Política

RODRIGO MAIA

Maia articula possível candidatura à Presidência com PP e Solidariedade

Rodrigo Maia tenta aparecer como figura do "centro", mas já mostrou muito bem sua política neoliberal com ataques como a reforma trabalhista e a reforma da previdência.

terça-feira 9 de janeiro| Edição do dia

as últimas semanas o Presidente da Camara, Rodrigo Maia, vem deixando bem mais claras suas intenções em ser candidato à Presidência da República.

Desde o ano passado que Maia já vem se articulando com PP, partido de Maluf, e também com o Solidariedade partido de Paulinho da Força, avaliando as condições em tê-lo como candidato. Recentemente as conversas entre esses partidos e Maia voltaram à cena, já que a intenção do Presidente da Camara é de conseguir angariar aliados na base do governo para uma possivel candidatura da coalisão do Governo. Na sexta-feira (05/01), ele se reuniu com Paulinho da Força (SD-SP), que é um "entusiasta" de sua campanha.

Rodrigo Maia, tenta aparecer com um discurso de figura do "centro", mas na verdade foi um dos principais atores na aplicação das medidas do projeto golpista junto com Temer, como foi com a reforma trabalhista, e como está sendo agora, correndo para conseguir a maioria necessária para aprovar a reforma da previdência, mostrando a cara neoliberal da sua política.

O próprio Maia já declarou que não irá fazer nada "muito brusco" no sentido de aparecer como candidato até que aconteça a votação da reforma da previdência, que será votada em fevereiro, claramente para que não vincule sua figura como possível candidato à presidência com uma reforma tão impopular.

A reforma da previdência que Maia tanto trabalha para aprovar é mais um ataque que vem para garantir que esta crise seja despejada nas costas dos trabalhadores e da juventude. O Presidente da Câmara irá focar suas próximas semanas em garantir os números necessários para a votação da reforma, dando mais uma demonstração de sua posição bem distante de qualquer "centro".




Tópicos relacionados

Rodrigo Maia   /    Eleições 2018   /    Política

Comentários

Comentar