Política

Reforma da Previdência e Privatização

Maia prioriza Reforma da Previdência, privatização da Eletrobrás e venda do pré-sal

quarta-feira 8 de novembro| Edição do dia

Nesta terça-feira (7) o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, defendeu a necessidade de se aprovar projetos que atacam ainda mais os direitos dos trabalhadores: reforma da previdência, privatização da Eletrobrás, venda de até 70% das áreas não concedidas do Pré-Sal, entre outras atrocidades. Na linguagem do corrupto o interesse de descarregar a crise nas costas dos trabalhadores e de entregar as riquezas do país à empresas estrangeiras é mascarado por frases de efeito como “salvar país” e “recuperação econômica”.

Reforma da Previdência: Principal Objetivo e Cortina de Fumaça para aplicação de outros ataques.

No discurso de Maia vemos esse duplo sentido. Fazendo coro com Temer, por um lado aponta que Reforma da Previdência é o principal objetivo e ainda ameaça os trabalhadores com chantagens absurdas dizendo que se a reforma não for votada “Vamos chegar a um ponto, daqui a um ou dois anos, de ter que caminhar para uma situação como a de Portugal e da Grécia, que cortaram aposentadorias”. Ao mesmo tempo reconhecendo as dificuldades em aprovar essa Reforma que possui um imenso rechaço da maioria da população brasileira diz que “a base [do governo] está machucada e não dá para cobrar nada neste momento” fazendo referência aos desgastes do governo com setores da base aliada para recentemente barrar as denúncias contra Temer e negar a abertura de processos contra o golpista no STF.

Por outro lado vemos a estratégia de se utilizar a Reforma da Previdência como uma espécie de cortina de fumaça que encobre e tira o foco de outros imensos retrocessos que estão em pauta ou que já foram aprovados com o aval de Maia como a Reforma Trabalhista. Para justificar a venda e entrega do Pré-Sal ao capital estrangeiro Maia se utiliza de demagogia barata dizendo que “Vamos avançar nessa questão para resolver o problema de caixa da Petrobras”.

A Estratégia de Atacar Por Via das Dívidas dos Estados: Façamos como os Professores do Rio Grande do Sul!

Dentro dessa cortina de fumaça da Reforma da Previdência, uma das principais estratégias de Temer e do congresso corrupto de Maia vem sendo cortar direitos e realizar privatizações por via das dívidas dos Estados - nas quais para renegociá-la - o governo federal impõe a necessidade de congelamento de salários do funcionalismo, aumento do imposto da previdência e privatizações. Um claro exemplo disso é no Rio Grande do Sul onde o Temer e o governador Sartori fazem querem privatizar a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Riograndense de Mineração (CRM), Sulgás, Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) entre outras.

Um caminho de resistência à todos esses ataques se expressa nas lutas de resistência que estão ocorrendo nesse Estado como a importante greve de professores do Rio Grande do Sul que já se estende por mais de 2 meses e da dos servidores municipais de Porto Alegre que lutam contra as reformas, privatizações e contra os absurdos atrasos e parcelamento dos salários. Acompanhe a cobertura das lutas no Rio Grande do Sul pelo Esquerda Diário. http://www.esquerdadiario.com.br/Rio-Grande-do-Sul




Tópicos relacionados

Rodrigo Maia   /    Reforma da Previdência   /    Reforma Trabalhista   /    Privatização   /    Política

Comentários

Comentar