo com a chamada. Sahra Wagenknecht, dirigente do partido "de esquerda" Die Linke, opôs-se à manifestação (e à decisão do seu partido de mobilizar), porque se opõe à exigência de que "a solidariedade não tenha fronteiras", expressa no apelo. Wagenknecht, que anteriormente causou controvérsia sobre as expressões sociais chauvinistas e racistas, também afirmou que "há um ambiente que irá para a manifestação e outro que não", expressando que procura canalizar os sentimentos xenófobos por seu novo "movimento coletivo". ("De pé").

A fraca participação dos partidos políticos tradicionais demonstra sua crise de representação, sendo o principal perdedor o SPD. Outrora um símbolo de paz social e concessões aos trabalhadores, a social-democracia é a que realiza o ajuste como parte do governo e do aliado de Merkel.

Ter confiança perdida nos velhos partidos, aplicando ajustes constantes e são incapazes de resolver os problemas básicos como a escassez de habitação, a "crise de cuidados" no setor da saúde e o aumento da precariedade não é surpreendente que ali ganhou muito apoio, canalizando o sentimento contra a "casta política".

Essa mobilização maciça, a maior em anos, prova que há vontade e força para enfrentar a direita, e que a classe trabalhadora, com sua composição multiétnica, não deve ser intimidada ou seduzida pelo populismo de direita. Entre as muitas organizações que se reuniram, há uma força que tem a capacidade de impedir o surgimento de grupos de choque fascistas e a cumplicidade do governo: são os sindicatos que organizam milhões de trabalhadores. Neste sábado, a coluna sindical mobilizou centenas de trabalhadores com reivindicações antirracistas e sindicais. Os trabalhadores aeronáuticos da RyanAir na luta lideraram a coluna.

Para enfrentar a direita, essas mobilizações devem ser apenas o começo. É preciso exigir da base os partidos reformistas e os sindicatos que assumem as demandas da classe trabalhadora, cada vez mais precárias, e mobilizar suas bases. Para isso, é necessário quebrar a trégua "paz social" com o governo, o vencedor das quais são empresários e direita, e chamar greves e manifestações em defesa dos imigrantes, mulheres e jovens, as principais vítimas do giro à direita.




Tópicos relacionados

Extrema-direita   /    Alemanha   /    Internacional

Comentários

Comentar