Internacional

Estado Espanhol

Madrid, Zaragoza e Barcelona: já são sete universidades organizando um referendo sobre a monarquia

Seguindo o exemplo da Universidade Autónoma de Madrid, da Universidade de Zaragoza, as universidade de Barcelona e Pompeu Fabra, e a Universidade Carlos III, o Complutense e da Politécnica de Madrid estão organizando um referendo sobre a monarquia. O movimento anti-monarquista entre os estudantes se incendeia e está no caminho de se tornar um movimento em todo o Estado Espanhol junto as consultas em distritos e municípios.

Diego Lotito

Madri | @diegolotito

quarta-feira 14 de novembro| Edição do dia

"O que começou como uma idéia, talvez um tanto bombástica de uma dúzia de alunos sentados emum círculo em um gramado na Universidade Autónoma de Madrid (UAM) está prestes a se tornar um movimento estudantil nacional". Assim, uma nota publicada sexta-feira em ElDiario.es, uma das dezenas de artigos de jornal percebendo o impacto adquirido em poucas semanas da convocação da Plataforma Referendum UAM, que no próximo 29-N fará o referendo sobre a monarquia na universidade de Madri. E não é um exagero.

Desde o referendo para a independência da Catalunha 1-O 2017, que envolveu uma ruptura aberta com o regime espanhol e sua monarquia, seguido por vaias a Felipe VI em agosto do ano passado, em Barcelona, amostras de rejeição a casa real tornaram-se maiores e mais frequentes. E, acima de tudo, eles não pararam de se multiplicar em pequenas e grandes manifestações.

É um fato que cade vez mais e mais setores da classe trabalhadora e da juventude estão questionando por que devem continuar a manter uma instituição reacionária herdada do regime de Franco, totalmente arcaica e antidemocrática. Sem compreender esse fenômeno profundo de insatisfação com a monarquia, refletido em várias
pesquisas, não é possível explicar a dinâmica do movimento atual, da qual agora estamos vendo suas primeiras expressões.

Em 23 de junho último no bairro de Vallecas, em Madri, 6.490 pessoas (de 7.270 pessoas) disseram ’sim’ à República na consulta organizada pela plataforma Vallekas Decide. As férias de verão inicialmente limitou sua expansão. Mas, apesar de insuspeita na época, essa iniciativa estava na gênese do que hoje começa a se mostrar como um movimento cada vez mais amplo.

Vicálvaro em 24 de novembro; Latina, Arganzuela, Carabanchel, Centro, Tetuão, Vallecas, Usera, Leganés, Alcobendas, São Sebastião dos Reis, Parla e Rivas em 2 de dezembro; Laguna e Móstoles em 15 de dezembro. Mais de uma dúzia de distritos e municípios vão consultar sobre a monarquia em pouco menos de um mês.

Neste contexto, surge a convocação estudantil para um referendo na UAM, uma iniciativa pioneira nas altas casas de estudo que logo começou a ganhar simpatia e se espalhou para outras universidades.

"Extensão Universitária" contra a monarquia

Alguns dias após o lançamento da iniciativa UAM, estudantes da Universidade de Zaragoza montaram a plataforma UNIZAR Referendum. Em uma assembléia em 13 de novembro, eles decidirão a data em que realizarão o referendo.

Assim como seus companheiros e colegas de Madrid também esperam que esta iniciativa vai "continuar abrindo o caminho para que se possam abrir processos constituintes livres e soberanos que podem decidir tudo, desde a forma de Estado, ao direito da autodeterminação dos povos, bem como questões sobre o nosso futuro e sobre as quais eles não querem que nós falemos, como pagamento da dívida, o desemprego, saúde e educação, entre muitos outros ", diz Lorien Matute, promotor da plataforma e membro do grupo de jovens Contracorriente.

Pouco depois, foi a vez da Universidade Carlos III de Madri, onde estudantes e professores também se juntaram à iniciativa da Universidade Autônoma. 4 de dezembro é a data escolhida para realizar um referendo na universidade cujo campus está localizado em Getafe.

"O modelo de Estado é uma questão sobre a qual os cidadãos têm que falar, e que nunca foi levantada desde 1978 (...). Consideramos que a Universidade é um lugar de formação de conhecimento crítico, portanto, colocando em prática nossa vontade de criar e incentivar um debate público e ação popular, promovemos a realização de uma consulta sobre o modelo de Estado ", argumentam a partir da plataforma do referendo UC3M.

E a partir desta quarta-feira, também alunos da Universidade de Barcelona (UP) e do Pompeu Fabra (UPF). Formada inicialmente para apoiar o referendo convocado por alunos da Universidade Autónoma de Madrid e outros bairros da capital, a plataforma "Fora el Borbó" decidiu quarta-feira em sua primeira reunião a aderir à iniciativa e fazer um referendo em ambas as universidades, também em 4 de dezembro.

A importância de falar sobre processos constituintes no plural foi destacada na assembléia, deixando claro que é também sobre a Catalunha ser capaz de realizar o seu próprio processo como um livre exercício de autodeterminação e no mesmo sentido em que foi votada em 1 de outubro, como argumentou Pablo, um estudante de economia, política e filosofia na UPF. Assim, o movimento de referendos nas
universidades nos permite pensar em uma luta conjunta em todo o Estado contra a monarquia e o regime.

Com as duas universidades catalãs, já existem cinco universidades que farão uma consulta. E isso é apenas o começo. "Eles nos escrevem de muitas outras universidades, de Valência à Galícia, porque também querem organizar o referendo", diz Lucia Nistal, porta-voz da plataforma Referendum UAM e uma das pioneiras do movimento.

O debate sobre a monarquia e sobre o caráter antidemocrático do regime em geral foi instalado nas universidades de tal modo que dezenas de professores, pesquisadores e funcionários administrativos de universidades de todo o Estado assinaram uma declaração de apoio às iniciativas que incentivam a participação de toda a comunidade universitária (alunos, professores e PAS).

Diante do silêncio ou do apoio explícito à coroa das autoridades universitárias, "os signatários do texto de apoio" expressam a vontade da universidade de ser um espaço crítico e democrático".

Um questionamento radical do regime político

"Nas redes sociais eles nos chamam de analfabetos, ninis, porretas, vários me enviaram para a colheita, e o melhor comentário é que somos membros de gangues de um musical classe B da Broadway ...", ele ri. Quem somos nós realmente? Somos estudantes e pesquisadores da Autónoma e temos um objetivo comum, que é derrubar esta monarquia herdada do regime de Franco ", disse Marcos,
história estudante do primeiro ano, na Assembleia da UAM para definir uma data para o referendo no próximo 29-N.

Os estudantes estão, portanto, na linha de frente do questionamento de todo o regime político. Um regime "blindado, que se recusa que se possa questionar essa instituição e todos os legados de uma transição imposta a todos aqueles que não puderam votar a Constituição de 78", explicam.

Nistal fortalece esse argumento: "É uma monarquia imposta, que nunca foi votada, como ele reconheceu que o próprio presidente Suarez -pouco suspeito de ser de esquerda-, que entrou pela janela no pacote da constituição era votada sob a chantagem de que esse era o único caminho para a democracia. Uma constituição em cuja escrita participaram militares franquistas para impor a unidade indissolúvel da Espanha e que hoje é fechado com uma fechadura, cuja chave é o rei e seu
direito de veto.

Viver neste regime herdado do regime de Franco é um "absurdo óbvio" para os estudantes, a
maioria com menos de 25 anos. "Por que as novas gerações devem pagar o preço de uma
institucionalidade imutável consagrada em um tempo, um espaço e uma situação política que não
vivemos e sobre as quais não poderíamos ter uma opinião?", Perguntam.

Portanto, nos referendos que serão realizados nas cinco universidades, haverá duas perguntas: "Você é a favor de abolir a Monarquia como forma de Estado e estabelecer uma República?" Será a primeira pergunta. E o segundo: "Se sim, você é a favor de abrir processos constituintes para decidir que tipo de República?".

O fato de os estudantes desenvolverem um questionamento radical dessa instituição reacionária e medieval não apenas explica a profunda crise pela qual o regime está passando, mas também as enormes reservas revolucionárias que se aninham na juventude.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar