Política

Maia se encontra com empresários para mostrar que garante reformas com ou sem Temer

sábado 8 de julho| Edição do dia

De acordo com noticia divulgada hoje no Valor econômico, Rodrigo Maia realizou uma série de reuniões onde buscou se colocar como capaz de seguir a agenda de ataques aos direitos dos trabalhadores.

O presidente da Câmara dos deputados, atual sucessor de Temer caso esse tenha seu mandato interrompido, de 47 anos, desde o agravamento da crise política intensificando seus encontros com os representantes do mercado financeiro para garantir que com ou sem temer as reformas sejam aprovadas.

Apesar do cenário mais provável, dentro da lógica dos analistas burgueses, ser a manutenção de Temer na presidência as reuniões de Rodrigo Maia sinalizam seu profundo compromisso com a agenda das reformas. Buscam também afirmar, apesar da pouca experiência no poder Executivo, que ele pode vir a ser a pessoa possível de implementar a agenda de ataques e de dirigir o país em meio a crise.

Apesar do tom de “garantir o que é melhor para o país” o que o presidente da Câmara vem buscando garantir é que se passem os ataques, como aumento da idade para aposentadoria de homens e mulheres, que podem ficar abalados com novas denuncias contra o Presidente Michel Temer.

Ainda de acordo com o Valor Economico Rodrigo Maia se reuniu com analistas do Santander, Itaú e Banco Société Générale Brasil, com o diretor-presidente do Insper e com uma série de outros representantes do mercado financeiro. Todos esses encontros tem um único objetivo, buscar maneiras para se seguir descarregando a crise nas costas dos trabalhadores enquanto se garante bilhões de reais para o pagamento da divida pública.

Com ou sem Temer o interesse dos empresários e de seus políticos aliados é de seguirem lucrando, por meio do pagamento da divida pública, com o assalto aos cofres públicos que no mês de junho de 2016 chegava a 3,253 trilhões.




Tópicos relacionados

golpe   /    Rodrigo Maia   /    Dívida pública   /    Crise no governo   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar