Gênero e sexualidade

DIA DAS MÃES

Mães da linha de frente: “Minha única filha fez 15 anos e com duas semanas de antecedência me veio o diagnóstico de Covid-19. Desmarquei tudo o que planejamos para realização de um sonho”

Neste dia das mães em meio a pandemia do novo coronavírus e o isolamento social, reproduzimos o relato de algumas mães trabalhadoras da linha de frente do combate ao coronavírus. Com a palavra Thainan, metroviária da linha 1 Azul do metrô de São Paulo e mãe de uma jovem de 15 anos.

segunda-feira 11 de maio| Edição do dia

Em pleno 2020, onde nada mais faz tanto sentido. Vivemos para trabalhar e trabalhamos para viver.

Esse ano, minha única filha fez 15 anos no dia 31 de março e estávamos aguardando ansiosos por essa data... Há meses investindo em buffets, lembrancinhas, resgatando fotos (aquelas do fundo do baú), tudo para dar conforto e recepcionar os convidados, amigos de longa data, os quais participaram de nossas vidas desde sempre e com duas semanas de antecedência me veio o diagnóstico de Covid-19.

Mantive isolamento, desmarquei tudo o que planejamos para realização de um sonho desde que ela nasceu. Um balde de água fria. No dia do aniversário dela cantamos parabéns por um aplicativo onde toda família e alguns amigos participaram por vídeo chamada e foi isso.

Estamos vivendo na incerteza de nossos governantes, que ao invés de pensarem na vida da população, pensam somente em arrecadar e ganhar votos.

Provavelmente adquiri o vírus no meu local de trabalho onde visivelmente houve descaso com os funcionários e seus familiares. Os EPI’s chegaram a nós muitos infectados.

Trabalho a seis anos no metrô de SP, não sou equiparada, sou mãe e pai, luto e batalho diariamente para que milhares de usuários, dentre eles mães, filhas, netas, tias, possam chegar com segurança e dignidade em seus destinos e possam estar com seus familiares. Mesmo vendo o descaso com nossas próprias famílias pelo governo, muitos de nós estamos à disposição da população e nem se quer somos reconhecidos por isso.

Para alguns o dia das mães foi diferente esse ano, mas o amor é sem dúvidas o mesmo, longe ou perto, não importa.
Tenho orado a Deus para que faça nossos governantes entenderem que a vida vale muito mais, pois sem a vida não terão o que tanto almejam.
Espero que isso tudo passe logo para abraçar, beijar todas as pessoas queridas. Hoje vejo como coisas simples fazem tanta falta...

Desejo a todas Mamães um feliz dia todos os dias e agradeço a Débora por ser minha filha, ela me ensinou a ser mulher, forte e a ser mãe! Sem ela, eu nada seria!




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Mulher   /    Metrô   /    Gênero e sexualidade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar